Pobre não poupa, diz ministro do país onde trabalhador não ganha nem um salário mínimo

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • ASA 20 Anos: Água potável é vida e bênção para a infância do Semiárido

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Novembro 2019

“Um menino, desde cedo, sabe que ele é um ser de responsabilidade quando tem de poupar. Os ricos capitalizam seus recursos. Os pobres consomem tudo”, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo publicada na edição de domingo (3). Guedes é ministro em um país onde 16 milhões de famílias ganham em média R$ 1.232,17 (R$ 411 por pessoa) e 13 milhões, R$ 2.332,98 (R$ 778), segundo dados do IBGE. Para metade da população brasileira, é preciso sobreviver com o equivalente a menos da metade de um salário mínimo.

A reportagem é publicada por RBA, 04-11-2019.

A repórter que entrevistava Guedes até tentou argumentar, perguntando se uma pessoa pobre consegue guardar dinheiro. “Ele já guarda e não sabe. O FGTS é um dinheiro que tiram dele e fica depositado”, respondeu o ministro, para então ser lembrado que a maioria dessas pessoas não tem emprego formal. Nem assim ele se deu por vencido: “Mas terão com mudanças que teremos pela frente. O que precisa ficar claro é que as coisas estão andando”.

Segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), do IBGE, em 2018 o rendimento total das famílias foi, em média, de R$ 5.088,70, incluindo rendimento do trabalho, transferências de renda e outras fontes de renda, ou algo em torno de quase R$ 1.700 por pessoa. Mas a diferença vai dos R$ 411 já citados a R$ 11.423 na última faixa.

Além disso, quase um quarto das despesas das famílias mais pobres (23,8%) se destina ao básico: alimentação. No caso da faixa de renda mais abonada, esse gasto cai para 11%. De acordo com o instituto, famílias que ganham o equivalente a dois mínimos gastam 61% com alimentação e transporte.

O ministro entusiasta do modelo chileno de capitalização também não pode usar o mercado de trabalho como argumentação: a informalidade está em nível recorde. O número de empregados sem carteira assinada cresceu em 384 mil em 12 meses e chegou a 11,8 milhões em setembro, recorde na série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, também do IBGE. E os trabalhadores por conta própria somam 24,4 milhões, outro recorde – são 1 milhão a mais em 12 meses.

Mais um dado do instituto vai contra a crença de Guedes na capacidade de poupança do brasileiro. Em 2018, o rendimento médio mensal do trabalho da população 1% mais rica correspondeu a quase 34 vezes o recebido pela metade mais pobre. Enquanto no primeiro caso a renda foi de R$ 27.744, no segundo o valor era de R$ 820. Novamente, menos de um salário mínimo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pobre não poupa, diz ministro do país onde trabalhador não ganha nem um salário mínimo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV