“Criei o Waze para resolver a perda de tempo no trânsito, mas agora vejo que o problema é pior”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS
  • Tomar a Bíblia ao pé da letra

    LER MAIS
  • A riqueza dos mais ricos cresce um trilhão durante a covid. O ranking dos patrimônios

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Outubro 2019

O israelense Uri Levine, cofundador do aplicativo de transito, promoveu mais de uma dúzia de ‘startups’ de sucesso sem mudar seu estilo de vida.

A reportagem é de Jordiz Perez, publicado por El País, 14-10-2019.

Alguns anos atrás, Uri Levine precisou que o acompanhassem ao aeroporto de Tel Aviv (Israel). “Pedi ao meu filho, mas ele respondeu que não podia porque estava com o celular quebrado”, conta. “Também não é para tanto, eu disse, estarei no carro e te guiarei até lá”, acalmou o Levine. Mas o filho não estava convencido: “E como volto para casa?”

Levine tira uma moral positiva dessa história: “Perderemos o senso de orientação, mas não a lógica”. Essa extrema dependência do telefone de seu filho não parece importar para o pai: “A realidade é que os mais jovens estão perdidos sem seus telefones celulares”. Levine não está preocupado com a velocidade de adoção das novas tecnologias: “Há 100 anos, saber andar a cavalo era crítico, a vida muda rápido e nós nos adaptamos rápido”, diz.

De fato, o israelense Uri Levine trabalha há anos para tornar o celular insubstituível. Em 2007, cofundou o aplicativo de navegação Waze e, desde então, promoveu outras 13 startups de sucesso.

O Google comprou o Waze por 1,1 bilhão de dólares (cerca de 5,3 bilhões de reais) em 2013. Foi o aplicativo mais caro adquirido pela empresa até então. Hoje ainda está entre os dez primeiros dentre os 236 que foram adquiridos do Google. O Waze é um famoso aplicativo de navegação para carros que teve 110 milhões de usuários ativos em 2018. Suas informações são provenientes do movimento em tempo real de cada motorista: se muitos andam mais devagar do que o normal em uma rua é porque existe um engarrafamento. “Criei o Waze para resolver a perda de tempo no trânsito e encontrar rotas alternativas, mas agora vejo que o problema é pior”, disse Levine ao EL PAÍS durante as jornadas Onlife organizadas pelo jornal La Repubblica em Milão.

O Waze é outro exemplo de tecno-otimismo com consequências imprevistas. Levine pretendia resolver algo que na realidade piorou: “Os engarrafamentos agora são piores que há dez anos. Ou seja, não resolvi o problema”. E o tornou ainda pior? “Possivelmente sim. Muitas pessoas me disseram que tinham medo de dirigir e o perderam com o Waze. Portanto, ficam na rua por mais tempo e criam engarrafamentos.” A solução de Levine para os engarrafamentos é acrescentar atalhos aos carros presos nos congestionamentos. Mas como disse o urbanista Lewis Mumford, “acrescentar faixas para resolver os congestionamentos é como soltar o cinto para curar a obesidade".

Na assinatura de seu e-mail, Levine se define como “empreendedor em série”. Quando o Google comprou o Waze, artigos de jornal publicaram que Levine tinha recebido 38 milhões de dólares. “Eu adoraria ter 38 milhões de dólares, mas não é verdade”, diz. Ele não revela quantos, mas admite que se tornou um “milionário”.

Depois da venda, Levine deixou o Google no dia seguinte: “Não me encaixo em grandes organizações, crio muitos problemas”. Passou alguns dias de férias esquiando e comprou uma bicicleta: “Continuo andando nessa bicicleta, Tel Aviv é uma cidade apropriada”. Mas, no fundo, só queria uma coisa: “Construir mais startups”. Não mudou o que fazia: “Se você não muda drasticamente seu estilo de vida, tem muito mais recursos para fazer outras coisas”, explica.

Hoje ele fundou, promoveu, investiu ou colabora ativamente em 13 startups. Em Israel e em suas constantes viagens, vê que a Europa não é terra de startups: “Um dos grandes desafios dos empreendedores na Europa é que eles temem o fracasso. Na Itália teme-se o fracasso. Na Espanha se tem muito medo do fracasso. Se houvesse menos medo, haveria mais empreendedores. A inovação na Europa vem da Estônia, da Ucrânia, lugares não tradicionais em que a economia não é forte e eles têm menos a perder”, afirma.

Os quatro pilares da sociedade

Levine não para devido a uma consequência imprevista. Agora o Waze inclui o carpool – compartilhamento de carro entre usuários– e criou o Moovit, que é o Waze para o transporte público, e tem cerca de 600 milhões de usuários, de acordo com seus números.

Levine acredita que a sociedade funciona graças a quatro grandes pilares. Existem três que melhoraram significativamente no século XXI, graças à tecnologia: transações financeiras, comunicação e logística. Mas existe um que piorou: a mobilidade. Desta dependem outros problemas graves: segurança no trânsito, poluição, urbanismo.

Levine também imagina soluções que vão além de um aplicativo. Sua aposta hoje é, principalmente, convencer as prefeituras a apostar em opções mais radicais: ruas apenas para o transporte público com ônibus menores e mais frequentes, transporte público gratuito. “Um ônibus com apenas 20% de ocupação é uma óbvia ineficiência econômica”, diz. Até a Madrid Central [área do centro da capital espanhola implantada em 2018 na qual há forte restrição à circulação de automóveis] lhe parece insuficiente: “Multar as pessoas por não usarem o carro no centro é percebido como um imposto: os usuários diminuem no início, mas depois voltam a subir. Para uma mudança real de atitude é preciso pagar 10 euros toda vez que alguém não entra no centro de carro”, explica.

Levine fala com enorme confiança em suas ideias. Tem muitas. Vê problemas a resolver em todo lugar. Seu objetivo, diz, é “mudar o mundo e torná-lo um lugar melhor nas áreas em que sei fazê-lo”. Embora pareça estranho, ele diz isso sem grandes pretensões: como negar a capacidade de alguém que conseguiu centenas de milhões de downloads dos aplicativos em que participou.

Sua obsessão é resolver problemas que fazem perder tempo ou dinheiro: como chegar antes a um lugar (Moovit), como pagar menos comissões em transações financeiras (FeeX), como recuperar o IVA quando você é estrangeiro e vai embora de um país (Refundit), como fazer a declaração de Imposto de Renda em cinco minutos (Fibo), como vender e recomprar sua passagem de avião se o preço cair dias depois de tê-la comprado (FireFly) ou como saber qual porcentagem de árvores produz menos em plantações com centenas de milhares de plantas (Seetree). Nem todos foram um sucesso: o MeGo e o Bundeal fracassaram.

Toda essa produção lhe permite ter uma “filosofia” empreendedora que resume em frases que figuram em suas camisetas: “Apaixone-se pelo problema, não pela solução”, “cometa seus erros rapidamente”. Sua hipotética intenção de se vangloriar com slogans sempre tem um aspecto prático: “Faço isso porque nas conversas ninguém se lembra de nada, mas às vezes o lema da camisa permanece”.

A palavra “problemas” surge continuamente no discurso de Levine. “Sempre começo com o problema”, diz. “Vou ver quem o tem, conversar com pessoas que o tenham para ver se o percebem como tal. Se é algo que só eu considero ruim, não funciona. Depois, procuro dados para saber quantas pessoas têm esse problema e seu desejo de resolvê-lo”. Com o problema definido, busca a equipe, o grande desafio. Então começa o “caminho do deserto”, produzir o produto.

Para formar a equipe, Levine tem uma vantagem. Em Israel, todo mundo passou na juventude por um processo de seleção duro e eficaz: o Exército. “O serviço militar faz que Israel seja um melhor ecossistema de startups”. Levine chegou à mítica unidade de inteligência 8200 com 18 anos: “Eu era bom em matemática e tive meu primeiro computador em 1981, um Sinclair. Lá me fizeram engenheiro”.

Levine vê três vantagens nessa passagem de três anos pelo Exército, que dá a Israel uma vantagem diferencial: “primeira, você amadurece mais rápido. Segunda, aos 21 anos você já está fora com teus conhecimentos, não se alonga. E terceira: é um bom processo de seleção; dependendo do posto a que você chega, está preparado, talvez não seja simpático, mas está preparado”, explica. Como se isso não bastasse, a lealdade à sua equipe é mais importante: “No Vale do Silício, se você contrata 100 engenheiros, talvez um ano depois 60 já tenham ido embora. Em Israel, seriam quatro talvez”, acrescenta.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Criei o Waze para resolver a perda de tempo no trânsito, mas agora vejo que o problema é pior” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV