"Espero que os Padres sinodais deem sinais ousados e positivos, que realmente busquem novos caminhos". Entrevista com Padre Michael Heinz, diretor de Adveniat

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS
  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • “Facebook ameaça a democracia”, adverte Chris Hughes, cofundador da rede social

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Outubro 2019

Adveniat é a obra de solidariedade da Igreja alemã com a América Latina, algo que surgiu em 1961, em princípio em resposta à ajuda que católicos latino-americanos, especialmente do Chile, Argentina, Brasil e Uruguai, enviaram para mitigar a fome dos alemães na pós-guerra. Naquela época, os bispos da América Latina pediram aos católicos alemães que foram solidários com a ajuda para formar seminaristas e na construção de seminários.

A entrevista é de Luis Miguel Modino.

Diante desse pedido, os bispos alemães decidiram fazer a coleta de Natal para a Igreja da América Latina. Então, no Concílio, os bispos latino-americanos falaram com eles sobre outras necessidades e, assim, a coleta continuou, formando uma obra de solidariedade, que permanece por 58 anos.

Desde 2017, o diretor de Adveniat é Michael Heinz, Missionário do Divino Verbo, que já foi missionário na América Latina por vinte anos, os últimos dez na Bolívia. Ele também trabalhou por seis anos como coordenador de Justiça e Paz de sua congregação, em questões relacionadas à justiça social e ao meio ambiente, vivendo na casa geral de Roma e visitando diferentes países da América Latina e África.

O religioso alemão é um dos convidados especiais do Sínodo para a Amazônia, que começa neste domingo, 6 de outubro, no Vaticano. Este é um Sínodo que chamou a atenção na Alemanha, “que pode nos ajudar e nos dar luz", segundo Michael Heinz, especialmente em vista do Sínodo da Igreja da Alemanha, que está sendo preparado.

Ao falar sobre os principais temas do Sínodo para a Amazônia, o diretor de Adveniat destaca “o cuidado com a criação, a questão dos povos indígenas, a ministerialidade na Igreja, como nos inculturar como Igreja nas diferentes culturas e a interculturalidade dentro da Igreja”. Ele afirma que estamos diante de um kairós, que pode nos ajudar a aumentar a conscientização sobre o cuidado da casa comum.

Eis a entrevista.

Qual o impacto que o Sínodo da Amazônia está causando na Europa, especificamente na Alemanha?

Na Alemanha, as pessoas, principalmente católicos e bispos, estão atentos porque esperam, como diz o título do Sínodo, que ensine novos caminhos e que isso possa nos ajudar e nos dar luz na Alemanha. O bispo presidente de Adveniat, Dom Franz-Josef Overbeck, que é o bispo de Essen, onde fica Adveniat, aguarda o Sínodo, muito interessado nas questões. Nota-se que a Igreja alemã vê impulsos para a caminhada da Igreja alemã no Sínodo.

De fato, o Sínodo da Igreja Católica na Alemanha começou a ser preparado. Pode-se dizer que existe alguma relação entre este sínodo e o Sínodo para a Amazônia?

A Igreja alemã está preparando um caminho sinodal, como o chamam, que tem vários objetivos. Na Igreja alemã, nos últimos anos, tivemos uma dolorosa experiência de abusos, e isso fez com que os bispos encomendassem um estudo sobre a situação, publicado no ano passado e no qual os bispos alemães viram que não é apenas uma diocese, mas afetou toda a Igreja alemã. Isso causou na maioria dos bispos a necessidade de encontrar uma nova forma.

Nesse sentido, acho que podem se enriquecer os dois. O caminho sinodal da Igreja alemã começará no advento, quando ocorrerão os primeiros encontros e reuniões com os leigos, enquanto na Igreja universal, o Sínodo da Amazônia está pronto para começar. Eu acho que talvez ambos possam se enriquecer, eles possam dar impulsos, primeiro o Sínodo para a Amazônia, e então a Igreja Alemã vai retomar algo que sair do Sínodo.

Quais são os elementos que o senhor acha que podem ser retomados pela Igreja Alemã a partir do Sínodo para a Amazônia?

Um assunto que preocupa também a Igreja alemã, por vários anos, e que está se tornando cada vez mais difícil, é a falta de padres. De fato, a Igreja alemã ainda tem um bom número de padres, comparada à situação na América Latina, acho que a média na Europa é um sacerdote para 1800 católicos, e na América Latina é um sacerdote para 7200 católicos, e na Amazônia é maior, um padre para 13.000 católicos. Isso significa que, se você olhar apenas para os números, a Alemanha ainda tem padres, mas você precisa saber que a grande maioria tem idade avançada e eles ainda trabalham, o que torna a crise não tão grave, porque eles continuam celebrando a missa.

Mas sabe-se que em cerca de dez, quinze anos a situação será mais difícil, principalmente porque as vocações estão caindo, há muito poucas vocações sacerdotais. Isso preocupa os bispos, eles vêm fazendo mudanças estruturais há vários anos, reunindo paróquias, mas veem que isso não basta, que outras formas devem ser buscadas. Portanto, agora eles certamente vão juntar, porque é uma necessidade pastoral, mas também é preciso dar mais espaço às pessoas, leigos, homens e mulheres. Na Alemanha, há um grande número de teólogos que também querem assumir mais responsabilidade em tudo isso. Penso que, nesse sentido, existe um certo paralelismo, embora na Alemanha ainda não seja tão sério, porque ainda há um bom número de padres, mas a falta de ministros ordenados na América Latina e na Alemanha se tornará mais difícil, se a Igreja continuar assim, e será um problema maior.

A Igreja Católica é predominantemente feminina. Na Amazônia, essa presença de mulheres é decisiva. No Instrumentum Laboris, o Sínodo para a Amazônia propõe a necessidade de reconhecer explicitamente o papel das mulheres. Na Alemanha, nos últimos meses, as mulheres adotaram ações de protesto em relação ao seu papel na Igreja. Como o Sínodo da Amazônia e o Sínodo da Igreja alemã podem influenciar esse reconhecimento do papel da mulher?

Eu acho que depende muito do Sínodo para a Amazônia, que começa nesta semana, porque esse é um tema quente em toda a Igreja. Acredito que nem a Igreja alemã nem a Igreja da América Latina são especiais nisso, mas ouso dizer que em toda a Igreja Católica, em todos os continentes, são as mulheres que levam adiante os grupos, o trabalho paroquial, que são catequistas, que estão nas missas. Portanto, não é apenas uma questão de justiça, mas hoje é uma necessidade que o papel das mulheres seja valorizado dentro da Igreja.

Nesse sentido, espero os primeiros passos no Sínodo para a Amazônia. Espero que os Padres sinodais deem lá, como o Papa Francisco convidou, sinais ousados e positivos, que realmente busquem novos caminhos, e se o Papa o valorizar mais tarde, acho que isso também será um sinal positivo para a Igreja alemã, que certamente está indo discutir esse caminho também no próximo ano em sua assembleia sinodal.

Os incêndios na Amazônia, especialmente na Bolívia e no Brasil, e as declarações de Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU, tiveram repercussões, especialmente na sociedade europeia. O senhor acredita que a sociedade e os políticos europeus esperam que o Sínodo possa ajudar a aumentar a conscientização sobre as mudanças climáticas, sobre a ecologia, sobre a necessidade de preservar o meio ambiente?

Sim, acredito que esta será uma questão central agora no Sínodo, como aconteceu com a Laudato Si'. O Papa Francisco, com a Laudato Si', há quatro anos, nos trouxe uma base muito boa para dizer dentro da Igreja, não apenas a Igreja da América Latina, que, além de uma opção clara pelos pobres que temos, que os bispos expressaram em Puebla, agora é o momento de uma opção pelo cuidado da Criação, como o processo JPIC de muitos grupos e congregações estão exigindo por vários anos. A JPIC fala sobre justiça, paz e integridade da criação.

A questão dos incêndios foi fatal neste ano, embora não haja mal que para traga o bem, e tenha causado, espero, e digo esperançosamente, porque não tenho tanta certeza, mas espero que tenha causado uma conscientização além do Brasil e da Bolívia, que é hora de cuidar da criação. E, como temos que trabalhar juntos, não se trata de um, dois ou três países, não se trata de um, dois ou três governos, que agora na Europa, supostamente, os governos querem fazer mais. Eu acho que é uma necessidade onde todos nós temos que trabalhar juntos, porque é sobre o planeta, é sobre a salvação do planeta. Essa é uma questão na qual temos que nos unir, não apenas católicos, mas também as outras religiões, os homens e as mulheres deste planeta.

Penso que, nesse sentido, o Sínodo tem uma tarefa muito boa, é um momento auspicioso, um kairós, porque com isso podemos realmente avançar na América Latina e dizer, aqui temos um bioma que é muito importante e esse bioma, além dos biomas na Indonésia, na África, temos que cuidar disso, e essa é a tarefa da política, da Igreja e da sociedade em geral. Creio que o Sínodo, nesse sentido, pode nos dar muitas luzes e também nos ajudar a tomar consciência.

Nesse sentido, o Papa Francisco insiste fortemente na necessidade de ouvir os povos originários, que mostraram ao longo da história uma interação com a natureza, com a Mãe Terra, baseada no respeito, de uma dinâmica positiva. Por que é necessário, mesmo essencial, que a sociedade e a Igreja ouçam hoje o conhecimento e as cosmovisões indígenas como um instrumento de aprendizado?

Eu acho que é a experiência que os povos indígenas têm e sua convivência com a Mãe Natureza. Eles, ao longo de centenas, milhares de anos, mostraram que podem viver com a Mãe Natureza e não precisam destruí-la. Então, nesse sentido, além de serem os guardiões, especialmente da Amazônia, mas não vamos esquecer que não é apenas a Amazônia, mas também é a mesma coisa no Congo, na Indonésia, é praticamente a mesma questão. O que quero dizer é que eles não apenas a mantêm, mas também podem nos enriquecer, aos países industrializados, a mudar de vida.

Nós não aprendemos isso, e a maneira como vivemos e a maneira como agimos fazem o oposto. Se continuarmos assim, nesse ritmo, destruiremos o planeta. Não é apenas uma questão dos jovens, que reivindicam, graças a Deus, que vão às ruas e reivindicam isso, mas também é nossa questão, porque queremos deixar o planeta habitável para as gerações futuras, que também possam viver nesta Terra e viver bem, como dizem os povos indígenas.

O senhor é um convidado especial da assembleia sinodal. O que o senhor espera do Sínodo para a Amazônia?

Espero impulsos positivos para a situação dos povos indígenas. Adveniat é uma ajuda solidária da Igreja alemã para com a Igreja da América Latina. Somos muito a favor do que a Igreja da América Latina está realizando, que há anos formulou uma opção pela Criação, uma opção por tudo o criado, pelo mundo, pelo planeta. Isso é algo que não aparece apenas agora no Sínodo, mas a Igreja da América Latina, como tal, como um todo, já levantou essa questão, que não é apenas importante para a Amazônia, nem para os cem bispos que fazem parte da Pan-Amazônia, mas para todo o continente.

A questão do lixo, derretimento das geleiras, mudanças climáticas é atual e afeta todos os países. Este Sínodo pode dar um impulso para que levemos mais a sério o cuidado da Criação, e dentro dessa Criação, das pessoas que vivem lá, primeiro de todos os povos indígenas, mas também de todo o continente e do mundo inteiro.

Diante do pós-sínodo, o senhor acredita que este sínodo pode ajudar a dar maior importância aos povos indígenas, à Igreja da Amazônia, à igreja latino-americana e descobrir que pode ser uma fonte de vida para a Igreja universal?

Penso que o Papa Francisco convocou este Sínodo em Roma, porque será para a Igreja universal. Embora seja regional, as principais questões, que são o cuidado da criação, a questão dos povos indígenas, a ministerialidade na Igreja, como nos inculturarmos como Igreja nas diferentes culturas e a interculturalidade dentro da Igreja, acho que essas são questões que elas afetam o continente africano, assim como o continente asiático e nós também na Europa, onde estamos em uma tremenda mudança no que diz respeito à convivência e também à vida eclesial.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Espero que os Padres sinodais deem sinais ousados e positivos, que realmente busquem novos caminhos". Entrevista com Padre Michael Heinz, diretor de Adveniat - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV