Bolsonaro ganha quadro com logo de seu partido feito de cartuchos de armas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • IHU para a quarentena. O Indivíduo e a Sociedade em introspecção

    LER MAIS
  • Uma Igreja centrada no padre, confusa e despreparada

    LER MAIS
  • Rifkin: “A globalização está morta e enterrada: a distância social será a regra”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Novembro 2019

O presidente Jair Bolsonaro participou em Brasília (DF), nesta quinta-feira 21, da primeira convenção do partido Aliança pelo Brasil, sua nova legenda após se desfiliar do PSL.

A reportagem é de Alexandre Putti, publicada por CartaCapital, 21-11-2019.

Para comemorar o início do novo partido, o presidente ganhou uma obra feita com cartuchos de armas de grosso calibre representando o logo do Aliança Pelo Brasil. O responsável pelo presente foi o artista plástico Rodrigo Camacho, do Rio de Janeiro. A imagem do quadro foi postada pelo jornalista Mateus Ferraz em seu perfil no Twitter.

Bolsonaro ataca PSL e Witzel

Na convenção, Bolsonaro foi anunciado como presidente do partido e seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), como vice. Após ser recebido aos gritos de “o capitão chegou”, o presidente da República fez longo discurso de estreia na legenda. Nos pontos altos, afirmou que deixou o PSL após negociações que considerou inapropriadas.

“Esse foi o problema do partido que deixei há poucas horas: negociar legenda, vender tempo de televisão e fazer do partido um negócio para ele”, afirmou.

O presidente também atacou o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC). Segundo Bolsonaro, Witzel seria derrotado nas eleições se Flávio Bolsonaro não o apoiasse, e após ser alçado ao cargo de governador, passou a sonhar com a presidência da República.

Bolsonaro também voltou a acusar Witzel de utilizar a Polícia Civil do Rio de Janeiro para incriminá-lo com o depoimento do porteiro do condomínio Vivendas da Barra. O presidente também revelou que já sabia da exibição da matéria na TV Globo sobre a citação de seu nome no processo do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista Anderson Gomes, dias antes de ir ao ar.

“Ele [Witzel] colocou na cabeça dele destruir a reputação da família Bolsonaro. Minha vida virou um inferno depois das eleições de Witzel”, afirmou. Em seguida, defendeu a inocência do filho, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ).

No início do evento, a advogada Karina Kufa enumerou, em discurso, quatro princípios da legenda: o primeiro, “respeito a Deus e à religião”; o segundo, “respeito à memória, identidade e cultura do povo brasileiro”; o terceiro, “defesa da vida, da legítima defesa, da família e da infância”; e, por último, “garantia da ordem, da representação política e da segurança”.

No primeiro princípio, Karina afirmou que “a Aliança reconhece o lugar de Deus na vida, na história e na alma dos brasileiros” e disse que o povo é “religioso e solidamente educado na base do cristianismo”.

“Jamais a laicidade do Estado significou ateísmo obrigatório, como ocorre em regimes totalitários que perseguem a religião”, disse a advogada.

No segundo princípio, ela disse que o partido se compromete na luta pela “restauração da cultura” e se esforçará por combater o socialismo, o comunismo, o nazifascismo e o “globalismo”, que chamou de “ideologias nefastas que tanto mal causaram e ainda causam ao Brasil, à América Latina e ao mundo”.

No terceiro princípio, Karina afirmou que a sigla vai se esforçar pelo combate “à erotização da infância e ideologia de gênero” no sentido de “banir” o que chamou de “chaga ideológica de nosso país”. Ela também frisou a defesa ao “direito inalinenável de possuir e portar armas”.

No princípio seguinte, ela reiterou repúdio a “todas as suas vertentes” do socialismo e do comunismo e defendeu a proteção do livre mercado e da propriedade privada.

Entre os presentes no evento estavam o ministro da Educação, Abraham Weintraub, o dono da empresa Havan, Luciano Hang, e a primeira-dama Michelle.

Bolsonaro declara o término da relação com o PSL após escândalos que envolvem candidaturas laranjas, seguidos de desavenças com importantes figuras da legenda, como o presidente do PSL, Luciano Bivar, a ex-líder do governo no Congresso Nacional, deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), e o ex-líder da sigla na Câmara, deputado federal delegado Waldir (PSL-GO).

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bolsonaro ganha quadro com logo de seu partido feito de cartuchos de armas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV