Em agosto, focos de incêndios na Amazônia bateram recorde de nove anos

Revista ihu on-line

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Mais Lidos

  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. A vida de Simone Weil marcada pelas opções radicais

    LER MAIS
  • A disrupção é a melhor opção para evitar um desastre climático, afirma ex-presidente irlandesa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Setembro 2019

Somente na Amazônia, houve um aumento de 111% em relação à 2018. Outros biomas, como o Pantanal, também são afetados.

A reportagem é de Giovanna Galvani, publicada por CartaCapital, 01-09-2019.

O Programa de Queimadas do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) divulgou neste domingo 01 que o mês de agosto de 2019 quebrou recordes de focos de incêndio dos últimos nove anos na Amazônia. Os dados, que são atualizados diariamente no site do programa, também mostraram um aumento de 71%, de 2018 para 2019, nas queimadas localizadas em todo o País.

De acordo com o Inpe, o bioma Amazônia possuiu 46.825 focos de incêndio, o que foi aproximadamente a metade do registrado em território nacional neste ano. A comparação do período entre 1º de janeiro e 31 de agosto dos anos em análise mostra um aumento de 111%.

No entanto, a Amazônia não foi o bioma com maior aumento registrado. Para o Pantanal, localizado nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, os 603 focos passaram para 3165, um pulo de 425%. Por mais que essa seja a época de seca na região, a série histórica mostra que os números das queimadas identificadas vêm oscilando pouco nos últimos três anos. De 2017 para 2018, houve uma queda de 73% nos incêndios.

A Amazônia Legal, que abrange a vegetação dos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins e parte do Maranhão, também, inevitavelmente, registrou aumento preocupante: foram mais de 64 mil focos, quase o dobro do ano anterior.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro se encontrou com os governadores dos respectivos estados para discutir maneiras colaborativas de combate às queimadas. Na fala, ocupou-se mais em acusar demarcações indígenas e reservas ambientais de esvaziar a capacidade produtiva do agronegócio.

Na quinta-feira 29, o presidente proibiu queimadas no território, mas logo depois, na sexta, alterou o decreto e manteve a decisão apenas para áreas da Amazônia Legal.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em agosto, focos de incêndios na Amazônia bateram recorde de nove anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV