EUA. Somente 16% dos cristãos dizem que a Igreja deveria se arrepender do passado racista

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sínodo é até o limite. Inclui a todos: Os pobres, os mendigos, os jovens toxicodependentes, todos esses que a sociedade descarta, fazem parte do Sínodo”, diz o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo

    LER MAIS
  • O Papa aos Jesuítas da Eslováquia: “No mundo atual nos assusta sermos livres. Temos medo das encruzilhadas do caminho"

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Agosto 2019

Um novo estudo de Barna mostra uma divisão racial quando se trata das opiniões dos cristãos estadunidenses sobre como a Igreja deve responder às injustiças históricas que enfrentam os negros nos Estados Unidos, e somente uma pequena fração diz que a Igreja deve se arrepender.

A reportagem é publicada por The Christian Post, 12-08-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

A organização de pesquisas evangélicas lançou sua nova publicação intitulada “Para onde vamos a parti daqui?” – perguntando aos cristãos e pastores praticantes o que, se é que há algo, deve fazer a igreja para fechar a brecha racial nos EUA.

A um total de 1502 cristãos estadunidense praticantes de diversas raças lhes foi perguntado "o que a Igreja deveria fazer em resposta aos 400 anos de injustiças que enfrentam os afro-americanos". Aos entrevistados era possível escolher múltiplas respostas de uma lista que incluía “nada”, “reparar o dano”, “se arrepender”, “buscar a restituição”, “se lamentar” e “não sei”.

Somente 16% dos cristãos praticantes estadunidenses disseram que a Igreja precisa se arrepender pela história da escravidão e segregação dos Estados Unidos. Uma minoria, 24%, dos cristãos praticantes afro-americanos indicaram a necessidade de que a Igreja se arrependa. Em comparação, somente 13% dos cristãos brancos também selecionou “se arrepender” como resposta.

33% dos cristãos praticantes brancos indicaram que pensam que “a Igreja não deveria fazer nada” em resposta à história da escravidão no país, enquanto que 15% dos cristãos praticantes afroamericanos disseram o mesmo.

33% dos cristãos praticantes negros disseram que a Igreja necessita “reparar o dano”, enquanto 24% dos cristãos praticantes brancos e 28% de todos os entrevistados cristãos praticantes disseram o mesmo.

12% dos cristãos praticantes disseram que a Igreja deveria “buscar a restituição”. 19% dos cristãos afro-americanos e 10% dos cristãos brancos estiveram de acordo.

Somente 8% de todos os cristãos praticantes indicaram que pensam que a Igreja necessita se lamentar (expressar tristeza e dor por algo) pela história da escravidão do país.

Cabe assinalar que 26% de todos os entrevistados indicaram que “não sabem” quando lhes foi perguntado o que deveria fazer a Igreja, incluindo 24% de cristãos negros praticantes e 27% de cristãos brancos praticantes.

“Isso poderia representar confusão sobre as opções específicas proporcionadas, que vão desde o simbólico até o material, ou poderia ser simplesmente uma forma de dizer que os entrevistados não estavam seguros do que devem fazer a igrejas, ou inclusive o que podem fazer, para ajudar com a reconciliação racial”, se lê no resumo escrito por Barna.

A pesquisa de Barna se realizou em associação com The Reimagine Group. Jim Wallis, um destacado líder cristão de esquerda e fundador da progressista organização evangélica de justiça social Sojourners, respondeu às revelações da pesquisa em uma declaração dada ao The Christian Post.

“Até que a Igreja, especialmente a Igreja branca, reconheça sua história e cumplicidade com o racismo, não podemos avançar para a cura”, enfatizou Wallis.

"Mais frequentemente, os cristãos brancos se recusam a reconhecer que o racismo é mais do que um problema do passado. Até que a palavra-chave em 'cristão branco' seja cristã, não nos moveremos para um lugar de cura. Agindo em arrependimento pelo O pecado do racismo, por mais doloroso que seja, unirá as congregações ".

Maina Mwaura, escritor freelancer e pastor interino de jovens no Mountain Park First Baptist em Stone Mountain, Georgia, disse ao The Christian Post em uma entrevista, que a pesquisa de Barna indica uma "grande desconexão" entre cristãos negros e brancos.

"Muitos evangélicos negros não se vêem como evangélicos e eu acho que eles concordam com isso", disse Mwaura, referindo-se à associação política dos evangélicos brancos com a administração Trump.

Mwaura concordou que a falta de familiaridade entre os cristãos negros e brancos e a falta de culto multirracial nos Estados Unidos está desempenhando um papel importante em relação à divisão racial nas igrejas. Ele acredita que o papel da Igreja é ajudar a construir a capacidade dos cristãos negros e brancos de "ouvir" e "orar juntos".

"Estamos falando tanto que não estamos nem ouvindo um ao outro", explicou ele. "Você não ouve nada. Você definitivamente não pode orar junto. Quando você tem esses dois ingredientes-chave, então o que você consegue é a visão".

"Eles precisam de mais tempo um com o outro. Eu diria que a maioria dessas pessoas, especialmente evangélicos brancos, não tem amigos de cor. Quando você não tem amigos de cor, branco ou preto, você começa a assumir e as suposições sempre levam a confusão, sempre ".

Mwaura, graduado do Seminário Teológico Batista de Nova Orleans, cresceu em uma igreja evangélica predominantemente branca em Orlando, Flórida, pastoreada pelo ex-presidente da Convenção Batista do Sul, Jim Henry.

Henrique foi presidente da SBC quando a denominação votou por se desculpar por seu apoio à escravidão e à segregação.

"Era uma daquelas coisas que se pensava bastante distantes [em meados da década de 1990]. Sempre acreditei que, se quisermos seguir em frente, teremos que nos desculpar", disse Mwaura. "A verdade real da questão é que quando fazemos isso, ela quebra as paredes."

"Eu realmente acredito que muitos evangélicos estão [fazendo] essa pergunta: 'Você está disposto a deixar de lado seus pensamentos, suas crenças, sua opinião, pelo Evangelho?' Eu acho que a resposta está clara agora".

Wallis disse ao Christian Post que o racismo é "uma questão de teologia". O compromisso da igreja branca com o arrependimento e a penitência "será testado pela vontade de confrontar e mudar os sistemas injustamente raciais na política, na polícia e nos direitos de voto", disse ele.

Ele enfatizou que uma "estrutura de arrependimento bem-sucedida" começará com uma "prontidão para examinar e lamentar a história feia de nossa nação". A "vontade de erradicar sistemas racialmente injustos deve estar ancorada no compromisso de criar verdadeiras oportunidades educacionais e econômicas para todos os filhos de Deus", acrescentou.

"Trazer planos de arrependimento para a igreja não significa trazer a política para a igreja", argumentou Wallis. "Lamentação e arrependimento restaura a igreja com a teologia e a afirmação bíblica de que todo ser humano existe como portador da imagem de Deus.

"Se levarmos a sério a recuperação de Jesus, devemos reformar a maneira pela qual nossas igrejas se dirigem ao pecado original dos Estados Unidos."

"Pastores e clérigos devem citar o racismo no altar. Você pode imaginar a conversa que a igreja mudaria se cada congregação americana decidisse chamar publicamente o racismo e o pecado da supremacia branca de seus altares? O arrependimento e o lamento certamente começariam lá, e deveriam continuar com o compromisso dos cristãos brancos de defender a transformação de estruturas sociais que muitas vezes têm sido um veículo para o racismo sistêmico, incluindo a igreja branca".

Uma coisa que aconteceu na cultura atual, acrescentou Mwaura, é que os pedidos de reparação entraram em jogo.

Recentemente, se solicitou ao Seminário Teológico Batista do Sul - SBTS, em Louisville, Kentucky, através de uma petição, para pagar restituição a uma universidade historicamente negra por seus laços históricos com a escravidão e o racismo. O SBTS rejeitou o pedido, dizendo que eles não acreditam que os reparos financeiros sejam a resposta certa. Anteriormente, a escola ofereceu uma completa lamentação e arrependimento por seus fracassos morais passados em questões raciais.

"Estamos em uma cultura altamente política no momento, onde [a idéia de reparações] é um acordo de pensamento de esquerda", explicou Mwuara.

Os pastores precisam "liderar o caminho" quando se trata de familiarizar suas congregações com cristãos de outras raças, enfatizou.

"É um simples telefonema de 'Ei, podemos almoçar ou podemos jogar golfe'", disse ele. "Eu acho que todo pastor deve ter alguém de uma raça diferente, que esteja no mesmo nível para falar em suas vidas. Comece com os pastores."

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA. Somente 16% dos cristãos dizem que a Igreja deveria se arrepender do passado racista - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV