EUA: minoria dos Estados aprovam proibição total do aborto

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Área de pasto cresceu 200% na Amazônia nos últimos 36 anos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Agosto 2019

Em todos os Estados dos EUA, menos de um quarto da população diz que o aborto deve ser ilegal em todos os casos, segundo uma nova pesquisa.  

A reportagem é de Adelle M. Banks, publicada por Religion News Service, 13-08-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O relatório, divulgado no dia 13 de agosto pelo Public Religion Research Institute, mostra que, em cinco Estados, pelo menos 20% da população acredita que o aborto deve ser legal em todos os casos: Louisiana (23%), Mississippi (22%), Arkansas (21%), Tennessee (21%), Nebraska (21%), Dakota do Norte (20%) e Kentucky (20%).

Mas, mesmo no Alabama e no Missouri, onde recentemente foram aprovadas leis para tornar o aborto ilegal com praticamente nenhuma exceção, menos de um quinto da população diz que o aborto deve ser ilegal sempre. No Alabama, apenas 16% se opõem ao aborto em todos os momentos, enquanto 19% dos missourianos defendem isso. As leis antiaborto estão enfrentando desafios judiciais em ambos os Estados.

“Esses resultados demonstram que as legislaturas controladas pelos republicanos que aprovaram leis estaduais que praticamente banem o aborto estão fora de sintonia não apenas com os estadunidenses em geral, mas também com os residentes de seus próprios Estados e com os membros do seu próprio partido”, disse o CEO e fundador do Public Religion Research Institute, Robert Jones, ao anunciar os resultados da pesquisa. “Poucos estadunidenses, mesmo nos Estados mais conservadores do país, acreditam que o aborto deve ser banido completamente”, continuou.

Apoio à legalidade do aborto permanece estável, 2014-2018 (Fonte: PRRI/RNS)

Essas descobertas de Estado a Estado ocorrem em um momento em que os pontos de vista nacionais sobre o aborto permanecem estáveis. Em 2018, 15% dos entrevistados disseram que ele deveria ser ilegal em todos os casos, de acordo com o Public Religion Research Institute, comparado com os 16% de 2014. Em 2018, 23% dos entrevistados disseram que o aborto deveria ser legal em todos os casos, comparado com os 21% de quatro anos antes.

Em 22 Estados, menos da metade dos entrevistados afirmaram que o aborto deve ser legal na maior parte do tempo. Em 12 desses Estados, a maioria diz que o aborto deve ser ilegal.

Os pesquisadores do estudo descobriram que mais de três quartos dos norte-americanos entrevistados disseram que sua opinião sobre o aborto permaneceu inalterada nos últimos cinco anos.

Os protestantes hispânicos (21%) e os católicos hispânicos (16%) foram os dois grupos religiosos que relataram ter “mais oposição” ao aborto. Adeptos do Budismo (18%) e da Nova Era (18%) estavam entre os que relataram ser “mais defensores” do aborto.

Os membros de grupos religiosos conservadores eram mais propensos a tornar o aborto ilegal em todos ou na maioria dos casos, incluindo os protestantes evangélicos brancos (65%), as Testemunhas de Jeová (68%), os mórmons (66%) e os protestantes hispânicos (58%).

Mas a maioria dos outros grupos protestantes, incluindo os protestantes de linha principal brancos (59%) e os protestantes negros (56%), disseram que o aborto deve ser legal em todos ou na maioria dos casos.

A legalidade do aborto de acordo com a filiação religiosa (Fonte: PRRI/RNS)

Os católicos estão quase igualmente divididos, com quatro em cada 10 contrários ao aborto legal em todos ou na maioria dos casos e uma porcentagem similar contra a ilegalidade em todos ou na maioria dos casos.

Mas quando a raça e a etnia são consideradas, há diferenças de opinião mais marcantes entre os católicos.

Por exemplo, uma pequena maioria de católicos brancos (52%) apoia a legalidade do aborto, enquanto apenas 41% dos católicos hispânicos apoiam.

Entre os protestantes hispânicos, 63% que se identificam como evangélicos se opõem ao aborto legal, em comparação com os 43% de seus parceiros não evangélicos. E, entre os protestantes afro-americanos, 51% dos que se identificam como evangélicos geralmente apoiam o aborto legal, em comparação com os 67% de negros não evangélicos.

Um quinto (21%) dos estadunidenses dizem que o ponto de vista de um candidato político sobre o aborto é uma “questão crucial”, e uma porcentagem maior dos que se opõem ao aborto legal (27%) dizem que apenas um candidato que compartilha sua opinião receberia o seu voto. Dezoito por cento das pessoas que apoiam o aborto legal consideram essa como uma questão crucial.

Os protestantes hispânicos, os protestantes evangélicos brancos e os judeus estadunidenses eram os grupos religiosos com a maior proporção – com pouco menos de três em 10 – que dizem que só votariam em um candidato que compartilha seu ponto de vista sobre o aborto.

A pesquisa entrevistou 40.292 pessoas entre 14 de março de 2018 e 16 de dezembro de 2018, e tem uma margem de erro geral de mais ou menos 0,5 pontos percentuais. A margem de erro dos entrevistados de diferentes filiações religiosas variou com o tamanho das amostras. Foi de mais ou menos 1,2 pontos percentuais para os evangélicos brancos e protestantes brancos, e de mais ou menos sete pontos percentuais para os seguidores da religião da Nova Era.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA: minoria dos Estados aprovam proibição total do aborto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV