Entregador da Rappi que morreu após AVC trabalhava 12 horas por dia

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • Aos 15 anos da morte do filósofo francês Jacques Derrida, o último subversivo

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Julho 2019

Segundo os irmãos, Thiago de Jesus Dias, entregador da Rappi morto vítima de um acidente vascular cerebral (AVC), trabalhava mais de 12 horas por dia. O homem de 33 anos faleceu durante entrega em Perdizes, na zona oeste de São Paulo.

A reportagem é publicada por Hypeness, 12-07-2019.

A família revela que Jesus enfrentava jornadas duras e quase não tinha folga. O caso aconteceu no último sábado (6) e uma moradora do bairro cita omissão da Rappi, que não fez nada para evitar o pior. Ana Luísa conta que ouviu o seguinte de um dos funcionários da companhia colombiana: “então [funcionário] não vai poder finalizar nenhuma das próximas entregas?”

Thiago de Jesus morava com a mulher, as filhas e os irmãos em Pirituba, também na zona oeste paulista. A irmã revela que um motorista do Uber se negou em realizar a corrida até o hospital e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgências (SAMU) não enviou nenhuma ambulância ao local.

Quando eu já estava no hospital, uma pessoa do Samu me ligou. Na verdade, eu xinguei tudo quanto é nome, disse que agora não precisava mais e desliguei”, explicou Daiane de Jesus.

Desmaio e socorro negado

O entregador da Rappi teve convulsões e desmaiou na frente do prédio de Ana Luísa. Ele reclamou também de fortes dores de cabeça e do frio.

“Eram jornadas de mais de 12 horas de trabalho, uma rotina muito cansativa. E era de segunda a segunda, porque era difícil ele tirar uma folga”, disse ao G1 Isaque de Jesus Dias, irmão caçula de Thiago.

Prestador de serviços da Rappi há cerca de dois anos, o entregador encarava jornadas extenuantes e trabalhava madrugada adentro. O último turno foi na noite mais fria do ano e Thiago precisava levar uma garrafa de vinho para um grupo de amigos em um dos bairros mais nobres da capital paulista.

“Ele nem chegou a entrar no prédio. Caiu no chão, estava com o corpo enrijecido e reclamava do frio”, explicou à Folha de São Paulo a advogada Ana Luísa. Ela voltou a criticar a falta de sensibilidade da Rappi.

“Entramos em contato com a Rappi que, sem qualquer sensibilidade, nos pediu para que déssemos baixa no pedido para que eles conseguissem avisar os próximos clientes que não receberiam seus produtos no horário previsto”, completou.

Moral da história, Thiago de Jesus agonizou por 1h30 antes de ser encaminhado ao hospital. Foram duas tentativas, sem sucesso, de acionar o Samu. Um motorista de Uber se recusou em levar o entregador ao hospital, porque ele estava sujo e molhado – Thiago urinou na própria roupa em função da dor.

Ele só conseguiu chegar ao Hospital das Clínicas pelo do esforço de amigos. Não dava mais tempo.

Em nota, a Rappi se limitou a lamentar o ocorrido e que está em contato com os familiares do jovem. Isaque, irmão mais novo do entregador, salientou ao G1 que a companhia só manifestou preocupação por causa do repercussão da história.

“A Rappi só nos procurou ontem por volta das 20h30, depois que o caso já tinha uma proporção muito grande por conta das redes sociais. Eles falaram que orientaram a Ana Luisa para levar o Thiago para o hospital, mas isso nunca aconteceu. Outros motoboys que estavam passando na região naquela hora também ligaram para a Rappi e nenhum deles recebeu orientação do que fazer”.

A Coordenação do Samu também lamentou a morte do rapaz e disse que apura o atendimento. “A direção do órgão irá adotar medidas cabíveis”, afirma. A Uber não se manifestou até o momento.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Entregador da Rappi que morreu após AVC trabalhava 12 horas por dia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV