''Estou confiante: a reforma do celibato será feita, caso contrário as vocações entrarão em colapso.'' Entrevista com Adriana Valerio

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Igreja Universal cria seu exército particular com "recrutamento" de PMs

    LER MAIS
  • A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto anti-genocídio

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Junho 2019

Padres celibatários: nem sempre foi assim. Pedro, o primeiro papa da história, era casado; Paulo, solteiro apaixonado por Deus, considerava-se uma exceção entre os discípulos de Cristo.

A teóloga Adriana Valerio, professora de história do cristianismo na Universidade Federico II, de Nápoles, reconstrói as razões que levaram definitivamente a Igreja, com o Concílio Lateranense II (século XII), a excluir do matrimônio os presbíteros do rito latino (é diferente o caso das comunidades católicas orientais). Seu ponto de vista é particular, de uma estudiosa, além de esposa de padre.

A reportagem é de Giovanni Panettiere, publicada por Quotidiano.net, 03-06-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Professora, como é que, no século XII, a Igreja escolheu o caminho do celibato obrigatório no Ocidente?

A concepção negativa da mulher e da sexualidade, unida à necessidade de não desperdiçar o patrimônio eclesiástico através dos laços familiares, levaram a pedir o serviço sacerdotal especialmente aos monges e, depois, a exigir dos padres o celibato como condição essencial para o exercício presbiteral.

Atualmente, o clero está se reduzindo cada vez mais, mas a Santa Sé não pretende revisar aquela que continua sendo uma disciplina de direito humano, não divino. Como você explica essa relutância?

Por um lado, há o orgulho de se sentir como “super-humanos” que, ao contrário dos outros, conseguem resistir ao apelo da chamada “carne”. Por outro, registra-se a necessidade de ter em mãos uma categoria humana manobrável, porque não está sujeita às necessidades da cotidianidade de uma vida familiar normal. Essa superioridade, sentida em relação aos leigos, envolve uma espécie de separação de castas com privilégios respectivos.

Questões hereditárias, que no passado induziram a negar as bodas aos padres, hoje também desaconselham a modificar o direito canônico?

Sim, esse aspecto não deve ser esquecido.

Você está confiante com uma reforma no futuro?

Estou, pelo menos por causa da necessidade de não ver o número de sacerdotes reduzido a tal ponto que não possam mais responder às necessidades cada vez maiores da evangelização e de serviço litúrgico aos fiéis. Acredito que uma consideração positiva e paritária da mulher também ajudará nesse sentido.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Estou confiante: a reforma do celibato será feita, caso contrário as vocações entrarão em colapso.'' Entrevista com Adriana Valerio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV