O dilema de Bolsonaro, entre o coração nos EUA e o bolso na China

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco nomeia novo secretário: um padre que trabalha com crianças de rua e viciados em drogas

    LER MAIS
  • O crime da Vale em Brumadinho: metáfora de um sistema minerário predatório

    LER MAIS
  • O papa aprova como vice Decano o argentino Sandri que se calou sobre os crimes do padre Maciel, estuprador de 60 crianças

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Maio 2019

A China se destaca entre o elenco de inimigos comunistas que Jair Bolsonaro prometeu combater durante a campanha eleitoral. Como presidente, esse tom diante do principal parceiro comercial do Brasil desapareceu. O ultradireitista parece enfrentar o dilema clássico entre o que o coração pede e o que o bolso dita; entre o seu instinto de alinhar-se completamente com os EUA e, seguindo seus passos, virar as costas à China ou adotar uma posição pragmática perante o regime comunista. O mandatário esteve nos EUA nesta quarta-feira (para receber um prêmio que, em face dos protestos, teve que ser transferido de Nova York para Dallas) e seu vice-presidente, o general da reserva Hamilton Mourão, aterrisou neste domingo na China. Ambas as viagens permitirão ver onde o Brasil se posiciona ante as duas potências globais e na disputa comercial entre os dois gigantes.

A reportagem é de Naiara Galarraga Gortázar, publicada por El País, 18-05-2019.

A segunda viagem do presidente brasileiro aos Estados Unidos — depois da frutífera visita a seu homólogo, Donald Trump, em março — tem um gosto amargo. Suspendeu a visita a Nova York para receber o prêmio de Personalidade do Ano, concedido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, depois que sua política para a Amazônia se deparou com fortes protestos de cidadãos que resultaram em um boicote de empresas (incluindo a Delta Airlines e o Financial Times) e uma guerra verbal com o prefeito, o democrata Bill de Blasio.

A cerimônia foi transferida para Dallas, onde foi fotografado ao lado de George W. Bush. Bolsonaro foi acompanhado por cinco ministros, incluindo os de Relações Exteriores, Economia e Minas e Energia. Outro objetivo da visita era atrair investimentos, embora esta seja uma tarefa cada vez mais complicada porque as últimas previsões indicam que o crescimento do Brasil será menor do que o esperado quando ele assumiu o poder.

O novo Governo brasileiro, que tomou posse em janeiro, continua sua aproximação de Washington, mas sem a ruptura que pareciam pressagiar gestos como a visita que o ultradireitista fez durante a campanha a Taiwan, para irritação de Pequim. Ou quando, para criticar a voracidade chinesa, proclamou que "a China não compra no Brasil, está comprando o Brasil".

Mas, no terreno, uma realidade diferente se impõe. O general Mourão está há meses repetindo a seus interlocutores que "o Brasil não vê a China como uma ameaça, mas como um parceiro estratégico, o que o levou a desativar a bomba armada pelo capitão" Bolsonaro, de acordo com Oliver Stuenkel, professor de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas. Bolsonaro anunciou que viajará para Pequim no segundo semestre do ano. Além disso, o presidente Xi Jinping virá a Brasília em novembro para a cúpula dos BRICS.

Este especialista explica que dois fatores influenciaram Bolsonaro para que pusesse de lado seu discurso antichinês. Um, a mobilização do setor agropecuário e da ministra da Agricultura, Teresa Cristina Dias, para deixar claro, segundo Stuenkel, que "uma posição anti-China tem um custo econômico significativo que uma aproximação dos EUA não será capaz de compensar".

Há uma década, a China ultrapassou os Estados Unidos como o principal parceiro comercial do Brasil. O superávit da balança comercial com o gigante asiático foi no ano passado de 29,5 bilhões de dólares. Com os EUA houve um déficit de 193 milhões, segundo cifras oficiais. E, apesar da guerra comercial em que ambos os gigantes estão engajados, as exportações brasileiras para a China dispararam, passando a 64 bilhões. O país vende para Pequim principalmente matéria-prima, com a soja bem destacada, e compra produtos manufaturados.

De acordo com o especialista da Fundação Getúlio Vargas, o outro fator para que o presidente brasileiro abaixasse o tom é que atacar os chineses não gera créditos políticos na base bolsonarista, ao contrário do que acontece entre os trumpistas. É politicamente muito mais lucrativo para o Trump tropical atacar os progressistas ou as universidades.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O dilema de Bolsonaro, entre o coração nos EUA e o bolso na China - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV