"Também os populismos são uma forma de fundamentalismo". Entrevista com Timothy Radcliffe

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Instrumentum Laboris do Sínodo para a Amazônia, um novo passo de “um 'kairós' para a Igreja e o mundo”

    LER MAIS
  • “O Judiciário foi usado como vingança e impediu que a democracia siga seu curso”, afirma a antropóloga Lilia Schwarcz

    LER MAIS
  • Padre chileno renuncia pouco antes da ordenação episcopal

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Maio 2019

No Salão do Livro de Turim, Timothy Radcliffe apresentou sua palestra sobre "Acreditar em tempos do fundamentalismo". Quem é atraído por algum fundamentalismo não consegue lidar com a complexidade da vida. É o pensamento de Timothy Radcliffe, teólogo e biblista em Oxford, um dos autores católicos mais lidos do mundo, que no Salão refletiu sobre o tema "Acreditar em tempos de fundamentalismos", políticos e religiosos. Entre os quais ele também inscreve os populismos.

A entrevista é de Domenico Agasso Jr., publicada por La Stampa, 12-05-2019. A tradução é de Luisa Rabolini

Eis a entrevista.

Padre, que riscos podem acarretar?

A incapacidade de dialogar com as pessoas que pensam de forma diferente. Isso pode levar um indivíduo a se fechar em uma bolha mental. E tudo isso é agravado pelos meios modernos de comunicação: os algoritmos nos levam a estar em contato com indivíduos que compartilham nossos preconceitos e medos.

Quem se deixa atrair?

Aqueles que têm dificuldade em se confrontar com as ambiguidades, a riqueza e a complexidade da vida. E o crescimento do populismo - que é uma forma de fundamentalismo - atrai quem se sente deixado para trás.

Você pode nos dar alguns exemplos”

Nos EUA, quem votou em Trump foram muitas pessoas brancas excluídas das elites que dominam a política e a mídia. A mesma coisa aconteceu com o Brexit na Grã-Bretanha. Os coletes amarelos na França expressam um desejo de visibilidade e dizem: ‘Olhe para mim! Eu existo!’. Essa raiva de não ser levados em consideração também acaba atraindo os prisioneiros que se convertem ao Islã e depois se alistam no ISIS.

Que papel o Cristianismo desempenha?

Ele tem uma resposta inteligente e sutil ao desejo de identidade, um dos primeiros elementos eficazes do fundamentalismo. Se você é católico, sabe quem você é. Você pertence a uma comunidade definida com suas próprias tradições. Mas, atenção: você também é ensinado que não sabe plenamente quem você é. O apóstolo São João escreve: ‘agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos'.

No nível secular, de que atitude precisamos?

Reconhecer a raiva e a frustração daqueles que se sentem marginalizados.

Seria isso suficiente?

Não. É também necessário desmantelar os pressupostos básicos de toda forma de fundamentalismo e ter a força para desafiar toda resposta populista ao sofrimento daqueles que são postos de lado.

O que os cristãos devem fazer?

A Igreja tem algo maravilhoso a oferecer. Somos parte de uma organização local, conhecemos a dor das pessoas. Vamos pensar no Papa Francisco quando ele era arcebispo de Buenos Aires: ele estava imerso na vida das favelas. Mas, ao mesmo tempo, a Igreja é também a instituição mais global que existe, presente em todas as nações. É por isso que o estrangeiro é meu irmão. E Deus geralmente visita as pessoas como um estrangeiro. Devemos estar abertos à presença de Deus nos estrangeiros.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Também os populismos são uma forma de fundamentalismo". Entrevista com Timothy Radcliffe - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV