Austeridade fiscal e o impacto na cobertura da atenção primária à saúde

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Lula desequilibra o jogo. Craque é craque

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Abril 2019

Pela primeira vez, uma pesquisa projetou o impacto das medidas de austeridade fiscal na cobertura da atenção primária à saúde em um país de renda média. E esse país é o Brasil. De acordo com os dados projetados, a redução da cobertura da Estratégia Saúde da Família, com a hipotética extinção do Programa Mais Médicos, pode elevar as taxas de mortalidade prematura (antes dos 70 anos) por causas sensíveis à atenção primária em 8,6% entre 2017 e 2030. Isso equivale a um aumento de mortes de quase 50 mil pessoas. Foram analisados dados de 5.507 municípios.

A informação é publicada por Outra Saúde, 29-04-2019.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Austeridade fiscal e o impacto na cobertura da atenção primária à saúde - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV