Catedral de Notre-Dame de Paris, joia do gótico europeu eternizada pela literatura

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Não posso me calar

    LER MAIS
  • Estudantes, trabalhadores e sonhadores. Quem eram os jovens que morreram após ação da PM em baile funk

    LER MAIS
  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Abril 2019

A catedral de Notre-Dame em Paris, joia do gótico europeu, sofre na tarde de segunda-feira um importante incêndio que já derrubou a icônica torre do templo. Uma grande quantidade de fumaça, visível a quilômetros de distância, sai do prédio. Segundo os bombeiros, o incêndio está "potencialmente vinculado" às obras de renovação da catedral.

A reportagem é publicada por El País, 15-04-2019.

Com sua arquitetura gótica e o genial percurso entre gárgulas do telhado, Notre-Dame é o monumento (gratuito) mais visitado de Paris e, portanto, da Europa: cerca de 14 milhões de pessoas costumam cruzar seu umbral por ano para admirar uma obra-prima da arquitetura gótica francesa, coração da Paris católica durante sete séculos. Os elementos-chave desta catedral que a transformaram num local único são suas rosetas, seu tesouro, os campanários, a praça João XXIII e os arcobotantes que suportam o peso das paredes e do telhado, mas ainda não se sabe o que resistiu ao fogo. Seu imenso interior iluminado pelos vitrais deixa os visitantes admirados, mas o que mais chama a atenção dos turistas são as gárgulas que vigiam do telhado, e acima de tudo, as fotos panorâmicas de Paris que podem ser feitas do topo.

Este templo do turismo foi construído em uma área ocupada por igrejas mais antigas, e antes ainda por um templo galo-romano. A nova catedral foi construída entre os séculos XII e XIV, mas sofreu sérios danos durante a Revolução Francesa e teve que ser profundamente reformada em meados do século XIX. De dimensões espantosas e presidida por três espetaculares rosetas, tem um ponto crítico para os visitantes: sempre havia uma fila na entrada para as torres e os 400 degraus que levam à Galerie des Chimères (Galeria das Quimeras), no topo — estruturas que, sim, já se sabe, foram danificadas pelo incêndio.

O templo foi eternizado pela literatura 

O templo foi eternizado pela literatura. Victor Hugo escreveu o romance que marcaria a catedral para sempre: Senhora de Notre-Dame, de 1831, conhecido como O corcunda de Notre-Dame em suas múltiplas versões de Hollywood. O prédio também tem um alto valor simbólico. Funerais para as vítimas dos ataques terroristas foram realizados lá. O presidente François Mitterrand também foi velado em Notre-Dame.

A música também é parte essencial da alma de Notre-Dame. O local costumava ter domingos de música gregoriana e missa polifônica, bem como concertos gratuitos de órgão.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Catedral de Notre-Dame de Paris, joia do gótico europeu eternizada pela literatura - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV