Moçambique. Cólera e mortes

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Onde estava Deus?” Por que Auschwitz é o símbolo do mal

    LER MAIS
  • Protestantes são convidados a comungar na primeira missa católica em catedral de Genebra desde a Reforma

    LER MAIS
  • Brasil vive pior cenário para indígenas desde a redemocratização, diz antropólogo em Paris

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Abril 2019

A situação em Moçambique, como era de se esperar, segue caótica. Os casos de cólera se multiplicam em uma velocidade impressionante e agora já passam de 1.400 (no sábado, eram 271). E foram anunciadas duas mortes pela doença. O governo brasileiro mandou agentes da Força Nacional e bombeiros que atuaram em Brumadinho.

A informação é publicada por Outra Saúde, 03-04-2019.

Ninguém devia morrer de cólera, que é uma doença tratável, basicamente pela hidratação. Mas se morre... No Iêmen, foram mais de 2,5 mil mortes desde 2016.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Moçambique. Cólera e mortes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV