Proibição do sacerdócio feminino pode trazer uma “lenta morte” para a Igreja

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS
  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Fevereiro 2019

Uma ministra do governo irlandês alertou que a proibição do sacerdócio feminino do catolicismo é uma “discriminação descarada”, e poderia provocar a “lenta morte” da Igreja.

A reportagem é publicada por The Tablet,12-02-2018. A tradução é de Natalia Froner dos Santos.

Em um discurso intitulado “Uma Comunidade de Fé: Por que a Igreja Católica deve abrir todos os ministérios às mulheres”, a ministra da Cultura, Patrimônio e Gaeltacht, da Irlanda, Josepha Madigan, disse que o papel das mulheres no sacerdócio ainda é considerado um tabu nos mais altos níveis da Igreja Católica. “Do que a Igreja tem medo?” perguntou ela.

Seu discurso, que aconteceu essa semana ao fórum We Are Church, deveria ter sido realizado no Mercy International Center, em Dublin, mas teve que ser transferido para um hotel, após apoiadores pró-vida ameaçarem protestar contra o apoio da ministra ao aborto.

“No meu ponto de vista, como católica, não deveria causar surpresa ver uma mulher no altar, até mesmo no próprio sacerdócio”, disse a política, que serviu como Ministra da Palavra em sua paróquia em Dublin.

A ministra do Fine Gael destacou que ela estava falando como membro da Igreja, uma das milhões em todo o mundo.

“Realmente acreditamos que Deus discriminaria contra [mulheres que sentem o chamado para o sacerdócio] como faz a Igreja Católica puramente baseada no gênero?”

Ela pediu para as mulheres terem um envolvimento maior em sínodos e em comissões do Vaticano.

“Uma igreja sem mulheres em sua liderança é uma igreja mais fraca. Uma mudança de paradigma sobre a liderança da igreja é extremamente necessária”, ela disse. “Eu sou uma filha, uma esposa, uma mãe, eu sou uma mulher e posso dizer-lhes agora que se queremos uma igreja adequada para nossas filhas, corações e mentes precisam mudar. As mulheres estão esperando. As mulheres estão assistindo.”

Manifestantes do lado de fora do local pediam que a ministra fosse “publicamente excomungada” pela Igreja, por causa de suas opiniões sobre o aborto e sacerdócio feminino.

A ministra Madigan disse: “Sempre haverá alguns elementos exigindo que eu seja excomungada, isso não é uma surpresa para mim e não me machuca mais.” Diferentemente dos padres que poderiam ser censurados pelo Vaticano, ela disse que é “membro comum da Igreja Católica” e “portanto tenho liberdade para falar sobre inadequações e discriminações que eu vejo na Igreja.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Proibição do sacerdócio feminino pode trazer uma “lenta morte” para a Igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV