Pacote anticrime de Moro reedita soluções inconstitucionais e ineficazes. Nota Pública da Conectas Direitos Humanos

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • O Vaticano levanta definitivamente o veto a Gustavo Gutiérrez

    LER MAIS
  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • Mentiras invadindo mentes podem criar maiorias dementes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Fevereiro 2019

Apesar da roupagem moderna, projeto insiste na visão punitivista e de inchaço do já colapsado sistema prisional, afirma Conectas Direitos Humanos em nota pública em seu portal, 05-02-2019.

Eis a nota.

Em uma tentativa de mostrar ação contundente no combate à criminalidade, o pacote de medidas apresentado na segunda-feira, 4, pelo ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, traz soluções inconstitucionais e sabidamente ineficazes, sem atacar as estruturas da violência que afeta os grandes centros urbanos do país.

Apesar da roupagem moderna, o projeto insiste na visão punitivista e de inchaço do já colapsado sistema prisional, propondo endurecimento de penas e a redução de direitos como da progressão de penas. Além disso, incorpora promessa de campanha de Jair Bolsonaro ao oferecer carta branca à polícia para matar – o chamado excludente de ilicitude.

Em um dos países com maiores taxas de letalidade policial do mundo, o pacote de Moro propõe reduzir pela metade a pena de policiais que atentarem contra a vida alegando, em sua defesa, “decorrer de escusável medo, surpresa ou violenta emoção”. A brecha pode representar um verdadeiro cheque em branco para matar. A medida é um arroubo ideológico, demagoga e não apresenta estudos e critérios técnicos nos quais se respalda.

Por outro lado, a proposta de “plea bargain”, modelo norte-americano em que os acusados podem entrar em acordo com o Ministério Público antes do trâmite inicial, trazido pelo ministro sob o argumento de reduzir a lentidão de processos e levar pragmatismo e agilidade aos acordos criminais, na verdade, pode gerar resultados perversos à sociedade, como a condenação de pessoas inocentes. Réus pobres e sem recursos para a contratação de advogados ficam em clara desvantagem ao barganhar sua pena com a promotoria, contribuindo para uma compulsória admissão de culpa e aumento dos casos de injustiça no sistema penal.

De acordo com a ACLU, uma das mais importantes organizações de defesa dos direitos civis dos EUA, nove em cada dez casos são negociados via “plea bargain” no país. O resultado, de acordo com a entidade, é que em 90% das vezes as pessoas se declararam culpadas, mesmo quando inocentes, por medo de um resultado negativo no julgamento.

É também inconstitucional a proposta de prisão automática e imediata de pessoas condenadas pelo Tribunal do Júri em 1ª instância, pois viola a presunção de inocência prevista na Constituição Federal.

Como já exaustivamente comprovado por estudos e pesquisas, seja da academia, seja da sociedade civil, o combate real às facções e às milícias passa por maior investimento em inteligência e investigação, além do fim da chamada “Guerra às Drogas”.  Na prática, a lei de drogas de 2006 (lei 11.343/2006) em nada resolveu o problema. Ao contrário, apenas provocou o encarceramento em massa de jovens e mulheres que, em situação de vulnerabilidade, são aliciados pelo crime organizado e exercem funções menores nas redes do comércio ilícito de drogas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pacote anticrime de Moro reedita soluções inconstitucionais e ineficazes. Nota Pública da Conectas Direitos Humanos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV