Mudanças climáticas podem tornar a precipitação global mais desigual

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • As sete antífonas do 'Ó': celebrando o mistério da vinda de Jesus

    LER MAIS
  • Dowbor: há saída no labirinto capitalista?

    LER MAIS
  • A vida secreta das árvores e o déficit de natureza

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Novembro 2018

Metade da precipitação global anual cai em apenas 12 dias, segundo novo estudo.

A reportagem é de Laura Snider, publicada por The National Center for Atmospheric Research e reproduzida por EcoDebate, 19-11-2018. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

Atualmente, a metade da precipitação anual medida no mundo cai em apenas 12 dias, de acordo com uma nova análise de dados coletados em estações meteorológicas em todo o mundo.

No final do século, os modelos climáticos projetam que essa distribuição desigual de chuva e neve tende a se tornar ainda mais distorcida, com metade da precipitação anual caindo em 11 dias.

Estes resultados foram publicados na Geophysical Research Letters, uma revista da American Geophysical Union.

Estudos anteriores mostraram que podemos esperar tanto um aumento em eventos climáticos extremos quanto um aumento menor na precipitação média anual no futuro, à medida que o clima esquenta, mas os pesquisadores ainda estão explorando a relação entre essas duas tendências.

“Este estudo mostra como essas duas partes se encaixam”, disse Angeline Pendergrass, cientista do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica (NCAR) e principal autora do novo estudo. “O que descobrimos é que os aumentos esperados acontecem quando já é o mais chuvoso – os dias mais chuvosos ficam mais chuvosos”.

Os resultados, que sugerem que as inundações e os danos associados a ela também podem aumentar, têm implicações para os gestores de recursos hídricos, planejadores urbanos e equipes de emergência. Os resultados da pesquisa também são uma preocupação para a agricultura, que é mais produtiva quando a precipitação é distribuída de forma mais uniforme ao longo da estação de crescimento.

A pesquisa foi apoiada pelo Departamento de Energia dos EUA e pela National Science Foundation, que é o patrocinador do NCAR.

O que significa ser extremo 

Cientistas que estudam precipitação extrema – e como tais eventos podem mudar no futuro – usaram uma variedade de métricas para definir o que qualifica como “extremo”. Pendergrass notou que em alguns casos as definições eram tão amplas que os eventos extremos de precipitação incluíam a maior parte de toda a precipitação.

Nesses casos, “precipitação extrema” e “precipitação média” tornaram-se essencialmente a mesma coisa, tornando difícil para os cientistas entenderem, a partir dos estudos existentes, como os dois mudariam de forma independente à medida que o clima esquentasse.

Outras equipes de pesquisa também estão lidando com esse problema. Por exemplo, um artigo recente tentou quantificar o desnível da precipitação adaptando o coeficiente de Gini, um instrumento estatístico freqüentemente usado para quantificar a desigualdade de renda, para, em vez disso, observar a distribuição das chuvas.

Pendergrass queria encontrar algo ainda mais simples e intuitivo que pudesse ser facilmente compreendido tanto pelo público como por outros cientistas. No final, ela optou por quantificar o número de dias que levaria para que metade da precipitação de um ano caísse. Os resultados a surpreenderam.

“Eu teria imaginado que o número seria maior – talvez um mês”, disse ela. “Mas quando olhamos para a mediana, ou ponto médio, de todas as estações de observação disponíveis, o número foi de apenas 12 dias.”

Para a análise, Pendergrass trabalhou com Reto Knutti, do Instituto de Ciências Atmosféricas e Climáticas, em Zurique, na Suíça. Eles usaram dados de 185 estações terrestres para os 16 anos de 1999 a 2014, período em que as medições puderam ser validadas com dados do satélite TRMM (Tropical Rainfall Measuring Mission). Enquanto as estações estavam dispersas globalmente, a maioria estava na América do Norte, Eurásia e Austrália.

Para olhar para frente, os cientistas usaram simulações de 36 dos principais modelos climáticos do mundo, que tinham dados para a precipitação diária. Em seguida, eles identificaram o que as projeções do modelo climático para os últimos 16 anos deste século se traduziriam para as estações de observação individuais.

Eles descobriram que a precipitação anual total nas estações de observação aumentou ligeiramente nas execuções do modelo, mas a precipitação adicional não caiu uniformemente. Em vez disso, metade da chuva e neve extras caíram em apenas seis dias.

Isso contribuiu para que a precipitação total também caísse mais irregularmente do que hoje, com a precipitação total de metade do ano caindo em apenas 11 dias até 2100, em comparação com 12 no clima atual.

“Enquanto os modelos climáticos geralmente projetam apenas um pequeno aumento na chuva em geral, descobrimos que este aumento vem como um punhado de eventos com muito mais chuva e, portanto, pode resultar em mais impactos negativos, incluindo inundações”, disse Pendergrass. “Precisamos levar isso em conta quando pensamos em como nos preparar para o futuro”.

 

Uma análise das chuvas medidas em estações meteorológicas em todo o mundo entre 1999 e 2014 constatou que o tempo médio que levou para que a precipitação de meio ano caísse foi de apenas 12 dias. Um quarto da precipitação anual caiu em apenas seis dias e três quartos caíram em 27 dias. (Foto: EcoDebate)

Referência

Pendergrass, A. G., & Knutti, R. (2018). The uneven nature of daily precipitation and its change. Geophysical Research Letters, 45.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudanças climáticas podem tornar a precipitação global mais desigual - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV