A desigualdade social da pirâmide da riqueza global 2018

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • O Vaticano levanta definitivamente o veto a Gustavo Gutiérrez

    LER MAIS
  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • A história dos 13 agricultores presos por Moro e depois absolvidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Novembro 2018

"A riqueza por adulto no Brasil tinha crescido nos primeiros anos do século XXI, mas com a crise iniciada em 2014, o país entrou em uma fase submergente. Em 2018, a riqueza média dos brasileiros foi estimada em US$ 16.664, bem menor do que o valor médio global de USD 63.100", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 14-11-2018.

Eis o artigo.

Todos os anos o banco Credit Suisse publica o Relatório Global da Riqueza que é a fonte mais ampla de informações sobre o patrimônio familiar global. Os dados mostram o grau de desigualdade das pessoas em relação ao estoque de riqueza. Em sua nona edição, o relatório consolida os dados sobre a desigualdade da riqueza nas regiões e nos diversos segmentos de classe.

 

(Foto: Eco Debate)

Entre 2017 e 2018, a riqueza global agregada aumentou em USD 14 trilhões para 317 trilhões de dólares, o que representa taxa de crescimento de aproximadamente 4,6% no ano. Este crescimento foi menor do que no período anterior, mas superior à taxa média de crescimento na era pós-2008. Também foi suficiente para superar o crescimento populacional, pois a riqueza por adultos cresceu aproximadamente 3,2%, um recorde.

Apesar da absurda concentração da riqueza, o lado positivo, do ponto de vista desenvolvimentista, foi a redução da base da pirâmide e o crescimento dos segmentos superiores (médios e ricos).

Segundo a figura abaixo, na base da pirâmide – segmento de riqueza abaixo de USD 10 mil – havia, em 2017, 3,474 bilhões de adultos (representando 70,1% do total) e um montante de USD 7,6 trilhões (2,7% da riqueza total). Segundo a figura acima, neste mesmo segmento, em 2018, havia 3,211 bilhões de adultos (representando 63,9% do total) e um montante de USD 6,2 trilhões (1,9% da riqueza total).

(Foto: Eco Debate)

 

O segmento médio – que reúne as pessoas com riqueza de USD 10.000 a USD 100.000 – foi o que mais cresceu, pois, em 2017, havia 1,064 bilhão de adultos (21,3% do total) e um montante de riqueza de USD 32,5 trilhões (11,6% do total), passando, em 2018, para 1,335 bilhão de adultos (26,6% do total) e um montante de USD 44,2 trilhões (13,9% do total).

No segmento de classe média alta – que reúne as pessoas com riqueza de USD 100.000 a USD 1 milhão – o aumento do número de pessoas entre 2017 e 2018 foi de 391 milhões (7,9%) para 436 milhões (8,7%) e o montante de riqueza neste segmento passou de USD 111,4 trilhões (39,7%) para USD 124,7 trilhões (39,3%).

No segmento dos milionários – acima de USD 1 milhão – houve aumento do número de adultos, mas uma redução da parcela de riqueza. Em 2017, havia 36 milhões de milionários no mundo (representando 0,7% do total de pessoas), que concentravam uma riqueza total de USD 128,7 trilhões (45,9% da riqueza global). Em 2018, havia 42 milhões de milionários (0,8% do total) e uma riqueza total de USD 142,0 trilhões (representando 44,8% do total).

No caso brasileiro, o número de adultos com mais de USD 1 milhão recuou 19% em 2018, na comparação com o ano passado. Essa queda representa 36 mil milionários a menos, pois no ano passado, havia sido contabilizados 190 mil milionários no país, número que caiu para 154 mil este ano. O recuo está em grande medida relacionado à desvalorização do real. A riqueza por adulto no Brasil tinha crescido nos primeiros anos do século XXI, mas com a crise iniciada em 2014, o país entrou em uma fase submergente. Em 2018, a riqueza média dos brasileiros foi estimada em US$ 16.664, bem menor do que o valor médio global de USD 63.100.

Referência:

Credit Suisse. Global wealth 2018, Credit Suisse Research, October 2018

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A desigualdade social da pirâmide da riqueza global 2018 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV