A Amazônia está se aproximando de um ponto sem retorno, mas não é tarde demais

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Direita cristã é o novo ator e líder do neoconservadorismo no País

    LER MAIS
  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • Há fome no Brasil: 3 dados alarmantes que Bolsonaro deveria conhecer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Novembro 2018

A Amazônia e o ponto de não retorno.

A informação é publicada por World Economic Forum, e reproduzida por EcoDebate, 06-11-2018. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

As florestas do mundo estão encolhendo. Por anos, eles resistiram a um grande impacto humano. Mas de acordo com um novo estudo publicado na revista Science Advances, eles podem estar chegando a um ponto de crise. Se o desmatamento ultrapassar 20% de sua propagação original, a Floresta Amazônica terá atingido o “ponto de não retorno”.

No estudo, Thomas Lovejoy e Carlos Nobre tentam estabelecer concretamente esse ponto de inflexão, bem como identificar concretamente o que deve acontecer para que seja alcançado. Essencialmente, eles queriam saber até que ponto o desmatamento poderia progredir antes que o ciclo da floresta da floresta deixasse de apoiar os ecossistemas dentro dele.

“Se o clima mudar – pelo desmatamento ou pelo aquecimento global – há o risco de que mais de 50% da floresta amazônica se torne uma savana degradada”, disse Nobre à Euronews, enfatizando que nos últimos 50 anos o desmatamento chegou a cerca de 17 milhões de hectares. por cento da vegetação da Amazônia.

Pelas suas estimativas, seriam necessários apenas três por cento adicionais para tornar a floresta tropical irrecuperável.

Embora o desmatamento represente um risco iminente e grave para a floresta tropical, não é a única ameaça a esses ecossistemas. As alterações climáticas e o uso do fogo também desempenham um papel importante na ruína em curso desta região. Além de potencialmente dizimar o que restou da floresta tropical (e da fauna que a habita), a degradação do ciclo da água também teria um impacto severo na população humana da América do Sul.

Apesar dessa previsão sombria, ainda não chegamos ao ponto em que não há como voltar atrás. A Floresta Amazônica pode estar perto do ponto sem retorno, mas ainda não passou. O tipo certo de intervenção humana poderia ajudar a afastar a floresta da desgraça iminente – mas à luz da destruição que já foi feita e da velocidade de sua continuação, acabar com isso não será fácil.

Referência:

Amazon Tipping Point Thomas E. Lovejoy and Carlos Nobre Science Advances 21 Feb 2018: Vol. 4, no. 2, eaat2340 DOI: 10.1126/sciadv.aat2340

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Amazônia está se aproximando de um ponto sem retorno, mas não é tarde demais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV