Acidificação dos oceanos, hoje e no futuro

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • O encontro com Esther Duflo, Prêmio Nobel de Economia

    LER MAIS
  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Novembro 2018

Cerca de metade de todo o dióxido de carbono produzido por seres humanos desde a Revolução Industrial se dissolveu nos oceanos do mundo. Essa absorção retarda o aquecimento global, mas também reduz o pH do oceano, tornando-o mais ácido. Águas mais ácidas podem corroer os minerais que muitas criaturas marinhas dependem para construir suas conchas e esqueletos protetores.

O artigo é de Caitlyn Kennedy, publicado por NOAA e reproduzido por EcoDebate, 05-11-2018. A tradução é de Henrique Cortez.

 

(Foto: EcoDebate)

Quão severamente a vida marinha será afetada depende de quanto e de quanto reduzimos as emissões de dióxido de carbono da queima de combustíveis fósseis. Os mapas acima mostram simulações de modelos computacionais do pH atual dos oceanos (à esquerda) e dois futuros possíveis: um no qual nós reduzimos rápida e significativamente as emissões de dióxido de carbono (meio), e um no qual não (à direita).

Desde a Revolução Industrial, o pH do oceano já diminuiu de sua média histórica global de cerca de 8,16 (ligeiramente básico) para cerca de 8,07 hoje. Como a escala de pH é logarítmica, uma diferença de uma unidade de pH representa uma acidificação de dez vezes.

O mapa nos mostra média projetada níveis de pH do oceano em 2100 para um possível cenário futuro no qual os seres humanos se comprometer a tomar as medidas necessárias para limitar o aumento da temperatura a 2 ° C durante este século a um nível de aquecimento que os formuladores de políticas em muitos países industrializados concordaram deve ser o alvo para evitar a influência humana perigosa no clima.

Nesse cenário, o portfólio mundial de energia coloca uma ênfase equilibrada em todas as fontes de energia, tanto de combustíveis fósseis quanto de fontes renováveis. No final deste século, o pH médio da superfície do oceano cairia para cerca de 8,01 – cerca de 1,5 vezes mais ácido que as águas antes da industrialização.

O mapa final é construído com base na ideia de que os humanos não tomarão nenhuma medida para reduzir as emissões e nossa crescente população continuará a depender mais dos combustíveis fósseis como sua fonte de energia. As concentrações atmosféricas de dióxido de carbono subiriam para cerca de 1.000 partes por milhão (ppm) até 2100, um aumento de três vezes em comparação com os níveis atuais. Até a desaceleração econômica no final de 2008, as emissões reais desde 2000 estavam no caminho certo para exceder esse cenário de alta emissão.

No cenário de emissões elevadas, os níveis globais médios de pH dos oceanos cairiam para cerca de 7,67 até 2100, aproximadamente cinco vezes a quantidade de acidificação que já ocorreu. Essas grandes mudanças no pH oceânico provavelmente não foram experimentadas no planeta nos últimos 21 milhões de anos, e os cientistas não têm certeza se e com que rapidez a vida oceânica poderia se adaptar a essa rápida acidificação.

Essas estimativas são médias globais, mas mudanças locais, sazonais e regionais causam variações de pH em todo o oceano global. Em torno do equador no Oceano Pacífico, as águas ricas em carbono do oceano profundo sobem à superfície durante eventos de ressurgência, causando menores valores de pH naquela região. Águas mais ácidas também estão presentes em altas latitudes, devido ao fato de que a água fria contém mais dióxido de carbono do que a água morna.

Esses mapas são baseados em análises de pesquisadores britânicos que colaboraram através do Programa AVOID, usando modelos computacionais do clima global para projetar a resposta provável da acidificação dos oceanos a uma série de cenários de emissão. Os modelos simulam as interações oceano-atmosfera, clima, química do oceano e os feedbacks complexos entre eles.

As simulações computacionais demonstram que ações mais fortes e mais imediatas podem reduzir os níveis de acidificação que ocorreriam sob um cenário de emissões mais alto. Fornecer uma série de cenários futuros ajuda os formuladores de políticas a considerar o impacto que o tempo e a agressividade das diferentes estratégias para reduzir as emissões de dióxido de carbono terão na futura acidificação dos oceanos.

Referência:

Bernie, D., J. Lowe, T. Tyrrell, and O. Legge (2010), Influence of mitigation policy on ocean acidification, Geophys. Res. Lett., 37, L15704

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Acidificação dos oceanos, hoje e no futuro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV