Tamboril, Ceará. Prefeitura classifica ataque a acampamento de sem-terra como atentado

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Recorde de queimadas reflete irresponsabilidade de Bolsonaro. Nota do Observatório do Clima

    LER MAIS
  • O holocausto da Amazônia põe a civilização em alerta. Artigo de Marina Silva

    LER MAIS
  • Assim o 1% se prepara para o apocalipse climático

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Novembro 2018

A prefeitura de Tamboril, cidade com pouco mais de 25 mil habitantes do sertão cearense administrada pelo MDB, classificou como um “atentado” o ataque a um acampamento de trabalhadores rurais sem-terra montado próximo à área urbana do município. O ataque que resultou em incêndio aconteceu na noite desta terça-feira (30), sem registro de vítimas.

A reportagem é de Alex Rodrigues, publicada por Agência Brasil, 31-10-2018.

Era por volta das 19h30 quando integrantes das 33 famílias que vivem no acampamento Comuna Irmã Dorothy foram surpreendidos por um incêndio que afirmam ter sido intencional e criminoso. Além das 33 famílias que vivem no local, mais 120 famílias, aproximadamente, participam ativamente do movimento. O grupo reivindica que a área de 92 hectares da Fazenda Cacimbinha, que ocupam há quatro anos, seja destinada ao programa de reforma agrária.

Segundo Mariana da Silva Santana, uma das coordenadoras do acampamento e presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, ao correrem para tentar apagar o fogo com pás e abafadores improvisados, os acampados testemunharam ao menos dois homens deixando o local em uma moto, gritando palavras de ordem contra os sem-terra.

Em nota, a prefeitura afirma que o “ato irresponsável, cruel e criminoso” foi desferido por indivíduos ainda não identificados, cuja ação criminosa “gerou pânico e poderia ter tomado proporções catastróficas”. A luta dos sem-terra para apagar o fogo que, com o vento, se espalhava pela vegetação seca, começou por volta das 20h e avançou noite adentro, terminando no início da madrugada de hoje.

Por volta do meio-dia (horário de Brasília), Mariana ainda temia que, com o vento e o calor, o fogo recomeçasse. Segundo ela, entre as 96 pessoas que vivem na área ocupada em barracos improvisados com tábuas, papelão e toda a sorte de material inflamável, 43 são crianças. Um boletim de ocorrência foi registrado, mas a Agência Brasil ainda não conseguiu contato com a delegacia de polícia local.

“A Prefeitura de Tamboril compreende a situação como um atentado que fere a dignidade, o direito democrático de manifestação e, sobretudo, a vida. Um atentado que deve ser investigado e punido”, afirma o Executivo municipal, em nota em que repudia “toda e qualquer atitude truculenta, de ódio e violência que venha a pôr em risco a vida da população” e se “compromete a acompanhar junto às autoridades policiais, a investigação do caso até a punição dos envolvidos”.

Segundo o MST, este é o segundo ataque a acampamentos ligados ao movimento registrado nos últimos quatro dias. De acordo com o MST, no último sábado (27), um homem incendiou barracos do Acampamento Sebastião Billar, em Dois Irmãos do Buriti (MS), e fugiu em um carro ainda não identificado. Apesar de as chamas se propagarem rapidamente, ninguém ficou ferido.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Tamboril, Ceará. Prefeitura classifica ataque a acampamento de sem-terra como atentado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV