Honduras. Religiosa adverte Trump que mandar o exército para parar os migrantes "não servirá de nada"

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Outubro 2018

A irmã qualificou como "triste" o fato de que a administração de um país tão poderoso, que pode proteger a si mesmo e, ao mesmo tempo, proteger as pessoas indefesas, que estão sofrendo, não o faça.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 23-10-2018. A tradução é de Graziela Wolfart

A irmã Norma Pimentel, ícone da defesa dos migrantes no sul dos Estados Unidos, advertiu de Roma que o envio do exército à fronteira com o México "não servirá de nada" para parar o fluxo de migrantes.

"O que vão fazer, atirar em uma mãe com uma criança? Em uma família?", questionou, em entrevista à Notimex, sobre o anúncio do presidente Donald Trump de que enviaria os soldados para deter a Caravana Imigrante que já atravessa o México com destino ao norte.

"É evidente que ele está aborrecido porque as pessoas continuam vindo, fugindo de seus países. Não importa que política queiram impor, as famílias estão vindo e ele não explica por que são tão severos: separam os pais de seus filhos, lhes obrigam a sofrer situações tristes e violentas", destacou.

Advertiu que os migrantes não decidem se aventurar a cruzar a fronteira em função do que acontece nos Estados Unidos, mas pelas situações em seus países, porque se eles não tivessem razões de peso não empreenderiam uma viagem tão perigosa.

Qualificou como "triste" o fato de que a administração de um país tão poderoso, que pode proteger a si mesmo e, ao mesmo tempo, proteger as pessoas indefesas, que estão sofrendo, não o faça.

"O que vão fazer? Atirar em uma mãe, em um bebê? Eles no fundo estão dizendo: 'Me ajude, me proteja’. É impossível pensar que um exército possa usar suas armas contra essas pessoas indefesas", insistiu.

Nascida em Brownsville, Texas, no seio de uma família originária de Tamaulipas, na parte mexicana, Pimentel é diretora de Caridades Católicas do Vale de Rio Grande. Recebeu vários prêmios, entre eles o "Prêmio Herança Hispânica" e o "Loaves & Fishes Award for Faith in Action".

Veja o mapa do caminho percorrido pela Caravana de Migrantes: 

(Foto: TeleSur)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Honduras. Religiosa adverte Trump que mandar o exército para parar os migrantes "não servirá de nada" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV