Quem é Onyx Lorenzoni, cotado por Bolsonaro para a Casa Civil

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Quem são e onde estão os pobres do mundo

    LER MAIS
  • Há fome no Brasil: 3 dados alarmantes que Bolsonaro deveria conhecer

    LER MAIS
  • Programa ‘Future-se’ cria instabilidade financeira nas universidades, alerta Renato Janine Ribeiro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Outubro 2018

Deputado federal pelo Rio Grande do Sul, Onyx Lorenzoni, do DEM, é o nome do candidato Jair Bolsonaro (PSL) para assumir a chefia da Casa Civil, caso o militar da reserva seja eleito.

A reportagem é de Carol Scorce, publicada por CartaCapital, 18-10-2018.

O parlamentar é um dos integrantes do núcleo duro da campanha de Bolsonaro, assim como o senador Magno Malta (PR-ES), derrotado em sua tentativa de se reeleger neste ano, e Fernando Fracischini, eleito deputado estadual no Paraná pelo PSL. Nestas eleições, foi o segundo deputado federal mais bem votado no Rio Grande do Sul.

No ano passado, Lorenzoni assumiu ter recebido pelo menos 100 mil reais da empresa da JBS para pagar dívidas de campanha. O dinheiro não foi contabilizado pela campanha e é considerado caixa dois. A fraude foi descoberta após um acordo de delação premiada com donos e executivos da empresa em maio de 2017, que atingiu em cheio o atual presidente Michel Temer.

O nome do deputado compõe uma longa lista entregue pelo ex-diretor de relações institucionais da JBS, Ricardo Saud, que aponta os parlamentares beneficiados, cada um, com 200 mil reais da empresa.

Quinze meses após a confissão, não há inquérito em curso contra o parlamentar. A investigação aberta na Procuradoria-Geral da União foi arquivado no Supremo Tribunal Federal pelo ministro Luiz Fux.

Em entrevista à Rádio Gaúcha, na segunda-feira 15, disse que o projeto de Bolsonaro prevê um novo modelo previdenciário, mas não deu detalhes. Sobre as cotas raciais em universidades e concursos públicos, a opinião do deputado é a de que as cotas criam distorções ao invés de promover justiça social, afirmando que "todos devem ser iguais perante a lei".

Assim como Bolsonaro, Lorenzoni defende a redução da maioridade penal. Em sua conta no Twitter o deputado afirmou que "o que ocorre hoje é que criminosos se escondem atrás do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente)".

O deputado concorreu por duas vezes à prefeitura de Porto Alegre, e perdeu as duas. Em 2014 se reelegeu deputado, dando apoio ao então candidato à presidência Aécio Neves (PSDB).

Em 2016 esteve ao lado do presidente Michel Temer em suas principais investidas, ao votar a favor da Reforma Trabalhista e da PEC do Teto de Gastos.

O cargo é ministro da Casa Civil é considerado um dos principais no Executivo. Seu ocupante assessora diretamente o presidente para ações gerais. Um dos seus papéis é fazer a articulação entre o governo e o Congresso.

De saída, Lorenzoni coleciona desafetos no Congresso. Em 2016, durante a votação do pacote de medidas anticorrupção, ele e o presidente do Senado, Renan Calheiros (MDB), trocaram farpas. Lorenzoni foi o o relator do projeto, e fez mudanças no texto que não foram discutidas nas conversas entre os parlamentares, surpreendendo a todos.

Na época Calheiros acusou o deputado de receber caixa dois da industria de armas, forte no Rio Grande do Sul, e encerrou a sessão do Senado dizendo: "Antes de encerrar gostaria de dizer que não houve aqui agressão ao relator da matéria na Câmara dos Deputados, ao Onyx Lorenzetti. Parece nome de chuveiro, mas não é nome de chuveiro." O deputado reagiu chamando o presidente do Senado de "bandido".

Calheiros se reelegeu nestas eleições e pretende se candidatar novamente à presidência do Senado.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quem é Onyx Lorenzoni, cotado por Bolsonaro para a Casa Civil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV