O envelhecimento e a diminuição da população podem ter benefícios socioeconômicos e ambientais

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • “O problema da esquerda é que está fechada em sua sociologia e nas grandes cidades”. Entrevista com Christophe Guilluy

    LER MAIS
  • Estudo sobre orçamento escancara obsessão de Bolsonaro por cortes em áreas sociais

    LER MAIS
  • Mas Francisco está sozinho, como diz Marco Politi? Um valioso livro de análise do pontificado. De qualquer forma, Francisco deu início a um novo curso na Igreja

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Outubro 2018

Cientistas ambientais argumentam que as sociedades devem apoiar o envelhecimento e a diminuição da população, em artigo que aparece em 16 de outubro na revista Trends in Ecology & Evolution.

A reportagem é de Erin Kohnke, publicada por EcoDebate, 17-10-18. A tradução e edição é de Henrique Cortez.

Os autores citam vários relatos dos benefícios socioeconômicos e ambientais do envelhecimento da população, diminuição relacionada à mortalidade e redução da força de trabalho devido à aposentadoria e sustentam que, contrariamente a algumas análises econômicas, os custos associados às sociedades envelhecidas são administráveis, enquanto populações menores contribuem para uma sociedade mais sustentável.

Figura 1 Taxa Anual de Crescimento Populacional e Idade Média da População são dois dos Parâmetros Correlacionados que Caracterizam a Transição Demográfica. Os 136 países representados compreendem 90% da população mundial. (A) a situação em 2015; (B) os mesmos países em 2050, com base nas projeções de população variante de média fertilidade 2017 da ONU. No cenário das Nações Unidas de 2050, 43 (32%) dos 136 países terão população em declínio, acima dos 14% em 2015. O modelo da ONU pressupõe que a fertilidade em todos os países convergirá para uma taxa próxima de substituição (dois filhos por mulher) até 2100 Tais projeções não devem ser tomadas como garantidas, pois dependem de melhorias contínuas no acesso à contracepção e aceitação de normas familiares menores nas sociedades patriarcais [3, 4]. Essas projeções também assumem níveis relativamente baixos de migração internacional; Historicamente, os níveis de migração se mostraram ainda mais difíceis de prever do que as mudanças na fertilidade. (Fonte de dados: ONU World Population Prospects 2017[5].)

 

“Em muitos países, populações estáveis e em declínio, devido ao envelhecimento demográfico, são frequentemente relatadas pela mídia como um problema ou crise”, diz Frank Götmark, co-autor sênior e biólogo da Universidade de Gotemburgo, na Suécia. “Mas a alternativa – crescimento populacional infinito – não é ecologicamente possível. A superpopulação leva a sérios problemas, incluindo consumo excessivo, conflitos mortais por recursos escassos e perda de habitat que leva à ameaça às espécies.”

O relatório da população das Nações Unidas de 2017 afirma que 14% dos países atualmente têm populações em declínio, incluindo o Japão, a Estônia e a República Tcheca. O relatório projeta que 32% dos países terão populações cada vez menores até 2050.

Mas o envelhecimento e a diminuição das populações podem ter benefícios sociais. Götmark e seus co-autores citam o economista japonês Akihiko Matsutani como evidência de que o encolhimento da mão-de-obra significa salários crescentes para trabalhadores individuais e, portanto, maior riqueza per capita. E populações menores também significam menos aglomeração, o que pode reduzir o tempo de deslocamento, reduzir o estresse, manter áreas verdes e melhorar a qualidade de vida, de acordo com o ambientalista israelense Alon Tal.

Em países com envelhecimento e declínio populacional, alguns temem os desafios sociais que acompanham o envelhecimento da população, mas os autores afirmam que esses temores são exagerados. Eles não encontraram nenhuma evidência para apoiar a crença popular de que o envelhecimento da população leva à escassez de trabalhadores. Eles reconhecem que os gastos com saúde aumentam no envelhecimento das populações, citando o trabalho do National Bureau of Economic Research. Mas os autores sugerem que esse aumento é gerenciável e argumentam que as sociedades devem investir mais em cuidados preventivos para reduzir futuros gastos com saúde relacionados à idade.

O aumento da população através de medidas políticas parece ter apenas um efeito pequeno e temporário sobre a proporção de pessoas com 65 anos ou mais. Em vez de lutar contra o envelhecimento, os autores dizem que as sociedades devem permitir que seus números populacionais reflitam naturalmente ou enfrentem conseqüências ambientais e sociais, como conflitos de recursos.

“Se não invertermos a superpopulação, o que acontecerá em seguida será uma história triste”, diz Götmark. “Temos que reconhecer que o crescimento contínuo da população é uma ameaça global. As preocupações econômicas de curto prazo, embora válidas, não podem ser priorizadas em relação à saúde de longo prazo de nosso meio ambiente e de nossas sociedades”.

###

Referência:

Trends in Ecology & Evolution, Götmark et al.: “Aging human populations: good for us, good for the earth”

https://www.cell.com/trends/ecology-evolution/fulltext/S0169-5347(18)30208-8

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O envelhecimento e a diminuição da população podem ter benefícios socioeconômicos e ambientais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV