Do voto útil ao Nordeste: sete dias em grupos pró-Bolsonaro no WhastApp

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Piketty: a ‘reforma agrária’ do século XXI

    LER MAIS
  • Sínodo, o único sacerdote indígena: “Eu deixaria o sacerdócio se entendesse que o celibato não serve mais para mim”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Outubro 2018

Após maciça campanha em favor de candidatos a governador alinhados ao ex-militar, nova estratégia é focar na região onde PT venceu.

A reportagem é de Carol Scorce, publicada por CartaCapital, 12-10-2018.

A campanha de Jair Bolsonaro (PSL), favorito na corrido ao Palácio do Planalto, expressa nos grupos de WhatsApp sua maior potência.

Mesmo com as dificuldades impostas a sua campanha - até aqui Bolsonaro teve pouco tempo de televisão e deixou de fazer corpo-a-corpo na rua depois de ser agredido em Juiz de Fora - o candidato conseguiu consolidar o seu eleitorado com conteúdos fragmentados, capazes de nublar sua faceta homofóbica, machista, racista ao alimentar o antipetismo com argumentos que convém para a identidade de cada eleitor. 

A fórmula teve êxito. O ativismo nas redes feito pela campanha do candidato da extrema-direita conseguiu incluir - ainda que sob discursos distorcidos - excluídos do debate político formal, e formar rapidamente uma militância que a cada dia se reproduz nos grupos públicos e privados da rede social. 

Na quinta-feira 4, quando a reportagem entrou nesses espaços, a intensidade das atividades nos grupos de apoio a Bolsonaro era a metade do que é hoje. Na sexta-feira 5 e sábado 6 o empenho era em divulgar o nome dos candidatos que declararam apoio a Bolsonaro, e miravam especialmente em derreter a popularidade de candidatos mais tradicionais da direita, como tucanos e emedebistas. 

Nos grupos paulistas o alvo era Mara Gabrilli, do PSDB, que conseguiu se eleger ao Senado. Em Minas Gerais a "missão" era divulgar o nome de Romeu Zema, do NOVO. A estratégia deu certo. A disputa em São Paulo deixou de fora Eduardo Suplicy (PT), favorito até então, e elegeu Major Olímpio (PSL), correligionário de Bolsonaro. Em Minas, Zema surpreendeu e foi para o segundo turno em primeiro lugar. 

No domingo 7, dia da votação, as teorias de frade nas urnas eletrônicas eram a bola da vez. Dezenas de vídeos davam conta de que os eleitores ao apertar a tecla um se deparavam instantaneamente com a foto e o número de Fernando Haddad.

Os vídeos dos impedidos de votar no 17 alimentavam a teoria de fraude nas eleições, narrativa que ainda não foi abandonada pelo candidato, mesmo tendo ele a ampla maioria dos votos. O defeito nas urnas seria apenas para o voto presidencial. Os demais votos ocorriam em normalidade, segundo os vídeos. Imagens de eleitores votando com armas também foram compartilhados sem críticas. 

Na segunda-feira 8 o jogo virou, e o alvo virou o nordeste, única região do País onde o rival petista venceu. Sub-grupos foram formados com os nomes "PIAUÍ COM BOLSONARO", "SERGIPE COM BOLSONARO", "ALAGOAS COM BOLSONARO". Em um dia e meio a intensidade desses grupos já superava o dos grupos matrizes, ainda que alguma medida, neste momento, os DDDs dos telefones não fossem dos estados respectivos. 

A preocupação com o eleitorado nordestino se manifesta também nos grupos matrizes pelo auto-policiamento dos integrantes. Indignados com impopularidade de Bolsonaro na região, sobraram comentários e piadas xenofóbicas, como chamar os eleitores nordestinos de analfabetos funcionais.

O contrapeso vem de outros membros pedindo para evitar esses comentários, visto que as ofensas não agregam. Tentativas de justificar o insucesso do "chefe" na região, que teria "atrapalhado a vitória no primeiro turno", colocavam o eleitor nordestino numa condição infantil ou de "coitados", "vítimas da miséria promovida pelos ano de PT". Os eleitores residentes nas capitais, onde Bolsonaro teve mais votos, são considerados os "nordestinos de bem". 

Áudios de nordestinos defendendo Bolsonaro, imagens mesclando símbolos nacionalistas com pontos turísticos dos estados, e publicações atribuindo ataques xenofóbicos aos eleitores de Fernando Haddad também são amplamente compartilhadas, seguindo a estratégia "espalhe sem dó". 

A dúvida e o contraditório também aparecem, e não raro são relevados por mulheres. No grupo #EleSim-TodosComBolsonaro uma integrante respondeu uma corrente sobre o plano econômico de Bolsonaro questionando sobre a possibilidade do 13º salário ser retirado dos trabalhadores, em referência a uma fala do vice, o general Hamilton Mourão (PRTB). Foi prontamente rebatida pelos colegas, que afirmaram a inexistência da ideia. A moça encerrou dizendo "Mas ele é o vice, gente, e ele falou isso."

Paulo Guedes, sustentáculo do projeto econômico da campanha do militar, não aparece nas publicações e comentários. 

Nos últimos dias os conteúdos prevalentes são associações do PT aos governos de esquerda na América Latina, em especial as questões ligadas à Venezuela. Uma parcela das imagens reproduzem a ideia de miséria no país vizinho, e estimulam o medo de que o "Brasil se torne uma Venezuela".

Outra agrupa políticos como Evo Morales, Nicolás Maduro, Cristina Kirchner e Rafael Correa no balaio de "ditadores" da América Latina, "culpados pela crise econômica no Brasil" por terem "pego dinheiro emprestado com o PT e nunca pagarem". O ex-presidente Uruguaio Pepe Mujica, amigo do ex-presidente Lula e importante liderança dentro da esquerda latino-americana, não aparece nessas publicações.

Entre um tema e outro seguem as teorias conspiratórias. Além da segurança das urnas, a credibilidade das pesquisas eleitorais também são colocadas em cheque. O DataFolha é conhecido como DataFake. Em um dos grupos um apoiador chama atenção: "Pessoal, parem de divulgar essas coisas. Isso joga contra. Depois não sabem porque os PTistas chamam a gente de burro." 

Os grupos analisados pela reportagem funcionam como grupos geradores do conteúdo, para serem depois redirecionados para amigos e grupos privados, seguindo a diretriz "de mandar aquilo que faz mais sentido para os seus amigos." 

Quando surge uma dúvida, o grupo é acionado: "Alguém tem alguma coisa sobre o Lula doutrinando o Nordeste aí?" 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Do voto útil ao Nordeste: sete dias em grupos pró-Bolsonaro no WhastApp - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV