Aquecimento Global: primavera mais quente leva a um menor crescimento das plantas no verão

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar', denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • Deveríamos chamar os padres de ''padres''?

    LER MAIS
  • “Construímos cidades para que as pessoas invistam, não para que vivam”. Entrevista com David Harvey

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Outubro 2018

Más notícias para o clima: as plantas começam a crescer mais cedo na primavera, mas, ao contrário da crença popular, isso resulta em consideravelmente menos absorção de CO2.

A informação é de Florian Aigner, publicada por Technische Universität Wien e reproduzida por EcoDebate, 04-10-2018. A tradução é de Henrique Cortez.


Observações de satélite mostram que primaveras mais quentes resultam em maior produtividade da vegetação na primavera, mas (em muitas regiões) em menor produtividade no verão e no outono. (Foto: TU Wien)

A mudança climática influencia o crescimento das plantas, com o crescimento da primavera começando no início de cada ano. Até agora, pensava-se que este fenômeno estava retardando a mudança climática, pois os cientistas acreditavam que esse processo levou a que mais carbono fosse absorvido da atmosfera para a fotossíntese e mais produção de biomassa. No entanto, como as avaliações de dados de satélite realizadas na TU Wien mostraram agora, este não é o caso. Pelo contrário, em muitas regiões, um início da primavera leva a um menor crescimento das plantas.

Os modelos climáticos que foram usados até agora precisam ser modificados e o clima mundial está em um estado ainda mais crítico do que se pensava anteriormente. Os resultados já foram publicados em um grande estudo internacional na revista científica Nature.

Dados de satélite: quão verde é a Terra?

“Nós já sabíamos que a mudança climática havia mudado o tempo de crescimento das plantas”, diz Matthias Forkel, do Departamento de Geodésia e Geoinformação da TU Wien. Os invernos estão ficando mais curtos e as plantas estão ficando verdes mais cedo. No entanto, até agora, não estávamos claros sobre o que isso significava para o crescimento das plantas no verão e no outono e para a quantidade de CO2 usada durante a fotossíntese. Pela primeira vez, pudemos investigar os padrões globais desse efeito usando dados de satélite. “Analisamos imagens de satélite dos últimos 30 anos, examinando todo o globo ao norte do paralelo 30 norte, do sul da Europa e do Japão às regiões mais ao norte da tundra”, diz Matthias Forkel.

Em áreas de vegetação alta, a luz é fortemente absorvida e a radiação infravermelha é fortemente refletida. “Isso significa que podemos determinar quanta fotossíntese está ocorrendo e quanto carbono é absorvido durante a fotossíntese em todo o mundo, ponto a ponto”, explica Forkel. Essas análises de dados foram realizadas na Universidade de Leeds, no Reino Unido, e na TU Wien, com o envolvimento adicional de equipes de pesquisa climática e ambiental dos EUA e de vários outros países.

Uma primavera quente – um outono mais seco

Quando o clima primaveril começa mais cedo, é razoável supor que as plantas terão mais tempo para crescer, absorver mais carbono da atmosfera e produzir mais biomassa como resultado. Mas este não é o caso. Os dados mostram, de fato, que o hemisfério norte é, na verdade, mais verde na primavera, quando as temperaturas são especialmente quentes. No entanto, esse impacto pode ser revertido no verão e no outono, levando inclusive a uma redução geral da absorção de carbono como resultado do aumento da temperatura.

Pode haver várias razões para isso: o maior crescimento de plantas na primavera pode aumentar a transpiração e a demanda por água, o que, por sua vez, diminui o teor de umidade do solo e resulta em água insuficiente para as plantas no final do ano. É possível que certas plantas também tenham um período de crescimento predeterminado que não seja estendido pelo início mais precoce do crescimento.

“Esses mecanismos são complicados e variam em uma base regional”, diz Matthias Forkel. “No entanto, nossos dados mostram claramente que a produtividade média das plantas diminui durante os anos que experimentam uma primavera quente”.

Mudança climática com consequências ainda mais graves

Os modelos climáticos anteriores levaram em consideração o crescimento das plantas, mas subestimaram o papel desse efeito adverso. Os modelos devem, portanto, ser melhorados. “Infelizmente, isso altera as previsões do clima para pior”, diz Forkel.

“Temos que assumir que as consequências do aquecimento global serão ainda mais dramáticas do que o calculado anteriormente”.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aquecimento Global: primavera mais quente leva a um menor crescimento das plantas no verão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV