Abrasco divulga nota pela transparência no acesso aos dados fundamentais sobre a saúde mental no Brasil

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS
  • Seu bispo necessita dos seus conselhos: o que dirá a ele?

    LER MAIS
  • Dinâmica religiosa nos Estados Unidos. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Setembro 2018

"O nosso compromisso é com a melhoria da situação de saúde mental da população brasileira, com um sistema de atenção que compreenda os determinantes do sofrimento mental como complexos e que, para atuar, amplie o seu acesso, garantindo cuidado para todos os cidadãos brasileiros e promovendo a saúde, principalmente através de ações de combate à desigualdade social em todos os seus níveis".

A nota é de Vilma Reis, publicada por Abrasco – Associação Brasileira de Saúde Coletiva, 24-09-2018.

Eis o texto.

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva – Abrasco vem, publicamente, requerer do Estado brasileiro que garanta a transparência no acesso¹ aos dados fundamentais sobre a saúde mental da população brasileira e aos indicadores que revelam o processo de implantação, os recursos destinados à manutenção e o desempenho da Rede de Atenção Psicossocial nos diversos estados nacionais.

Dirigimo-nos, mais particularmente, à Coordenação de Saúde Mental do Ministério da Saúde para demandar a atualização da publicação “Saúde Mental em Dados”, que foi interrompida desde o ano de 2016, e, também, ao Ministério da Justiça para requerer a publicização do estudo sobre drogas encomendado pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD à Fiocruz, entregue desde novembro de 2017.

É fundamental esclarecer que pesquisadores e pesquisadoras de todo o país e gestores comprometidos com o Sistema Único de Saúde e com a Reforma Psiquiátrica dependem de diversos tipos de dados, dentre os quais aqueles produzidos pelo, ou por intermédio, do Estado Brasileiro, para, respectivamente, desenvolverem as suas pesquisas e para reorientarem as suas ações ou políticas no sentido de atenderem às necessidades de saúde dos diversos grupos populacionais.

Para tanto, o acompanhamento processual das mudanças históricas nesses indicadores e o conhecimento de dados já produzidos por outros grupos em pesquisas mais abrangentes são de extrema importância para que se aprofundem as análises socialmente contextualizadas acerca dos avanços e desafios no campo mais vasto da saúde mental. Ciência e Planejamento em Saúde necessitam de transparência, de livre acesso a dados e de um comprometimento com o tratamento ético e responsável dos mesmos de modo a produzir conhecimento confiável, denso, crítico e comprometido com a transformação da realidade de saúde do país.

O nosso compromisso é com a melhoria da situação de saúde mental da população brasileira, com um sistema de atenção que compreenda os determinantes do sofrimento mental como complexos e que, para atuar, amplie o seu acesso, garantindo cuidado para todos os cidadãos brasileiros e promovendo a saúde, principalmente através de ações de combate à desigualdade social em todos os seus níveis.

Rio de Janeiro, 24 de setembro de 2018.

Associação Brasileira de Saúde Coletiva

Nota:

[1] Lei de Acesso à Informação foi regulamentada pelo Decreto nº 7.724/2012.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Abrasco divulga nota pela transparência no acesso aos dados fundamentais sobre a saúde mental no Brasil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV