Pesquisadores alertam para os danos ecológicos da barreira contínua ao longo da fronteira EUA-México

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • III Jornada Mundial dos Pobres: o papa almoçará com 1500 convidados

    LER MAIS
  • “O Papa não é liberal, é radical”, afirma cardeal Kasper

    LER MAIS
  • III Dia Mundial dos Pobres. A Centralidade dos Pobres na Igreja e na Sociedade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Julho 2018

Planos federais para completar uma parede contínua ao longo da fronteira EUA-México ameaçariam a existência de numerosas espécies de plantas e animais, dizem os pesquisadores de Stanford. Paul Ehrlich e Rodolfo Dirzo analisam os ecossistemas naturais únicos da região e o que eles têm a perder.

A entrevista é de Rob Jordan, publicada por Stanford Woods Institute for the Environment. A tradução e edição é de Henrique Cortez.

Uma família de javalis ‘encontra’ o muro na fronteira EUA-México, perto do rio San Pedro, no sudeste do Arizona. (Crédito da imagem: Matt Clark / Defenders of Wildlife)

Terras de fronteira são sinônimo de desolação, mas a divisão México-EUA é algo completamente diferente. A fronteira de quase 3.000 quilômetros atravessa algumas das regiões de maior diversidade biológica do continente, incluindo florestas, campos e salinas – onde vivem mais de 1.500 espécies de animais e plantas nativas, de acordo com uma análise publicada na revista BioScience em 24 de julho.

O artigo, em co-autoria dos biólogos de Stanford, Paul Ehrlich e Rodolfo Dirzo, adverte que algumas dessas espécies enfrentam extinção dentro dos EUA, se seus movimentos forem interrompidos pelo contínuo muro fronteiriço que o presidente Trump prometeu construir.

As barreiras físicas impedem ou desencorajam os animais de acessar alimentos, água, parceiros e outros recursos críticos ao interromper as rotas de migração e dispersão anuais ou sazonais. O trabalho em muros de fronteira, cercas e infra-estrutura relacionada, como estradas, fragmentos de habitat, corrói o solo, modifica os regimes de fogo e altera os processos hidrológicos, causando inundações, por exemplo.

O potencial de danos ao ecossistema foi destacado há mais de uma década, quando o Congresso dos EUA aprovou a Lei do Real ID. A lei de 2005 concede ao Departamento de Segurança Interna (DHS) autoridade para renunciar a quaisquer leis – incluindo a Lei de Espécies em Perigo e a Lei Nacional de Política Ambiental – que retardam a construção do muro.

O documento apela aos cientistas de todo o mundo para que ofereçam soluções, tais como requisitos que o DHS identifique espécies, habitats e recursos ecológicos em risco de construção de barreiras e operações de segurança; barreiras de projeto para máxima permeabilidade da vida selvagem, sempre que possível; e comprar ou restaurar o habitat de substituição quando o dano ambiental é inevitável. Quase 3.000 cientistas assinaram para endossar a mensagem do jornal.

Stanford Report conversou com Dirzo, professor de biologia e com o professor de ciências ambientais Bing, e Ehrlich, professor emérito de biologia e professor de estudos populacionais em Bing, emérito. Ambos também são bolsistas do Stanford Woods Institute for the Environment.

Eis a entrevista.

O que torna essas regiões de fronteira especiais?

Dirzo: Esta área é um teatro ecológico onde a evolução gerou uma infinidade de peças. Uma multiplicidade de fatores – condições climáticas, topografia, história geológica, tipos de solo – convergem para criar um incrível mosaico de ecossistemas. Uma constelação de formas de vida e linhagens tropicais temperadas e do sul do norte coincide com espécies endêmicas, como em poucas áreas do globo. Isso significa que essas fronteiras são uma responsabilidade global.

Quais impactos a construção de paredes de fronteira teve até agora sobre a biodiversidade?

Ehrlich: Qualquer construção substancial ordinariamente força as populações à extinção diretamente pela destruição total de seu habitat ou pela redução do tamanho da população ou restringindo o acesso a áreas críticas requeridas sazonalmente. Toda vez que você vê um shopping center, um aeroporto ou um conjunto habitacional sendo construído, pode ter certeza de que a biodiversidade está sofrendo. Muitas centenas de quilômetros de muro de fronteira e a infraestrutura de construção e manutenção que o acompanha seria um crime contra a biodiversidade.

Quais são as maneiras pelas quais a construção de paredes de fronteira ameaça especificamente uma espécie?

Dirzo: Muitas espécies, como carneiros selvagens, são compostas de populações de relativamente poucos indivíduos por unidade de área e possuem grandes áreas de vida – centenas de quilômetros quadrados no caso do carneiro. Reduzir esse intervalo levará à perda ou ao declínio da população local. Os tamanhos populacionais menores sofrem com a redução da variação genética, o que reduz sua capacidade de adaptação. As barreiras impedirão as migrações e movimentos das ovelhas bighorn para rastrear os habitats que mudam devido a mudanças climáticas. Cortado assim, o bighorn e outros animais e plantas se tornarão espécies de zumbis – populações demograficamente e geneticamente condenadas.

Você estima que 17% das espécies que você analisou correm risco de extirpação dentro dos EUA, se cortadas por uma parede de borda. Por que a pessoa média deve se preocupar com essa perda potencial?

Ehrlich: Além dos efeitos sobre os fluxos de água e outros serviços naturais, a muralha poderia nos roubar criaturas icônicas, como a ovelha bighorn peninsular e o antílope de Sonora. O valor estético desses animais magníficos, e seu significado cultural para os amantes da natureza, caçadores e grupos indígenas americanos, é atestado pelos grandes esforços já feitos para evitar sua extinção. Há também uma perda econômica a considerar – o Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA estimou que a caça, a pesca e a observação da vida selvagem contribuíram com quase US $ 26 bilhões para as economias dos estados fronteiriços em 2011.

Referência:

Robert Peters, William J Ripple, Christopher Wolf, Matthew Moskwik, Gerardo Carreón-Arroyo, Gerardo Ceballos, Ana Córdova, Rodolfo Dirzo, Paul R Ehrlich, Aaron D Flesch, Rurik List, Thomas E Lovejoy, Reed F Noss, Jesús Pacheco, José K Sarukhán, Michael E Soulé, Edward O Wilson, Jennifer R B Miller, 2556 scientist signatories from 43 countries (INCLUDING 1472 FROM THE UNITED STATES AND 616 FROM MEXICO); Nature Divided, Scientists United: US–Mexico Border Wall Threatens Biodiversity and Binational Conservation, BioScience, biy063, https://doi.org/10.1093/biosci/biy063

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pesquisadores alertam para os danos ecológicos da barreira contínua ao longo da fronteira EUA-México - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV