Papa viaja para a Sicília em setembro e não deve se encontrar com arcebispo acusado de corrupção

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • O que faria a esquerda despertar? Vladimir Safatle comenta a política brasileira

    LER MAIS
  • Agnes Heller, uma filósofa radical em busca da aventura da existência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Julho 2018

Em setembro, o Papa Francisco visitará a ilha italiana da Sicília, onde, no seu estilo habitual, vai conhecer jovens, pessoas pobres, enfermas, imigrantes e presos.

O que não está na lista, no entanto, é um encontro com o arcebispo de Catânia, que atualmente é acusado de desvio de fundos destinados a pessoas com deficiência.

A reportagem é de Claire Giangravè, publicada por Crux, 25-07-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

Arcebispo de Catânia, Salvatore Gristina (Foto: Reprodução Crux)

Em 15 de setembro, Francisco vai aterrissar no aeroporto de Catânia antes de tomar um helicóptero para a cidade siciliana de Palermo, mas o Vaticano confirmou que não haverá nenhuma saudação da Cúria local.

Apesar do Papa ser conhecido por suas rápidas viagens, não encontrar com o Arcebispo Metropolitano de Catânia, Salvatore Gristina, causou certo desconforto, especialmente considerando que ele lidera a Conferência Episcopal siciliana.

"Irei a Sicília para uma visita pastoral", teria dito Francisco a um jornalista italiano em 14 de maio depois da missa na Casa Santa Marta, onde mora.

O Vaticano confirmou a viagem, que irá ocorrer no 25º aniversário do beato Pino Puglisi, padre de Palermo morto depois de desafiar a máfia local.

Sicília ocupa um lugar especial no pontificado Francisco. Foi o primeiro lugar que ele visitou como Papa em julho de 2013, quando jogou uma grinalda florida no mar Mediterrâneo para lamentar a morte de migrantes.

Francisco também manifestou proximidade ao povo siciliano na luta contra a máfia, que muitas vezes tem condenado e descrito como "o mal". Numa mensagem enviada aos bispos da Sicília em maio, o Papa os convidou a aprender com o exemplo de Puglisi para conter a corrupção.

"As parcelas do mal são combatidas com práticas cotidianas", disse Francisco aos bispos.

Por anos casos de má gestão financeira, atividade criminosa, abuso sexual e transgressões morais por religiosos e leigos têm se espalhado pela ilha. Não há dúvida de que a Igreja na Sicília representa uma situação sui generis na Península Itálica, algo que o Papa parece ter percebido desde o início.

Por um lado, Francisco escolheu tornar o arcebispo de Agrigento, Francesco Montenegro, um cardeal após reunião com ele em Lampedusa, uma decisão que desafiou a prática de dar o chapéu vermelho ao bispo da capital, Palermo. Por outro lado, fez de um simples pároco, Corrado Lorefice, ativo na luta contra a máfia e tráfico humanos, o arcebispo de Palermo em 2015.

Ainda não se sabe se os esforços do Papa produzirão qualquer resultado tangível. O palco em que está atuando é uma região que tem resistido teimosamente às ondas de mudança. Afinal, foi o autor Tommaso Lampedusa que em seu romance The Leopard (O Leopardo) melhor descreveu o espírito siciliano: "Para que as coisas permaneçam as mesmas, tudo deve mudar."

Arcebispo em maus lençóis

O arcebispo metropolitano de Catânia, Salvatore Gristina, foi acusado em meados de julho de peculato enquanto presidente do Conselho de Obras Diocesanas para o Culto e a Religião de Catânia em conluio com a Trabalho de Assistência Diocesana de Catânia, uma organização controlada pelo clero que presta assistência a pessoas com necessidades especiais.

Trabalho de Assistência Diocesana é a mais importante organização de seu tipo na Sicília, cuidando de mais de 1.500 pessoas com deficiência, com cerca de 500 funcionários. A acusação contra Gristina é que ele roubou mais de $200.000 de seu fundo.

Negando as acusações, Gristina afirmou que tem "o maior respeito pela autoridade judiciária" e que aguarda o momento quando "a absoluta legitimidade de suas ações irá ser comprovada."

Desde o início, a personalidade comedida do arcebispo, temperada pela sua experiência como um enviado papal em Trinidad e Tobago, Costa do Marfim e Brasil, foi entendida como um pouco distante pelo povo de Catânia, especialmente quando comparado com seu carismático antecessor, arcebispo Luigi Bommarito.

Embora mais um diplomata que pregador, Gristina tem promovido a importância da paróquia, enfatizado a proximidade com as pessoas e convocado sua comunidade a se espelhar no exemplo de Puglisi.

Quando Gristina veio para Catânia, em 2002, enfrentou os desafios de limpar a diocese de problemas, especialmente no seminário arquiepiscopal, alvo de rumores de estar em completa desordem há décadas; gerenciar a festa de Santa Ágata, permeada pela máfia; e claro, lidar com a Trabalho de Assistência Diocesana.

A organização contraiu uma dívida de mais de $50 milhões em 2017 e acumulou salários não pagos. Os trabalhadores protestaram na porta do arcebispo e até mesmo na catedral. Em dezembro de 2016, o Presidente da Trabalho de Assistência, Alberto Marsella, renunciou, criando uma fenda no seio da administração.

Gristina decidiu demitir toda a diretoria administrativa e chamou o advogado Adolfo Landi para atuar como comissário extraordinário. O arcebispo provavelmente não esperava que a situação saísse pela culatra da maneira que aconteceu, uma vez que Landi encontrou "anomalias" que fez de Gristina um alvo de investigação.

Marsella agora é acusado de apropriação indevida, juntamente com uma empregada da organização, Daniela Stefania Iacobacci. Os dois são acusados de roubar quase $10.000 dólares dos pagamentos mensais destinados a instituição Leigos de Lourdes, um asilo perto de Catânia, entre outubro de 2016 e de janeiro de 2017.

Mas as anomalias também mostraram mais de $200.000 dólares sendo movidos com um falso contrato para uma casa no centro de Roma. As duas partes envolvidas foram a Trabalho de Assistência Diocena, liderado pelo padre Alfio Santo Russo e o Conselho de Obras Diocesanas para o Culto e a Religião, presidido por Gristina.

Um julgamento criminal, que ainda não tem data fixa, decidirá se Gristina tem culpa ou é inocente.

Hoje a Trabalho de Assistência ainda está de pé, e Landi disse às agências de notícias locais que os empregados não perderão seus empregos. Jornais da Sicília também celebraram a "Reconquista" da festa de Santa Ágata, aparentemente expurgada da influência da máfia.

Os críticos duvidam que esses sucessos sejam devidos à influência de Gristina e, em 2021, quando ele alcança a idade de 75 anos, muitos esperam que Francisco aceite sua demissão. Em todo caso, ignorar o arcebispo na visita que se dará em meados de setembro parece ser um sinal bastante claro de que o Pontífice pretende manter distância nesse meio-tempo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa viaja para a Sicília em setembro e não deve se encontrar com arcebispo acusado de corrupção - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV