Cardeal da Suécia diz que o Papa ainda pode influenciar o debate sobre imigração

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Julho 2018

Há décadas a Suécia é conhecida como um dos países mais amistosos a refugiados e migrantes da Europa. Nos últimos anos, no entanto, uma onda de recém-chegados fez com que o país estreitasse suas políticas.

Há pouco mais de um ano, o cardeal Anders Arborelius recebeu seu chapéu vermelho do Papa Francisco - o que foi visto como uma surpresa. Foi um movimento característico de Francisco: criar um cardeal em um país que é oficialmente luterano e tem apenas uma pequena população católica.

Como bispo de Estocolmo, Arborelius tem sido um defensor de longa data do diálogo inter-religioso e acolhendo imigrantes e refugiados. Em uma nova entrevista ao Crux, ele descreve o desafio contínuo da migração na Europa e por que acredita que a visão de Francisco - e os valores do Evangelho - podem penetrar até mesmo nos corações mais endurecidos.

A entrevista é de Christopher White, publicada por Crux, 12-07-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

Eis a entrevista:

Em todo o continente europeu, o apoio aos migrantes e refugiados parece ser um suicídio político, mas o Papa Francisco continua pregando uma mensagem de boas-vindas aos estrangeiros. Você acredita que ele tem algum parceiro político real no cenário europeu? E você acha que as tensões sobre esta questão podem levar ao colapso do projeto europeu?

O Papa Francisco tem uma voz profética, além de uma tarefa na Europa de hoje. Talvez não haja muitos parceiros políticos que o sigam totalmente, mas pessoas de todos os credos e opiniões o estão ouvindo, ou seja, sempre há uma possibilidade dele ajudar as pessoas a se abrirem para uma perspectiva mais positiva sobre a migração.

Não creio que todo o projeto europeu esteja em perigo, mas, de alguma forma, vemos que toda nação está ansiosa para seguir sua própria política nesses assuntos.

Por muito tempo a Alemanha tem sido um fator crítico em políticas mais abertas com relação a refugiados e imigrantes. Você acredita que a recente decisão da Chanceler Angela Merkel, em estreitar as políticas de asilo do país, seja uma refutação do acordo de Schengen, que garante a livre circulação através das fronteiras nacionais dentro do continente?

Pode ser muito cedo para ver todas as conseqüências dessa decisão. Ainda assim, temos que aceitar que o acordo parece ser questionado em toda a Europa.

Ao se tornar um cardeal, você afirmou ser a maneira de Francisco reconhecer o papel que a Suécia vem desempenhando ao acolher os migrantes. No entanto, mudanças recentes na política do governo tornaram mais difícil, especialmente para reunir as famílias. Como a Igreja local está trabalhando para resistir a esses esforços?

É verdade que a Suécia, como muitos países, mudou a sua atitude e é muito mais difícil para os refugiados entrarem no país. Lamento que a política da Suécia não seja tão positiva quanto o Papa Francisco pensou.

Juntamente com todas as outras 29 denominações do Conselho Cristão da Suécia, tentamos influenciar os políticos e o público a fim de favorecer a reunificação das famílias, mas isso não é fácil. Também recebi uma ameaça pessoal de um grupo nacionalista e de outros líderes da Igreja.

Quando você examina o panorama global, a Europa, os Estados Unidos, ou outros lugares, há forças populistas e nacionalistas maciças a serem levadas em conta. Você está otimista de que isso pode mudar, e qual é o seu conselho para os católicos que querem resistir a essas tendências?

É verdade que esses movimentos receberam muito apoio, mas também sabemos que as opiniões políticas mudam rapidamente. Mesmo que a Igreja não entre diretamente no debate entre os partidos políticos, a proclamação do Evangelho tem sua própria força, mesmo numa sociedade secular. Sabemos que pessoas de diferentes origens ainda ouvem o Santo Padre, e às vezes há mais mentes abertas do que pensamos. Testemunhas e histórias pessoais sobre perseguição e sofrimento ainda podem mexer com os corações, até mesmo de políticos que se opõem à imigração.

A Suécia é notoriamente laica, mas você acredita que o exemplo da Igreja de servir como um lugar de boas-vindas é parte de um testemunho da fé que pode tornar o Evangelho atrativo e, portanto, em algum sentido evangélico?

Na verdade, a Suécia não é tão secular quanto pensam. Muitas pessoas estão abertas aos valores do Evangelho, mesmo que não sejam frequentadores da igreja.

A chegada de muitos refugiados que foram ajudados por paróquias de diferentes denominações, causou um grande impacto em muitas outras pessoas. Ainda hoje, até os políticos que têm opiniões diferentes são cheios de admiração pelo zelo dos cristãos que tentam ajudar os refugiados e outros migrantes.

Sempre há esperança quando as pessoas tentam se abrir para os valores do Evangelho.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal da Suécia diz que o Papa ainda pode influenciar o debate sobre imigração - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV