Os boçais são perigosos

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos A. Gadea

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Junho 2018

Torcedores dos vídeos da Rússia são protótipo do defeito moral mais nojento.

O artigo é de Contardo Calligaris, psicanalista, publicado por Folha de S. Paulo, 28-06-2018.

Segundo ele, "os torcedores dos vídeos na Rússia são o protótipo do defeito moral mais grave, mais perigoso e mais nojento: eles formam um grupo para se permitir um comportamento que, sozinhos, eles não se permitiriam". "A selfie,  continua - de uma certa forma, torna mais fácil ao canalha agir sozinho".

Eis o artigo.

Antes de mais nada, contemple esta fotografia.

São dez soldados alemães, talvez durante a batalha de Stalingrado. No meio do horror, eles estão sorrindo, alegres, porque, no meio deles, enforcada numa árvore sem folhas, está uma jovem russa, morta — uma enfermeira, com seu braçal da Cruz Vermelha.

Talvez, antes de enforcá-la, eles tenham brincado com ela. Sabe, aquele jogo divertidíssimo de mandar o outro, que não fala alemão, repetir frases que ele ou ela não entendem, tipo: "Eu sou puta e dou para alemão, ou, então, eu dou para todos os homens de Montes Claros, Minas Gerais, ou, então, eu sou a putinha do Neymar".

Desculpe, me atrapalhei. Confundi essa imagem com vídeos de torcedores brasileiros na Rússia, que invadiram as redes sociais na semana passada. Se você desconhece (sorte sua), comece pelo vídeo abaixo, que é edificante: um torcedor brasileiro de camisa canarinho manda um menino russo (visivelmente menor) repetir que ele é "filho da puta, viado e que dá para o Neymar". Por a vítima ser menor, esse, aliás, é um crime grave na Rússia como no Brasil.

O primeiro dos outros vídeos é parecido com o de Stalingrado —um grupo ao redor de uma moça. O segundo é a obra de um boçal sozinho, que pede para uma jovem russa dizer em português que ela dá para os homens de Montes Claros (minha simpatia aos habitantes da cidade mineira, que não mereciam essa "propaganda").

Será que estou exagerando, com essa comparação entre os vídeos dos torcedores e a foto de Stalingrado, que representaria um fato muito mais grave? Penso exatamente o inverso.

Os soldados alemães estavam no meio de uma batalha infernal, que durou meses; eles tinham visto sei lá quantos companheiros morrerem, e podiam eles mesmos serem mortos a qualquer momento.

O mesmo poderia ser dito para muitas imagens análogas. Considere um dos casos mais revoltantes: as fotografias de tortura na prisão de Abu Ghraib —a imagem de Lynndie England, de cigarro e sorriso na boca, apontando os dedos, como uma arma, para os genitais dos presos nus que estão do seu lado. Ela pretende ser engraçada, hein? Mas tudo isso acontece no meio de uma guerra, que constitui, ao menos, um pretexto para a boçalidade.

Alguém observará que os torcedores canarinhos talvez estivessem bêbados. Pois é, se beberam, não foi para fugir do horror (como os soldados), mas de propósito, para ter a covardia moral necessária para serem boçais. Quando se bebe de propósito para ser canalha, a embriaguez é uma agravante.

Concluindo, os torturadores de Abu Ghraib e da fotografia de Stalingrado tem alguns pretextos para serem boçais, os torcedores, não.

Por isso, os torcedores dos vídeos na Rússia são o protótipo do defeito moral mais grave, mais perigoso e mais nojento: eles formam um grupo para se permitir um comportamento que, sozinhos, eles não se permitiriam.

Esse defeito moral é a matéria-prima de qualquer totalitarismo, que só é possível porque há covardes que procuram e encontram no grupo a autorização para serem canalhas. Alguns se manifestaram para minimizar o "erro" (meu amigo Hélio Schwartsman) dos torcedores. Outro amigo, Boris Casoy, chegou a dizer que tudo era apenas uma molecagem de péssimo gosto. Nosso ministro do Turismo declarou que não foi tão grave, porque não morreu ninguém (socorro).

Discordo radicalmente. Os torcedores boçais na Rússia não são moleques; são perigosos canalhas. São farinha do mesmo saco dos skinheads que se juntam para massacrar uma travesti, dos nazistas que saíam procurando um judeu para lhe cortar a barba, dos jovens que colocaram fogo no índio Galdino, numa rua de Brasília.

Alena Popova tenta incriminar na Rússia os autores dos vídeos. Quem puder mande para ela o link da foto de Stalingrado.

Nota: a boçalidade adora uma fotografia. Os perpetradores, em geral, querem imortalizar o momento de sua canalhice, que é sempre grupal. Na de Stalingrado, os soldados eram 11, porque alguém tirou a instantânea.

A selfie, de uma certa forma, torna mais fácil ao canalha agir sozinho. Por exemplo, no vídeo em que um menino russo é abusado, só há um torcedor, mas a postagem do vídeo faz apelo à cumplicidade de todos os amigos e seguidores das redes sociais. Minha irritação aumenta, aliás, ao constatar que os canalhas pensaram que a gente gostaria de vê-los em ação.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os boçais são perigosos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV