O que Macron pedirá a Francisco. Artigo de Alberto Melloni

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • Aos 15 anos da morte do filósofo francês Jacques Derrida, o último subversivo

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Junho 2018

“Cabe a Macron convencer o papa de que é arriscado olhar para episcopados inteiros escorregando para o nacional-populismo, a xenofobia, o antissemitismo, tornando a Igreja vítima e cúmplice de um desastre anunciado. Cabe ao papa explicar que a Igreja é portadora de uma expectativa que não pede privilégios nem aceita tutelas.”

A opinião é do historiador italiano Alberto Melloni, professor da Universidade de Modena-Reggio Emilia e diretor da Fundação de Ciências Religiosas João XXIII, de Bolonha.

O artigo foi publicado por La Repubblica, 24-06-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

A visita de Emmanuel Macron ao papa, marcada para esta terça-feira, 26, vai além da rotina diplomática vaticana. De fato, seu enquadramento evoca memórias antigas: a renovação teológica do Concílio, a laicidade, a revolução e até os antigos privilégios reais graças aos quais o inquilino do Elysée receberá a insígnia de canônico honorário da Basílica de São João de Latrão (vive la laïcité!).

Nesses temas, Macron não é um neófito.

Assistente na juventude de Paul Ricoeur (aquele do Plaidoyer pour l’utopie ecclésiale, que poderia ser um belo presente para Francisco), o presidente não entrará no escritório papal apenas para apagar as duas bofetadas dadas pela diplomacia pontifícia na França, que, se queriam ser uma reação à lei sobre o casamento gay, foram equivocados e inúteis. A de 2014, quando o papa visitou o Parlamento Europeu de Estrasburgo e não visitou a França. E a de 2015, quando, a Laurent Stefanini, grande e reservado diplomata nomeado por Hollande como embaixador junto à Santa Sé, foi recusado o credenciamento porque se considerou que a vociferada homossexualidade era uma provocação.

Macron pedirá e obterá a visita a Paris, Marselha e Lourdes, e aceitará convergir para a ecologia, a paz ou as grandes nervuras diplomáticas desenhadas pelo cardeal Parolin. Mas sabe que, sobre a conversa, incumbe a crise da utopia europeia, ferida por um veneno empastado de religiosidade perversa, que precisa de decifração hermenêutica (Macron deve decidir se a França votará na infraestrutura europeia das ciências religiosas sobre as quais o Esfri [Fórum Estratégico Europeu para as Infraestruturas de Investigação] decide nesta próxima quarta-feira) e de coragem teológica: o presidente francês faz bem em pedir do papa um compromisso contra o sufocante “catolicismo negro”, que desceu da Polônia e chegou a Roma, usando Bannon como “caixa eletrônico” e os terços como um blasfemo amuleto soberanista.

O europeísmo papal serviu para uma época estável inteira: Pacelli sonhava com uma Europa carolíngia, e Roncalli, com a paz; Montini lia francês; Wojtyla sonhava com a utopia eslavo-latina de Soloviov; Ratzinger, que via na Europa um obstáculo para o “magistério sobre a homossexualidade”, foi uma exceção. E Bergoglio, depois de uma primeira fase, tomou posição, libertando-se do tema das “raízes cristãs” com o discurso do Prêmio Carlo e se tornando protagonista de um europeísmo ecumênico, em que o centenário luterano e a fraternidade com o Patriarca Ecumênico Bartolomeu serviram de premissa para o grande discurso sobre a unidade dos cristãos como “perda” evangélica, proferido na quinta-feira, 21, no Conselho Mundial de Igrejas de Genebra e para a oração dos patriarcas convocados para Bari no dia 7 de julho para registrar a ausência de Moscou.

Cabe a Macron convencer o papa de que é arriscado olhar para episcopados inteiros escorregando para o nacional-populismo, a xenofobia, o antissemitismo, tornando a Igreja vítima e cúmplice de um desastre anunciado. Cabe ao papa – que concede ao presidente o palco vaticano para ignorar Itália eurocética em transmissão mundial (Macron em Roma não terá contato com os homens do governo, exceto com alguns ex-ministros de Monti e de Renzi de “marca” Santo Egídio) – explicar que a Igreja pode ser usada como uma prateleira de produtos éticos onde cada um escolhe o seu, mas também é portadora de uma expectativa que não pede privilégios nem aceita tutelas.

Como Ricoeur dizia sobre si mesmo, um “estilo de mediação incompleta entre mediações rivais”. Eles poderiam se entender.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que Macron pedirá a Francisco. Artigo de Alberto Melloni - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV