James Cone (1939-2018) In Memoriam

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • Deus nos livre do deus do presidente

    LER MAIS
  • Clericalismo, esse é o inimigo!

    LER MAIS
  • Brasil, Bolsonaro e a teologia da prosperidade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Maio 2018

Em memória do teólogo afro-americano James Cone, que morreu recentemente (28 de abril de 2018), publicamos a seguir alguns trechos das páginas que ele dedicou à Antologia del Novecento teologico (Antologia do século XX teológico), editado por Rosino Gibellini.

O extrato de textos é publicado por Teologi@internet, 25-05-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

A teologia negra (black theology) não é a teologia africana, mas a teologia dos negros que vivem em estado de segregação e em situações de marginalização numa sociedade racista branca. É uma realidade da cultura negra e das igrejas negras nos Estados Unidos, com uma extensão no Caribe, no Brasil e na África do Sul. A teologia negra é, portanto, conectada com a experiência desumana do racismo. Como a teologia latino-americana da libertação parte da experiência histórica da dependência e de pobreza e como a teologia feminista parte da experiência do sexismo machista, assim a teologia negra parte da experiência histórica da escravidão e da segregação racial. A teologia negra encontrou a sua primeira expressão no importante livro ‘Uma teologia negra da libertação’ (Claudiana, Torino, 1973) escrito pelo teólogo metodista afro-americano James Cone, do Union Theological Seminary de Nova York.

O racismo como heresia, de James Cone

A questão é clara: o racismo é a negação absoluta da encarnação, e, portanto, do cristianismo. Portanto, as igrejas de denominação branca não são mais cristãs. São expressão da vontade de tolerar e perpetuar esse estado de coisas.

A antiga distinção filosófica entre qualidades primárias e secundárias de um objeto fornece uma analogia a esse propósito: de fato, apenas as qualidades primárias constituem a essência das coisas. Falando da igreja, a comunhão e o serviço são qualidades primárias, sem as quais a "igreja" não é a igreja. Ainda podemos dizer que uma comunidade é cristã se é racista de cima a baixo? A minha tese é que o racismo implica ausência de comunhão e de serviço, e estas são qualidades primárias, "notas" indispensáveis da igreja. Ser racistas significa colocar-se fora da definição da igreja.

A questão racial é para o nosso tempo o que a controvérsia ariana foi para o século IV. Atanásio percebeu perfeitamente que ao tolerar o ponto de vista de Ário, o cristianismo estava perdido. Poucos homens de igreja brancos, no entanto, se questionaram se o racismo seria uma renegação de Cristo análoga àquele.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

James Cone (1939-2018) In Memoriam - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV