Para New York Times, crise da Igreja chilena começou com Woityla

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Bancos vão ficar com 62% da renda do trabalhador se capitalização for aprovada

    LER MAIS
  • Não façam isso com a mãe de Jesus!

    LER MAIS
  • Escolhido por Deus para guiar o Brasil? Da manipulação da religião pela política

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Maio 2018

Quem assinou o “j’accuse” contra Karol Wojtyla foi o New York Times, que afirmou que todos os problemas da Igreja chilena decorrem da mudança imposta nos anos 1990 pela Cúria liderada pelo papa polonês.

A reportagem é de Fai.informazione.it, 27-05-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

João Paulo II, escreveu Patricio Fernández, quis substituir uma hierarquia próxima da Teologia da Libertação por prelados conservadores – “elitistas e distantes de seu rebanho” – que não teriam sido capazes de acompanhar a entrada do país na contemporaneidade e na democracia após a ditadura de Augusto Pinochet.

Um conceito não muito diferente do assinado pelo teólogo jesuíta Jorge Costadoat: “Durante os anos 1960 e 1970, Paulo VI havia nomeado no Chile uma geração de bispos excepcionais. João Paulo II, a partir dos anos 1980, no Chile e no restante da América Latina, nomeou bispos com pouca liberdade para interpretar a doutrina da Igreja, doutrina que, em casos como a Veritatis splendor, significou um retrocesso. Eram homens sem as luzes da geração anterior, temerosos, estritamente fiéis ao governo do papa”.

O problema, portanto, torna-se ainda mais delicado para o Vaticano: não se trata apenas de avaliar os casos individuais de abuso sexual por parte de membros do clero, nem de processar toda uma Conferência Episcopal. O pedido até agora implícito da mídia, dos eclesiásticos e da opinião pública chilena é de também passar pelo crivo a operação de um papa, acima de tudo, santo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para New York Times, crise da Igreja chilena começou com Woityla - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV