Operação do Ibama multa empresas e produtores por soja ilegal no Cerrado

Revista ihu on-line

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Mais Lidos

  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • A disrupção é a melhor opção para evitar um desastre climático, afirma ex-presidente irlandesa

    LER MAIS
  • “Sim, nós podemos combater as desigualdades”. Entrevista com Thomas Piketty

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Maio 2018

Gigantes do agronegócio, como Cargill e Bunge, foram autuadas durante a operação que já totaliza R$ 105,7 milhões em multas.

A reportagem é publicada por Greenpeace, 23-05-2018.

A Operação Shoyo, realizada pelo Ibama em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF) para coibir o desmatamento ilegal no Cerrado, já resultou em 62 autos de infração contra pessoas e empresas que plantavam, comercializavam ou financiavam soja cultivada em áreas embargadas nos estados de Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia - região conhecida como Matopiba, onde a expansão da soja ocorre rapidamente ao custo de desmatamento. Entre as empresas autuadas estão as multinacionais do agronegócio Cargill e Bunge, que foram multadas em R$ 5 milhões e R$ 1,8 milhão, respectivamente. No total, as multas da operação já somam R$ 105,7 milhões. Veja a nota completa do Ibama

“Os resultados da ação do Ibama e do MPF demonstram que empresas como Cargill e Bunge, que se comprometeram em eliminar o desmatamento de suas cadeias produtivas em escala global, ainda têm um longo caminho a percorrer. Isso mostra que medidas que vão além de compromissos verbais são necessárias. Na Amazônia, as mesmas empresas conseguiram eliminar grande parte do desmatamento de suas cadeias devido à implementação da Moratória da Soja, mas o mesmo não acontece no Cerrado, onde ainda não existem compromissos concretos que levem a resultados”, avalia Paulo Adário, estrategista sênior de florestas do Greenpeace Internacional.

Em setembro de 2017, diversas organizações da sociedade civil, incluindo o Greenpeace, demandaram, por meio de um manifesto que as empresas atuantes no Cerrado e o mercado comprador adotassem medidas imediatas para desvincular a destruição do bioma de suas cadeias produtivas. O pleito recebeu o apoio de mais de 60 empresas internacionais, dentre elas McDonald’s, Walmart e Carrefour. No entanto, ainda não foram anunciados compromissos concretos neste sentido.

“A tendência é que o mercado feche cada vez mais as portas para qualquer tipo de desmatamento. É preciso ação rápida e consistente por parte do setor privado para conter a destruição no Cerrado. Se as empresas conseguiram implementar a Moratória da Soja na Amazônia, também são capazes de o fazer no Cerrado, onde as taxas de desmatamento são ainda maiores”, afirma Cristiane Mazzetti, da Campanha de Amazônia do Greenpeace.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Operação do Ibama multa empresas e produtores por soja ilegal no Cerrado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV