Pedofilia, toda a Igreja tem os problemas do Chile. Artigo de Marco Marzano

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Maio 2018

Agora caberá ao papa realizar as necessárias depurações, isto é, a demissão em massa dos bispos chilenos. Se isso não ocorrer, se o papa tomar tempo, e, enquanto isso, a história for esquecida pela mídia, nos encontraremos diante de uma encenação sobre a pele das vítimas.

A opinião é do sociólogo italiano Marco Marzano, professor da Universidade de Bergamo, em artigo publicado por Il Fatto Quotidiano, 20-05-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

A decisão dos bispos chilenos de apresentarem em massa a renúncia aos seus cargos ao papa é retumbante. Sinaliza a consciência de uma responsabilidade coletiva do episcopado chileno pelos graves crimes cometidos por membros da Igreja naquele país. O gesto chega depois de décadas de encobrimento e é a consequência de uma drástica mudança na linha de Francisco no combate à pedofilia clerical no Chile.

Até janeiro deste ano, isto é, até a sua viagem ao país andino, Francisco não parecia descontente com o andamento das coisas na Igreja chilena. Em 2015, ele promoveu, nomeando-o bispo, Juan Barros, um “aluno” e amigo do pedófilo abusador Pe. Fernando Karadima.

Quando Francisco o nomeou bispo, já pendia sobre a cabeça de Barros a acusação de ter assistido de modo impassível às violências que Karadima infligia aos menores.

Justamente durante aquela viagem, Francisco tinha reagido com aborrecimento à pergunta de quem lhe pedia contas de seu apoio a Barros, respondendo que, sobre a cumplicidade daquele bispo com os crimes do Pe. Karadima, não havia provas certas e, portanto, até prova em contrário, tratava-se de calúnias contra ele. Essas palavras pareceram ser a enésima manifestação da cumplicidade vaticana com os abusadores e despertaram a reação indignada de grande parte da opinião pública, não só chilena.

Foi nesse ponto que o papa mostrou estar pronto para mudar de linha, admitiu ter se equivocado ao julgar a situação chilena, declarou ter estado mal informado e de querer finalmente ir a fundo na questão. Enviou ao Chile um investigador que adquiriu novas informações, depois convocou os dirigentes chilenos a Roma e obteve as renúncias deles.

Agora caberá a ele realizar as necessárias depurações, isto é, a demissão em massa dos bispos chilenos. Se isso não ocorrer, se o papa tomar tempo, e, enquanto isso, a história for esquecida pela mídia, nos encontraremos diante de uma encenação sobre a pele das vítimas.

Em uma carta dirigida aos bispos chilenos que devia permanecer confidencial Francisco admite que os problemas no Chile vão muito além do caso Karadima-Barros, que na Igreja chilena foram verificados ao longo do tempo abusos e deficiências de todos os tipos, que foram destruídos documentos que comprometiam alguns padres, encobertos e protegidos ou transferidos precipitadamente de uma paróquia a outra e logo encarregados de se ocupar de outros menores.

As acusações também dizem respeito às instituições formativas, os seminários, culpados de não terem detido a carreira de padres que, já como estudantes, mostravam claros sinais de um comportamento patológico na esfera sexual e afetiva. O problema é “o sistema”, concluiu o papa.

E é muito verdade. O ponto é: qual sistema? A menos que queiramos acreditar que a Igreja chilena desenvolveu patologias totalmente peculiares, que era uma espécie de associação criminosa fora de controle, e a menos que queiramos negar que fenômenos idênticos aos descritos pelo papa na sua carta ocorreram por toda a parte no mundo, é preciso admitir que o sistema é a própria Igreja na sua forma organizacional atual. Isto é, o problema é uma organização estruturada em torno da supremacia de uma casta clerical totalmente masculina e celibatária, formada em torno dos valores da fidelidade absoluta e da disciplina do corpo dentro de instituições totais e claustrofóbicas como os seminários e, depois, investida do monopólio absoluto na gestão do sagrado, da competência exclusiva de todos os aspectos cruciais da vida da instituição.

Se o pontífice realmente quiser combater até o fim o sistema e debelá-lo, por que não pega todos de surpresa e toma a iniciativa de iniciar uma grande reflexão coletiva e pública, eventualmente através de um sínodo extraordinário, sobre o tema da responsabilidade dos funcionários e das instituições católicas nos inúmeros casos de abuso contra menores cometidos pelos membros da Igreja na sua história recente?

E por que não convida a fazer parte disso também aqueles estudiosos que, há anos, defendem que o problema dos abusos sexuais por parte do clero católico deve ser abordado levando em consideração a eventualidade de ter que desmantelar a tradicional estrutura clerical que, há séculos e sem qualquer descontinuidade até o presente, governa a Igreja nos quatro cantos da terra?

Isso, sim, seria o início da revolução.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pedofilia, toda a Igreja tem os problemas do Chile. Artigo de Marco Marzano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV