Estados Unidos. Em ato massivo, renasce a Campanha dos Pobres de Luther King

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A “cristofobia” de Bolsonaro

    LER MAIS
  • “Maciel tinha uma capacidade incrível de manipular e enganar as pessoas”, revela ex-diretora vocacional dos Legionários de Cristo

    LER MAIS
  • A sabotagem social da prisão – Um olhar sobre o sistema carcerário

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Mai 2018

Com ações diretas em 35 estados e a capital nacional, e mais de 1.000 presos, renasceu na segunda-feira a Campanha dos Pobres, originalmente liderada pelo reverendo Martin Luther King, há meio século, para exigir uma reforma das leis de direito ao voto e novas políticas para abordar a pobreza sistêmica, o racismo, a devastação ambiental e frear o militarismo.

A reportagem é de David Brooks, publicada por La Jornada, 15-05-2018. A tradução é do Cepat.

Em fatos simultâneos de ação direta não violenta nas capitais de 35 estados e em frente ao Capitólio federal em Washington, uma ampla coalizão de líderes religiosos, sindicalistas, organizadores sociais, ambientalistas, estudantes, artistas, intelectuais e agrupamentos comunitários participaram do que os organizadores chamaram de a onda de desobediência civil não violenta mais expansiva na história dos Estados Unidos.

Os copresidentes da Campanha dos Pobres, o reverendo William J. Barber e a reverenda Liz Theoharis, estiveram entre as centenas de presos, em Washington, ao ocupar uma rua no protesto contra as políticas violentas que atingem os pobres e os trabalhadores do país.

“Estamos vivendo em uma democracia empobrecida, declarou o reverendo Barber. As pessoas estão se levantando contra a mentira da escassez. Sabemos que no país mais rico do mundo não há razões para que as crianças passem fome, para que aos doentes seja negada o atendimento à saúde, nem para que os cidadãos tenham seu voto suprimido. Os dois partidos precisam ser desafiados; um pelo que faz e o outro pelo que não faz”.

Os organizadores afirmaram que esta onda de desobediência civil sem precedentes é destinada a transformar as estruturas políticas, econômicas e morais da nação. Durante os próximos 40 dias, afirmam, haverá mais ações diretas, fóruns de educação civil, esforços de registro, entre outras atividades, para gerar um movimento de fusão moral formado por pessoas de todas as raças e religiões. Esta primeira fase da campanha culminará em Washington, com um ato nacional, no dia 23 de junho.

A campanha assume o nome do movimento impulsionado pelo reverendo King, em 1968, para enfrentar o que ele chamava de triplo mal inter-relacionado de racismo, pobreza e militarismo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Estados Unidos. Em ato massivo, renasce a Campanha dos Pobres de Luther King - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV