Filantropia. Existem dois modelos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Abril 2018

Se este ano também terei condições de viajar para os EUA com um grupo de jovens para desenvolver um jogo 3D que ensine sustentabilidade ambiental, devo isso a apoiadores e patrocinadores que decidiram fazer uma doação para estes jovens. Sem a doação, sem a filantropia, teríamos que nos privar de muitos projetos de desenvolvimento e de ajuda aos mais pobres.

O artigo é de Alessandra Smerilli, economista italiana, publicada por Avvenire, 28-04-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

É louvável que grandes e pequenas empresas, em vez de manter para si toda a riqueza acumulada, reservem uma parte para os programas educacionais, de pesquisa, de apoio à pobreza, também como um sinal de restituição pelo que receberam da sociedade e do sistema econômico. Mas o que volta também à minha memória é um encontro em um País em desenvolvimento, onde ao representante de uma multinacional da filantropia que estava ilustrando como era empregada a alíquota de 1% dos lucros, um jovem perguntou: "O que vocês fazem com os restantes 99%?” A filantropia precisa então ser vista de muitas perspectivas diferentes, todas co-essenciais.

Podemos nos perguntar, de fato, se existe uma maneira diferente de produzir, em que, por exemplo, as diferenças salariais entre um trabalhador e um CEO não sejam aquelas atuais - hoje um trabalhador de uma empresa da moda que trabalha em Bangladesh leva toda uma vida para ganhar o que um executivo ganha em quatro dias.

Ao mesmo tempo, não podemos deixar de nos perguntar sobre aquela parte das fundações financiadas por empresas que fabricam e comercializam armas, que trabalham em setores controversos para o ambiente ou que auferem lucros através da exploração de trabalhadores. Existem realidades que se ocupam de curar as dependência dos jogos de azar, por exemplo, com o apoio financeiro das multinacionais do setor.

Existe algo errado. Como afirmou o Papa Francisco, em um discurso sobre a Economia de Comunhão: "As empresas dos jogos de azar financiam campanhas para tratar os jogadores patológicos que elas criam. E no dia em que as empresas das armas irão financiar hospitais para tratar crianças mutiladas por suas bombas, o sistema terá atingido o seu cúmulo." Palavras proféticas. Hoje sabemos que tudo está interligado: estilos de vida e modelos de produção nocivos para o ambiente geram antigas e novas
pobrezas e desigualdades. A filantropia é muitas vezes funcional para um sistema que cria doenças e cresce tratando-as.

As filantropias não são todas iguais. Queremos aquela de empresas que produzem de forma respeitosa com o ambiente e território em que operam, criando oportunidades de desenvolvimento que não exploram os trabalhadores, mas os valorizam colocando a atenção também sobre as suas necessidades familiares.

Elas contribuem para criar um sistema inclusivo, onde crescemos todos juntos. Essas empresas existem, funcionam, e no caminho para a preparação da Semana Social de Cagliari tivemos oportunidade de vê-las. Há uma diferença entre receber doações como caridade, porque gera a possibilidade das pessoas serem incluídas em um sistema que exclui sistematicamente uma parcela de pessoas, e receber um salário, fruto do próprio trabalho, porque empresários esclarecidos e atentos ao bem comum compreendem que através de suas atividades como empresa (e não apenas no momento da doação dos lucros) podem contribuir para a construção de uma sociedade inclusiva.

A filantropia é a filha do modelo capitalista anglo-saxão e do seu espírito calvinista. O mundo católico e latino doa, principalmente incluindo aquele que era excluído, com as cooperativas, bancos locais, empresas familiares, distritos e grande empresa com seu capitalismo mediado pelos sindicatos. O risco hoje é que por olhar demasiadamente para o Norte e o Ocidente, a Itália perca o patrimônio da Economia civil e a sua maneira de fazer negócios e sociedade. Sem raízes uma árvore morre. As raízes não são o passado, mas o presente e o futuro. É o dom das suas raízes o que mais falta na economia italiana de hoje e do amanhã.

Nota da IHU On-Line: Alessandra Smerilli estará na Unisinos Porto Alegre, no dia 21 de maio de 2018, participando do  XVIII Simpósio Internacional IHU. A virada profética de Francisco. Possibilidades e limites para o futuro da Igreja no mundo contemporâneo. Na ocasião irá ministrar a conferência As grandes tendências econômicas sociais que caracterizam o mundo contemporâneo, das 18h30min às 20h.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Filantropia. Existem dois modelos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV