Governista Mario Abdo, do Partido Colorado, vence as eleições no Paraguai

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • 15 de agosto de 1222: o sermão de São Francisco. “Os anjos, os homens, os demônios”

    LER MAIS
  • Hoje mais do que nunca, Argentina! A advertência de Noam Chomsky

    LER MAIS
  • Guerra comercial: por que Trump vai perder

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Abril 2018

O conservador Partido Colorado, que domina a política do Paraguai há 70 anos, sofreu mais do que esperava neste domingo de eleições presidenciais. Seu candidato, Mario Abdo Benítez, esperou durante horas o final da contagem dos votos, vendo como o seu adversário, o liberal Efraín Alegre, se aproximava e ficava a apenas quatro pontos percentuais de distância. A apuração dos votos foi um pesadelo para as centenas de colorados que estavam na sede do partido, no centro de Assunção. Chegaram convencidos de que obteriam mais de 20 pontos de vantagem, como diziam as pesquisas. Mas, ao contrário das previsões, Abdo venceu as eleições paraguaias com 46,47% dos votos, enquanto seu adversário conseguiu 42,72%. A diferença foi de apenas 94.000 votos, o resultado mais apertado desde 1993.

A reportagem é de Federico Rivas Molina, publicada por El País, 23-04-2018.

Abdo, ex-senador e empresário, tem 46 anos e pertence ao mesmo partido que o atual presidente, Horacio Cartes. Seu pai, com o mesmo nome, foi o braço direito do ditador Alfredo Stroessner (1912-2006). Em recente conversa, evitou repudiar os anos da ditadura e diz que foram feitas obras importantes, como a usina hidrelétrica de Itaipú. Mas também pediu que seja julgado por seu presente e não pelo passado. “Eu tinha 15, 16 anos no final de Stroessner, não fazia política e militância nessa época. Eu resgato as políticas que criaram impacto positivo, e isso não significa reivindicar a pessoa”, afirmou.

O Paraguai é o país mais conservador da região, onde não só os abortos estão proibidos como meninas de 10 anos são obrigadas a dar à luz mesmo tendo sido estupradas, como ocorreu em um caso muito conhecido. Abdo, que representa a ala mais conservadora de seu partido, é contra a legalização do aborto e do casamento entre pessoas do mesmo sexo, além de ter proposto serviço militar obrigatório para filhos de mães solteiras, com o objetivo de diminuir os índices de violência e o consumo de drogas. Também promete reformas radicais da Justiça para reduzir a corrupção, mal endêmico do país.

Contudo, sua proposta em matéria econômica parece manter a linha ortodoxa dos últimos anos, o que vem garantindo crescimento contínuo e desigual.


Hugo Velázquez (esq.), vice-presidente, Mario Abdo e Horacio Cartes (dir.) | Fonte: MaritoPresidente Flickr

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Governista Mario Abdo, do Partido Colorado, vence as eleições no Paraguai - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV