Mais da metade do esgoto produzido no Brasil vai para a natureza sem qualquer tipo de tratamento

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Abril 2018

Segundo os dados do SNIS, o Sistema Nacional de Informações sobre o Saneamento, de cada 100 litros de esgoto produzido no ano de 2016, menos de 45 litros foram tratados.

A reportagem é de Eliane Gonçalves, publicada por Radioagência Nacional, 20-04-2018. 

O restante, ou seja 55% do total, foi lançado na natureza sem qualquer tipo de tratamento.

Os números mostram que enquanto o fornecimento de água potável já está próximo à universalização, a coleta e o tratamento do esgoto ainda são um desafio.

83% da população recebe água potável em casa. O número ainda está abaixo do acesso a 100% da população até 2030, mas bem acima do número de pessoas que tem acesso ao serviço de coleta de esgoto.

Pouco mais da metade da população brasileira, 52%, pode contar com rede de esgoto. O restante, mais de 100 milhões de pessoas ainda dependem de fossas ou alternativas mais precárias para descartar o resíduo. 120 milhões não têm acesso ao tratamento dos resíduos.

Os números são de 2016 e foram analisados pelo Instituto Trata Brasil, que produz o Ranking do Saneamento no Brasil. Para Pedro Scazufca um dos responsáveis pela análise, o desafio é que para ampliar a rede de coleta e tratamento é preciso planejar e investir mais.

Já para Edson Aparecido da Silva, Coordenador do Fórum Alternativo Mundial da Água, mais do que investimentos diretos é preciso rever o modelo de tarifas praticado no Brasil. No geral, metade da tarifa que o consumidor paga para as empresas de saneamento básico é para o fornecimento de água. A outra metade para a coleta e o tratamento de esgoto, que é paga, mesmo quando o serviço não é feito.

A análise também mostra que a desigualdade no saneamento básico também é um problema. Segundo o ranking, nos 20 municípios com melhores índices de saneamento básico, o atendimento com rede de esgoto fica acima de 90%, bem próximo do que é chamado de universalização do serviço. Já nas 20 cidades com o os piores índices, a cobertura fica abaixo de 30%.

Para ouvir o áudio, clique aqui.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais da metade do esgoto produzido no Brasil vai para a natureza sem qualquer tipo de tratamento - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV