Mais quentes, mais longas, mais frequentes – ondas de calor marinhas em ascensão

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia aumenta 212% em outubro deste ano, aponta Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Abril 2018

Um estudo internacional na Nature Communications, co-escrito por pesquisadores do ARC Centre of Excellence for Climate Extremes (CLEX) e do Institute of Marine and Antarctic Studies (IMAS), revela que as ondas de calor marinhas aumentaram ao longo do século passado, em duração e intensidade como resultado direto do aquecimento dos oceanos.

A reportagem é de Alvin Stone, publicada por University of New South Wales, traduzida e editada por Henrique Cortez, e reproduzida por EcoDebate, 11-04-2018.

De 1925 a 2016, o estudo constatou que a frequência de ondas de calor marinhas aumentou em média 34% e a duração de cada onda de calor aumentou em 17%. Juntos, isso levou a um aumento de 54% no número de dias de ondas de calor marinhas a cada ano.

Alguns exemplos recentes mostram como os eventos de ondas de calor podem ser significativos.

  • Em 2011, a Austrália Ocidental viu uma onda de calor marinha que mudou o ecossistema de dominado por algas marinhas kelp para ser dominado por macroalgas marinhas (Seaweed). Essa mudança permaneceu mesmo depois que a temperatura da água voltou ao normal.
  • Em 2012, uma onda de calor marinha no Golfo do Maine levou a um aumento de lagostas, mas, também, a uma queda nos preços que prejudicou seriamente os lucros do setor.
  • As águas quentes persistentes no Pacífico Norte de 2014-2016, levaram ao fechamento de pescarias, ao encalhe em massa de mamíferos marinhos e à proliferação de algas nocivas ao longo das costas. Essa onda de calor até mudou os padrões climáticos de grande escala no noroeste do Pacífico.
  • Mais recentemente, a intensa onda de calor marítima da Tasmânia em 2016, levou a surtos de doenças e a abrandar as taxas de crescimento nos setores da aquacultura.

Os pesquisadores usaram uma variedade de conjuntos de dados observacionais para revelar a tendência de aumento das ondas de calor marinhas, combinando dados de satélite com um conjunto de dados longo do século, retirados de navios e várias estações de medição terrestres. Eles então removeram as influências da variabilidade natural, causadas pela Oscilação Sul El Niño, pela Oscilação Decadal do Pacífico e pela Oscilação Multidecadal Atlântica para encontrar a tendência subjacente.

Número total de dias de ondas de calor marinhas globalmente. Média global das séries temporais do total de ondas de calor (MHW) marinhas da NOAA OI SST em 1982–2016. A linha preta mostra as séries temporais com média global do total de dias de MHW da NOAA OI SST em 1982–2016. A linha vermelha mostra essa métrica depois de remover a assinatura do ENSO. Os sombreados vermelho e azul claro indicam os períodos El Niño e La Niña, respectivamente, definidos por períodos que excedem ± 1 dp do índice MEI durante três meses consecutivos.

Mais informações sobre ondas de calor marinhas podem ser encontradas aqui

Referências:

– Longer and more frequent marine heatwaves over the past century

– Eric C. J. Oliver, Markus G. Donat, Michael T. Burrows, Pippa J. Moore, Dan A. Smale, Lisa V. Alexander, Jessica A. Benthuysen, Ming Feng, Alex Sen Gupta, Alistair J. Hobday, Neil J. Holbrook, Sarah E. Perkins-Kirkpatrick, Hillary A. Scannell, Sandra C. Straub & Thomas Wernberg

– Nature Communicationsvolume 9, Article number: 1324 (2018)
doi:10.1038/s41467-018-03732-9

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais quentes, mais longas, mais frequentes – ondas de calor marinhas em ascensão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV