José Padilha: “As eleições não colocam frente a frente partidos, e sim quadrilhas”

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Desigualdade. Artigo de Ladislau Dowbor

    LER MAIS
  • Segredo, confissão e abuso: Cardeal Federigo, o Inominado e Lúcia. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • “É preciso afastar Bolsonaro já para parar a matança”. Entrevista com Chico Whitaker

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Março 2018

José Padilha (Rio de Janeiro, 1967) ficou com um gosto bom na boca por dirigir dois dos episódios de Narcos, a série da Netflix que colocou a cocaína digitalmente em milhões de lares. “Eles também devem ter ficado contentes, porque me chamaram quando planejaram realizar uma série no Brasil”, conta entre risadas o Urso de Ouro do festival de Berlim de 2007 com Tropa de Elite. Diretor feito para a ação, especialista em dar verossimilhança a enredos que se desenvolvem no país (seu remake de RoboCop em 2014 não funcionou), Padilha não hesitou um segundo em aceitar o desafio. “Economizei um monte de pesquisa prévia porque sabia o que queria contar: a operação Lava Jato, na qual toda a classe política estava envolvida. Eu tinha os direitos de adaptação de um livro revelador de um jornalista brasileiro sobre esse caso e o mostrei a Netflix”. Assim nasceu O Mecanismo, série de oito episódios que estreia completa na sexta-feira na plataforma digital.

A reportagem é de Gregorio Belinchón, publicada por El País, 22-03-2018.

Padilha usa três personagens fictícios (dois policias carismáticos e um empresário com boas conexões que se encarrega de lavar o dinheiro) para descrever uma situação real, que chegou a incriminar os diretores da Petrobras, promotores, policiais e políticos de todos os escalões. “O Brasil é muito interessante como estudo de caso, no sentido de que a corrupção não se dá na política. A corrupção é a política”, afirma o cineasta.

Sobre a semelhança da situação brasileira, com a corrupção intrinsecamente enraizada com o poder político, com a de outros países, Padilha entende que é uma situação quase global: “A democracia está sendo cerceada. As grandes corporações manipulam as eleições e colocam seus políticos. Assim, em dado momento, podem controlar os projetos de grandes investimentos públicos, inflar os orçamentos e dividir lucros com esses peões que colocaram. O resultado é que há algo errado na democracia atual. Não me entenda mal, compreendo que é o único sistema de governo possível, mas estamos atolados em problemas muito sérios. No Brasil esses problemas se exacerbaram de tal maneira... Olhe, não sei quanto a corrupção na Espanha levará do dinheiro público, mas no Brasil até 40% dos orçamentos desaparece por esse gargalo. Para o bem e para o mal, certamente isso faz com que os espectadores a entendam estejam onde estiverem”.

Por mecanismo, José Padilha se refere na série ao funcionamento desse sistema, que passa por cima de siglas políticas e questões morais: “O fato de que o mecanismo não tenha uma ideologia é fundamental. Dá na mesma que sejam de esquerda ou direita, a corrupção apodrece todos os partidos. Em meu país, a Operação Lava Jato começou antes de que Lula e o Partido dos Trabalhadores chegassem ao poder... E continuou com ele! Por isso os intelectuais de esquerda não podem dar lições de moral. Não há discussões ideológicas na trama, porque os ideais foram superados pelo dinheiro sujo”. E isso leva a uma conclusão ainda mais dolorosa: “As eleições não colocam frente a frente partidos políticos, e sim quadrilhas”.

Quais são as possibilidades de sair desse tsunami de veneno? A série O Mecanismo, desenvolvida como um thriller, deixa poucas esperanças, já que se atém à realidade. “É triste, porque estamos ilustrando o maior caso de corrupção, suspeito, da história da humanidade. Falo de milhões e milhões de reais... A polícia confiscou e recuperou 13 bilhões de reais, então quanto roubaram? É uma loucura”.

A rapidez para trabalhar na televisão

José Padilha já sabia como se trabalha na televisão. Até mesmo como se produz na Netflix. “A diferença com o cinema reside em que você precisa ser rápido. As filmagens são todas iguais no aspecto técnico, mas é preciso ser mais veloz para se chegar a tempo, para conseguir todos os minutos para completar os episódios”. Por outro lado, o diretor coloca uma grande vantagem: “Você pode criar histórias intrincadas, desenvolver um arco dramático que te permite contar tudo o que quiser. Posso corrigir? Isso não é televisão, é streaming, e você o assiste na tela que escolher. E pouco a pouco, ou toda a temporada de uma vez. A experiência é diferente”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

José Padilha: “As eleições não colocam frente a frente partidos, e sim quadrilhas” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV