Hawking: o astrofísico não crente que se encontrou com quatro Papas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O coronavírus é um pedagogo cruel”. Entrevista com Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • Religião remixada

    LER MAIS
  • A universidade pós-pandêmica. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Março 2018

O astrofísico não crente, Stephen Hawking, que morreu neste dia 14 de março de 2018, aos 76 anos, era membro da Pontifícia Academia das Ciências, que homenageia o cientista recordando os quatro pontífices com quem se encontrou: Paulo VI, João Paulo II, Bento XVI e Francisco, aos quais explicou que queria “fazer avançar a relação entre a fé e a razão científica”.

A reportagem é de Iacopo Scaramuzzi, publicada por Vatican Insider, 14-03-2018. A tradução é de André Langer.

“Estamos profundamente entristecidos com a notícia do falecimento do nosso excepcional membro Stephen Hawking, que tem sido tão fiel à nossa Academia”, escreveu no Twitter o organismo vaticano fundado em 1603. “Ele disse aos quatro Papas com os quais se encontrou que trabalhava para fazer avançar a relação entre fé e razão científica. Pedimos ao Senhor que o acolha em sua glória”.

Também o cardeal Vincent Nichols agradeceu ao cientista britânico “por sua extraordinária contribuição para a ciência”, e enfatizou que “fará falta” à academia da qual também faz parte o arcebispo de Westminster.

Giuseppe Tanzella-Nitti, diretor do portal de Documentação Interdisciplinar de Ciência e Fé, criado na Pontifícia Universidade da Santa Cruz em Roma, lembra de quando ouviu o cientista britânico na sede da academia vaticana, na Casina Pio IV, em 2008: “Todos escutávamos com grande silêncio as frases que vinham do sintetizador vocal e que ofereciam o fruto de sua muito viva reflexão intelectual. Sua filha e seus assistentes estavam ao seu lado, proporcionando-lhe o cuidado singular da tarefa que lhe foi confiada. Ao expor os enormes avanços que a cosmologia fez nas últimas décadas, Hawking concluiu sua exposição afirmando que ‘estamos nos aproximando da possibilidade de responder às antigas e sempre atuais questões: por que estamos aqui? De onde viemos? Eu creio que é possível responder a essas questões no campo das ciências’. Para além das questões metodológicas que esta postura poderia suscitar, e que outros ilustres cientistas presentes na Academia, como o diretor do Projeto Genoma, Francis Collins, observaram nessa ocasião, Hawking expressava uma percepção real, a de que a ciência contemporânea, precisamente por causa da profundidade e da unidade de suas pesquisas, pretende, hoje e naturalmente, responder às questões de natureza filosófica e existencial”.

A Specola Vaticana, observatório astronômico dirigido pelo jesuíta Guy Consolmagno, “une-se ao luto da família de Stephen Hawking. Apreciamos a grandiosa contribuição científica que deu à cosmologia quântica e a coragem que teve para enfrentar a doença”.

“A contribuição para a ciência do professor Stephen Hawking – escreveu por sua vez o primaz anglicano, Justin Welby, arcebispo de Canterbury – tem sido ilimitada, assim como o universo a cuja compreensão dedicou a vida. Ele viveu sua vida com coragem e paixão. Enquanto rezamos por todos os que o choram, que possa descansar em paz”.

Hawking recebendo a medalha Pio XI de Paulo VI  (Foto: Pontifical Academy of Sciences)

Hawking encontrou-se com o primeiro Pontífice aos 33 anos, e foi Paulo VI, em 1975. “Temos a alegria – disse Montini no final de um encontro com a Pontifícia Academia das Ciências – de entregar a medalha de Pio XI ao Senhor Stephen William Hawking, cujos estudos, entre outras coisas, sobre os “buracos negros” renderam-lhe fama internacional. Todas as nossas felicitações, querido professor, e a todos vocês, queridos senhores, meus melhores desejos para suas atividades e as da Academia. Adicionamos, como promessa de nossa solicitude por sua vida espiritual e a de seus entes queridos, nossa bênção apostólica”. O Papa, como recorda Tanzella-Nitti, ajoelhou-se por dois minutos aos pés do cientista, que já era obrigado a viver em uma cadeira de rodas, devido à esclerose lateral amiotrófica, para entregar-lhe a medalha.

Papa Francisco recebendo Hawking em 2016 (Foto: Vatican News)

Em novembro de 2016, Hawking encontrou-se com o Papa Francisco. “Há muitos sinais de esperança de uma humanidade que quer reagir, escolher o bem comum, regenerar-se com responsabilidade e solidariedade”, foi a frase que o Pontífice argentino escolheu para comentar no seu Instagram a foto com o cientista por ocasião de uma reunião da Pontifícia Academia sobre “Ciência e Sustentabilidade. Impacto dos conhecimentos científicos e da tecnologia na sociedade humana e no meio ambiente”.

João Paulo II e Hawking (Foto: Vatican News)

 

Bento XVI e Hawking (Foto: Vatican News)

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Hawking: o astrofísico não crente que se encontrou com quatro Papas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV