Decisão do Facebook de encerrar o experimento do Feed de notícias é considerada 'Orwelliana'

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Instrumentum Laboris do Sínodo para a Amazônia, um novo passo de “um 'kairós' para a Igreja e o mundo”

    LER MAIS
  • “Minha filha trans e católica é uma prova viva de como o Vaticano está errado em relação ao gênero”

    LER MAIS
  • Anule-se tudo que aconteceu a partir da criação da Lava Jato

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Março 2018

O Facebook vai encerrar um experimento que removia postagens profissionais de notícias do Feed dos usuários em seis países, depois de meses recebendo críticas de que a ação “extremamente Orwelliana" estava aumentando a circulação de notícias falsas e informações equivocadas na plataforma.

A reportagem é de Julia Carrie Wong, publicada por The Guardian, 01-03-2018. A tradução é de Luísa Flores Somavilla.

Adam Mosseri, líder de questões sobre o News Feed do Facebook, disse, num postagem de blog anunciando a mudança, que o experimento tinha sido motivado pelo "feedback consistente" de que as pessoas queriam ver mais postagens da família e de amigos, e menos de organizações midiáticas e comerciais no Feed de notícias. A partir de outubro, a empresa criou um feed separado chamado "Explorar" para posts públicos no Sri Lanka, na Guatemala, na Bolívia, no Camboja, na Sérvia e na Eslováquia.

A reação das organizações de notícias nos países afetados foi rápida. "O Facebook não pensa sobre as consequências e não tem nenhum interesse em tudo o que está acontecendo dentro dos países testados", escreveu o jornalista eslovaco Filip Struhárik, um dos principais críticos do experimento. Em dezembro, Struhárik usou dados do CrowdTangle para mostrar que o experimento prejudicava mais a mídia profissional do que as notícias falsas.

"Você nos deu a resposta: as pessoas não querem dois feeds separados", escreveu Mosseri. "Nas pesquisas, as pessoas nos disseram que estavam menos satisfeitas com as publicações que estavam vendo e que ter dois feeds separados na verdade não os ajudava a se conectar mais com amigos e familiares". Mosseri também reconheceu a crítica de que o Facebook tinha agido de forma arbitrária, alterando completamente a paisagem da rede social em seis países sem avisar e sem a opinião das partes interessadas, afirmando que a empresa iria "atualizar a forma como avalia os lugares onde testa novos produtos e como nos comunicamos com eles". O fim deste experimento não tem que ver com as mudanças ao Feed de notícias global que ocorreram em janeiro, que devem reduzir o conteúdo público e promover "interações sociais significativas".

"Estou feliz que o Facebook vai encerrar este teste e estou ainda mais feliz por ter admitido que foi um erro não comunicar o teste claramente", tuitou Struhárik na quinta-feira. "Espero que o Facebook tenha mais interesse no que está acontecendo dentro dos países testados."

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Decisão do Facebook de encerrar o experimento do Feed de notícias é considerada 'Orwelliana' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV