CF 2018: uma reflexão necessária!

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos A. Gadea

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. Dorothy Stang, profetiza e mártir da Amazônia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Fevereiro 2018

"Certamente, a CF 2018 será um tempo forte e favorável de conversão, de mudança de vida, dentro do horizonte e dos mistérios da Páscoa do Senhor, vendo em cada humano a dignidade de filhos e filhas, cujos rostos são muitas vezes desfigurados pela violência", escreve Carlos Moura, Secretario Executivo da Comissão Brasileira Justiça e Paz - Organismo da CNBB.(1)

Eis o artigo.

Em sintonia com a necessidade de refletir sobre temas que afligem a sociedade, a CNBB - na Campanha da Fraternidade 2018 - indica a violência como assunto a ser debatido por todas as pessoas de boa vontade, em busca de soluções capazes de superarem um estado de coisas que não respeita a dignidade das pessoas.

Com efeito, no Texto-Base da CF 2018, a CNBB afirma: “Nesta Campanha da Fraternidade desejamos refletir a realidade da violência, rezar por todos os que sofrem violência e unir a forças da comunidade para superá-la (...) os índices de violência no Brasil superam significativamente os números de países que se encontram em guerra ou que são vitimas frequentes de atentados terroristas”.

A CNBB, mais uma vez, manifesta seu compromisso de apoio aos empobrecidos e a todos que sofrem com as violências perpetradas socialmente ou por meio institucional. Impossível a convivência passiva ante o descalabro reinante no país, quando milhões de brasileiros carecem do mínimo de condições para um vida condigna, aliás “ao inviabilizar a formação dos mais pobres para a autonomia de pensamento, restringir os horizontes do interesse pelo exercício da cidadania, limitar as possibilidades de participação ativa na política, o Estado, outras instituições brasileiras e os segmentos sociais das elites contribuem para a continuidade de relações sociais pautadas na exclusão, no autoritarismo e na violência” (Texto-Base, página 25 nº 57).

Ressalte-se, que o documento da Entidade, baseia-se em pesquisas de órgãos responsáveis, a exemplo do Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores dos Direitos Humanos, cujos índices de violência são de inaceitáveis: 61.163 homicídios; 7 pessoas mortas por hora; 2,6 mil latrocínios; 4,2 mortos em ações policiais; 49 mil estupros. Há mais vidas dilaceradas por variadas violências: a fome que ronda os lares dos mais pobres, a incúria hospitalar, o desemprego, a inépcia, a desonestidade dos servidores públicos de todos os matizes, a sonegação empresarial e muitas outras.

Em solenidade de abertura da CF 2018, Dom Sergio da Rocha, Presidente da CNBB, relembrou o compromisso opcional pelos pobres, ao declarar: "A vida e dignidade das pessoas e de grupos sociais mais vulneráveis são continuamente violados de muitos modos" (...) "a indignação diante da violência representada pelas situações de exclusão e negação dos direitos fundamentais, especialmente dos mais pobres e fragilizados, não pode ser menor do que a despertada por crimes bárbaros".

É importante registrar a presença da Presidente do STF na abertura da CF, que se comprometeu com os objetivos da Campanha. Tal participação reflete a tradição da CNBB de sempre se colocar numa postura de diálogo e no horizonte de assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, conforme determina a Constituição Federal.

Na abertura da CF 2018, manifestei-me com relação à violência que vitima a comunidade negra, mormente os jovens negros, realidade, também revelada no Texto-Base. Negras, negros, indígenas, grupos sociais marginalizados em razão de preconceitos são os maiores alvos de ações violentas físicas e ou psíquicas.

A CF 2018 oferece a oportunidade de diálogo Estado e sociedade, incumbe-lhes o dever de garantir a justiça e a paz em favor de todos os cidadãos, sustentar o equilíbrio verdadeiro mediante equânime distribuição das riquezas.

Evidentemente, que ao agir na perspectiva dos interesses dos mais vulneráveis, a CNBB nem sempre é compreendida pelas franjas autoritárias presentes na sociedade brasileira. Presas em suas leituras herméticas, preconcebidas e raramente pastorais, são portadoras de teses absurdas e distantes da realidade do povo de Deus.

A intervenção federal, sob comando militar no estado do Rio de Janeiro, deve ter por escopo a garantia da inviolabilidade do lar, da cidadania e não somente os patrimônios, quer sejam públicos ou privados. Além do mais, a prevenção é indispensável bem como mecanismos de atendimento aptos à saúde, à educação, ao transporte, ao emprego, ao lazer e aos direitos impostergáveis para uma comunidade viver em paz.

Certamente, a CF 2018 será um tempo forte e favorável de conversão, de mudança de vida, dentro do horizonte e dos mistérios da Páscoa do Senhor, vendo em cada humano a dignidade de filhos e filhas, cujos rostos são muitas vezes desfigurados pela violência.

 

***

O Instituto Humanitas Unisinos - IHU discutirá a questão da violência, tema da Campanha da Fraternidade 2018, no ciclo de estudo e debates Violências no mundo contemporâneo, interfaces, resistências e enfrentamentos, que ocorre de 08 de março a 17 de maio de 2018.  As conferências acontecem no Campus da Unisinos São Leopoldo. Inscreva-se aqui.

Veja abaixo a programação

  • 08 de março de 2018 (quinta-feira)
    17h30min às 19h – A (des)construção das violências de gênero nas famílias e na sociedade
    Profa. Dra. Denise Falcke – Unisinos

 

  • 14 de março de 2018 (quarta-feira)
    19h30min às 22h – Violências, prisão e segurança pública: realidades e possibilidades
    Prof. Dr. Marcos Rolim – IPA

 

  • 20 de março de 2018 (terça-feira)
    19h30min às 22h – Múltiplas faces da violência contra as populações do campo, floresta e das águas e as alternativas democráticas
    Prof. Dr. Fernando Carneiro – Fiocruz – Ceará

 

  • 05 de abril de 2018 (quinta-feira)
    17h30min às 19h – Violência contra crianças, adolescentes e jovens
    Prof. MS Afonso Armando Konzen – FMP

 

  • 12 de abril de 2018 (quinta-feira)
    19h30min às 22h – Violências, resistências e enfrentamento no mundo urbano
    Prof. Dr. David Léo Levisky – SBPdePA

 

  • 17 de abril de 2018 (terça-feira)
    19h30min às 22h – Direito à demarcação de terras, conflitos e violência contra povos indígenas do Brasil
    Profa. Dra. Fernanda Frizzo Bragato – Unisinos

 

  • 19 de abril de 2018 (quinta-feira)
    17h30min às 19h – Violências e a violação de direitos
    19h30min às 22h – A produção de violência e morte em larga escala: da biopolítica à tanatopolítica
    Prof. Dr. Castor Bartolomé Ruiz – Unisinos

 

  • 07 de maio de 2018 (segunda-feira)
    19h30min às 22h – Violências e direitos humanos: perspectivas sobre o tráfico de drogas no Brasil
    Prof. Dr. Sérgio Adorno – USP

 

  • 17 de maio de 2018 (quinta-feira)
    17h30min às 19h – A inclusão como possibilidade de enfrentamento às violências
    Prof. Dr. Guilherme de Azevedo – Unisinos

***

Nota:

(1) "O artigo “CF 2018: uma reflexão necessária!”, nascido no contexto do Ato de Lançamento da Campanha da Fraternidade 2018. Importa destacar que o autor participou do evento em evidência, realizado em 14 de fevereiro na sede nacional da CNBB", escreve o autor do texto ao enviá-lo para ser publicado.

Segundo ele "o texto em comento, tem a intenção de oferecer um olhar sobre o lançamento da CF 2018, na perspectiva de um cristão leigo, militante dos direitos humanos, particularmente das comunidades negras. Rogo a publicação do mencionado, evidentemente, se for do interesse dessa prestigiosa instituição que prima por apontar novas questões e buscar respostas para os grandes desafios de nossa época, a partir da visão do humanismo social cristão".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

CF 2018: uma reflexão necessária! - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV