Sanchez Sorondo: a China é a que melhor atende a doutrina social da Igreja

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Quem são os “idiotas úteis”?

    LER MAIS
  • Sob o império do grosseiro e do obsceno

    LER MAIS
  • Alastra-se o rechaço a Bolsonaro; análise de Luiz Marques (IFCH/Unicamp)

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Fevereiro 2018

O chanceler da Pontifícia Academia das Ciências, de volta de uma viagem a Pequim, exalta a China como um país onde o "bem comum" é o valor primário; onde "não existem favelas" nem drogas, onde o meio ambiente é respeitado. Não como os Estados Unidos de Donald Trump. "Muitos pontos de encontro" entre a China e o Vaticano.

A reportagem foi publicada por Asia News, 07-02-2018. A tradução é de Luisa Rabolini

"Neste momento, os que atendem melhor a doutrina social da Igreja são os chineses." Quem declarou isso foi Mons. Marcelo Sánchez Sorondo, chanceler da Pontifícia Academia das Ciências.

Na edição espanhola do Vatican Insider do último 2 de fevereiro, o bispo argentino enumera todas as maravilhas que ele notou em sua última viagem à China: "Eles se preocupam com o bem comum, subordinam as coisas ao bem comum".

"Eu encontrei uma China extraordinária: o que as pessoas não entendem é que o princípio central chinês é trabalho, trabalho, trabalho. Não há outro. No fundo, é como dizia São Paulo: quem não trabalha, não come".

"Não existem favelas, não têm drogas, os jovens não usam drogas. Existe algo como uma consciência nacional positiva, eles desejam demonstrar que mudaram, que aceitam a propriedade privada".

De acordo com Mons. Sanchez Sorondo, Pequim "está defendendo a dignidade da pessoa", seguindo mais do que os outros países, a encíclica do Papa Francisco  Laudato Si', defendendo o acordo de Paris sobre o clima.

Nisso a China diferencia-se dos Estados Unidos: "A economia não domina a política, como acontece nos Estados Unidos, como afirmam os próprios estadunidenses. Como é possível que as multinacionais do petróleo influenciem (Donald) Trump? Sabendo que tudo isso é ruim para a terra, como mostram a encíclica e os cientistas. O pensamento liberal liquidou com o conceito do bem comum, não quer nem mesmo levá-lo em consideração, afirma que é uma ideia vazia, sem nenhum interesse. Os chineses, ao contrário, não fazem isso, eles propõem o trabalho e o bem comum".

"A impressão - conclui - é que a China está evoluindo muito bem. Eles me perguntaram como estão as relações entre a China e o Vaticano, e eu respondi que no momento não existem formalmente, porque não temos embaixadores ou núncios, mas neste momento há muitos pontos de encontro. O mundo é dinâmico e sempre em evolução. Não é possível pensar que a China de hoje seja a China dos tempos de João Paulo II ou a Rússia da Guerra Fria".

Não é a primeira vez o Mons. Sánchez Sorondo que expressa elogios para a China. Em fevereiro de 2017, em uma reunião internacional sobre o tráfico de órgãos, ele defendeu Pequim com veemência contra a acusação de transplantes forçados operados por médicos chineses em prisioneiros e condenados à morte.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sanchez Sorondo: a China é a que melhor atende a doutrina social da Igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV