20 anos da morte de Sebastião Camargo e um assassinato que se repete muitas vezes

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • “Não dá para ser uma Igreja de decisões tomadas apenas por homens”. Entrevista com o Cardeal Hollerich, jesuíta

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Fevereiro 2018

Há 20 anos, em Marilena, interior do Paraná, uma organização criminosa de fazendeiros realizou um despejo violento ilegal contra integrante do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) que ocupavam a Fazenda Boa Sorte, que já estava em processo de destinação para reforma agrária. 

A reportagem é de Fernando Prioste, publicado por Terra de Direitos, 07-02-2018.

Às 6h30 do dia 7 de fevereiro de 1998, pistoleiros armados, sob o comando da União Democrática Ruralista (UDR), chegaram no acampamento em que viviam 300 famílias. Sob tiros, agressões e insultos, os acampados foram arrancados de barracos de lona e obrigados a deitarem no chão, com o rostos virado para baixo, pois seriam colocados em caminhões de gado e despejados em cidades vizinhas.

Sebastião Camargo era um dos integrantes do MST, com 60 anos, cinco filhos, esposa, uma vida de trabalho no campo e o sonho de conquistar a terra. Tinha problemas na coluna e não conseguia permanecer com a cabeça abaixada. Temendo ser reconhecido, e com a ira daqueles que não querem a repartição da terra, o então presidente da UDR do Paraná assassinou Sebastião com um tiro de escopeta calibre 12, na cabeça.

Sebastião não conquistou o sonho, mas seus companheiros deram seu nome ao assentamento criado nas terras em que seu sangue foi derramado. A viúva, Dona Alzerinda, teve a sorte de escapar dos tiros e criar os filhos em terras conquistadas com a luta. Os pistoleiros Osnir Sanches e Augusto Barbosa, assim como então dono da Fazenda, Teissin Tina, e o presidente da URD, Marcos Prochet, foram condenados. Outro integrante da UDR, Tarcísio Barbosa, ainda será julgado. A Comissão Interamericana de Direitos Humanos afirmou que houveram graves violações de direitos humanos, e fez recomendações ao Estado brasileiro para não repetição do fato.

Infelizmente a morte de Sebastião se repetiu muitas vezes nestes vinte anos - poucas foram as situações em que o assentamento surgiu e os poderosos foram condenados. Ainda há muito que fazer para construir uma sociedade justa.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

20 anos da morte de Sebastião Camargo e um assassinato que se repete muitas vezes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV