Memória do Holocausto - Dia Internacional. Liliana Segre: nós, esquecidos como aqueles migrantes no mar

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco: “Sou a favor das uniões civis, as pessoas homossexuais têm direito a uma família”

    LER MAIS
  • Somos todos “luderanos”. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS
  • Não é novidade: Papa Francisco defende as uniões civis há anos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Janeiro 2018

"Nós testemunhas seremos esquecidos como os migrantes que se afogaram no mar." É triste (ou esclarecedora!) a comparação de Liliana Segre, a sobrevivente de Auschwitz recém-nomeada senadora vitalícia, em uma entrevista com Lucia Ascione para a TV2000: "Nós testemunhas do Holocausto somos agora bem poucos, como os dedos de uma mão, e logo que todos estivermos mortos, o mar vai se fechar completamente sobre nós na indiferença e no esquecimento. Como está sendo feito gora com os corpos que morrem afogados na busca por liberdade e ninguém mais preocupa-se com eles".

A reportagem é de Giulio Isola, publicada por Avvenire, 24-01-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Em sua residência, em Milão, Segre traz à luz os momentos dramáticos do Holocausto, as leis raciais de 1938, a deportação para Auschwitz, a libertação, os anos do silêncio e do testemunho: "Meu silêncio durou 45 anos. Precisei me tornar avó. Foi um momento que me completou, uma grande experiência de vida completo e que me deu a força para abrir-me depois desse silêncio terrivelmente pesado. Auschwitz foi um inferno tão grande, foi um momento de tamanha degradação da humanidade, que eu não conseguia encontrar as palavras. Eu não as encontrava e preferia ficar calada. Mas, finalmente, e devo dizer que foi uma grande libertação, aconteceram eventos que, gradualmente, fizeram com que me tornasse uma testemunha do Holocausto."

A comovente entrevista, que foi ao ar ontem, também abordou questões atuais: "Eu sempre quis viver. E podemos ver o que é esse desejo pela vida nos hospitais. Quando alguém escolhe o suicídio acontece uma discussão sobre o livre arbítrio. Mas, na realidade, quantos são aqueles que no hospital escolhem puxar o plugue da tomada? Aqueles que, já sabendo que no dia seguinte irão ser operados e terão um período doloroso pela frente, quantos são os que escolhem puxar o plugue? Estar plugado à vida é inerente para nós: desde que saímos do útero, chorando, até o último minuto de vida. E eu para os jovens com que costumo regularmente falar, digo sempre que a vida é maravilhosa, que devem amá-la e não perder um minuto dessa vida. A vida pode ter reviravoltas fantásticas e o desejo pela vida que está dentro de cada ser humano é muito grande. É como o girassol que se vira para o sol e o procura."

Na quinta-feira Liliana Segre estará no Quirinale (Palácio do Governo) para a celebração do Dia da Memória: "Lembro-me do silêncio dentro do vagão do trem que nos levava para Auschwitz. Esse silêncio é importante. Eu tento explicar isso quando falo com as crianças e os estudantes que encontro ... que hoje se vive em um mundo de ruídos. Nós não conhecemos mais o silêncio que pode ser tão importante para estar com si próprio, mas também para compartilhar a proximidade da morte. Das 605 pessoas naquele trem, que era apenas um dos muitos, voltamos em 22”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Memória do Holocausto - Dia Internacional. Liliana Segre: nós, esquecidos como aqueles migrantes no mar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV