No bastião perdido da esquerda, eles queriam proteger Lula de sua pior derrota

Revista ihu on-line

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Mais Lidos

  • O melhor professor do mundo é Peter, franciscano do Quênia

    LER MAIS
  • Bolsonaro estimula celebração do golpe militar de 1964; generais pedem prudência

    LER MAIS
  • Líder de movimento social é assassinada no Pará

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Janeiro 2018

Há exatos 15 anos, o Parque da Harmonia, em Porto Alegre, recebia o Acampamento da Juventude para a terceira edição do Fórum Social Mundial. Luiz Inácio Lula da Silva tinha acabado de ganhar a primeira eleição (2002) e tomava posse como presidente do Brasil naquele mesmo mês de janeiro e era recebido em uma cidade governada pelo PT. Além dele, o venezuelano Hugo Chávez era uma das grandes estrelas esperadas para o encontro, assim como o linguista Noam Chomsky. Os discursos no Anfiteatro Pôr do Sol, que fica próximo ao parque, embalavam uma esquerda empolgada que começava a conquistar o poder na América Latina. Para eles, um novo mundo parecia possível, como dizia o slogan do evento.

A reportagem é de Marina Rossi e publicada por El País, 24-01-2018.

Daqueles dias para para esta quarta-feira, talvez a única semelhança fossem as barracas montadas no Anfiteatro Pôr do Sol pela militância pró-Lula, acampada desde segunda-feira. Ali estavam milhares de defensores do petista, que se acotovelam por uma sombra, sob um sol escaldante. Poucos assistiam ao julgamento do ex-presidente petista, que se desenrolava na cidade e culminaria na pior derrota da carreira do líder, com a confirmação de sua condenação pela Operação Lava Jato. Muitos discursavam, outros descansavam de uma longa e cansativa jornada.

O Parque da Harmonia, por sua vez, estava fechado e isolado por policiais. Em uma margem, na qual passa o rio Guaíba, nesta quarta-feira amanheceu com um enorme boneco inflável de Lula vestido de presidiário navegando por suas águas. Era o símbolo de que a cidade, agora governada por um político de direita, também esperava (pequenas) manifestações contra Lula.

Lula, o Brasil te ama”, bordava em linhas coloridas a militante Beatriz Arruda num pequeno quadrado de pano branco. “Somos um grupo de 300 bordadeiras”, explicava, enquanto terminava de bordar a palavra Brasil. “Começamos bordando uma colcha para a dona Marisa – esposa de Lula – mas ela morreu antes que terminássemos. Demos então de presente para o Lula. Depois dele, demos uma colcha para a Dilma [Rousseff], uma para o Zé Dirceu e outra para o Chico Buarque”, contava ela, quanto perguntavam o preço do bordado “Não tem preço. É de graça. Espalhamos essa mensagem por aí”.

Assim como para Beatriz, para outros tantos a esperança não havia acabado. “Lula não será condenado, porque ele é inocente”, dissera Alessandra Lopes, na tarde anterior. “Ele é o único que realmente defende o povo”, afirmou ela, que vestia uma camiseta amarela da Seleção Brasileira. A cor havia sido usada por militantes que pediram o impeachment de Dilma Rousseff e que hoje pedem a prisão de Lula. Já faz anos que o Brasil os chama de “amarelos”, enquanto a militância petista é vermelha. “Nem pensei nisso. Vim assim porque sou patriota mesmo”, contou Alessandra, antes de um ato com a presença de Lula tingir o centro de Porto Alegre de vermelho.

A alguns quilômetros de onde o acampamento petista foi montado, um pequeno grupo vestido com a camiseta do Brasil e embrulhados na bandeira brasileira pediam a prisão de Lula. E iam além: “Nosso principal foco é a intervenção militar”, afirmou Simone Mourão. “Queremos a prisão de Lula, porque ele é chefe do Foro de São Paulo, mas, acima de tudo, queremos o fim do Foro de São Paulo. Querem transformar o Brasil em uma União Soviética”, dizia ela, em referência ao grupo que reunia forças de esquerda do continente.

Depois da decisão dura contra Lula, a cuidadora Ana Luiza dos Santos decidiu saiu de Alvorada, na região metropolitana de Porto Alegre, e ir para o ato convocado para celebrar a confirmação da condenação. “O Lula tem que ser preso porque ele iludiu o povo brasileiro e a classe trabalhadora ingênua”, diz. “Junto com ele, toda a corja do PT deveria ser presa também: Renan Calheiros, Temer e Gilmar Mendes. O PT foi a organização que liberou pra todo mundo roubar”. Ela afirma que “se não surgir nenhum nome de peso” até as eleições, votará em Jair Bolsonaro.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

No bastião perdido da esquerda, eles queriam proteger Lula de sua pior derrota - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV