Indústria do açúcar dos EUA ocultou evidências dos efeitos da sacarose na saúde há quase 50 anos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Novembro 2017

Um grupo de comércio da indústria açucareira dos EUA parece ter retirado um estudo que estava produzindo evidências de animais que ligavam a sacarose a doenças cardiovasculares há quase 50 anos.

A reportagem é de Henrique Cortez, publicada por EcoDebate, 22-11-2017.

Os pesquisadores Cristin Kearns, Dorie Apollonio e Stanton Glantz, da Universidade da Califórnia em San Francisco, analisaram os documentos internos da indústria açucareira e descobriram que a Sugar Research Foundation (SRF) financiou pesquisa animal para avaliar os efeitos da sacarose sobre a saúde cardiovascular. Quando a evidência pareceu indicar que a sacarose pode estar associada a doença cardíaca e câncer de bexiga, a fundação encerrou o projeto sem publicar os resultados.

Em uma análise anterior dos documentos, Kearns e Glantz descobriram que a SRF havia financiado secretamente um artigo de revisão de 1967 que minimizava evidências que vincularam o consumo de sacarose com a doença cardíaca coronária. Essa revisão financiada pela SRF observou que os micróbios intestinais podem explicar por que os ratos alimentados com açúcar apresentaram níveis mais altos de colesterol do que os que alimentaram amido, mas descartaram a relevância dos estudos em animais para a compreensão da doença humana.

No novo artigo na PLOS Biology , a equipe informa que no ano seguinte, SRF (que mudou seu nome em 1968 para a International Sugar Research Foundation, ou ISRF) lançou um estudo de ratos chamado Projeto 259 para medir os efeitos nutricionais da organismos [bacterianos] no trato intestinal “quando a sacarose foi consumida, em comparação com o amido".

A pesquisa financiada pelo ISRF em ratos na W.R.F. Pover of the University of Birmingham sugeriu que as bactérias intestinais ajudam a mediar os efeitos cardiovasculares adversos do açúcar. Pover também relatou achados que podem indicar um risco aumentado de câncer de bexiga. “Esta descoberta incidental do Projeto 259 demonstrou à ISRF que a sacarose versus o consumo de amido causou diferentes efeitos metabólicos”, argumenta Kearns e seus colegas “, e sugeriu que a sacarose, ao estimular a beta-glucuronidase urinária, pode ter um papel na patogênese do câncer de bexiga.”

A ISRF descreveu a descoberta em um documento interno de setembro de 1969 como “uma das primeiras demonstrações de uma diferença biológica entre ratas alimentadas com sacarose e amido”. Mas logo após o ISRF ter conhecido esses resultados – e pouco antes de o projeto de pesquisa estar completo – o grupo encerrou o financiamento para o projeto e não foram encontradas descobertas do trabalho.

Na década de 1960, os cientistas discordaram sobre se o açúcar poderia elevar os triglicerídeos em relação ao amido, e o Projeto 259 teria reforçado o caso que poderia, argumentam os autores. Além disso, encerrar o Projeto 259 fez eco dos esforços anteriores da SRF para minimizar o papel do açúcar nas doenças cardiovasculares.

Os resultados sugerem que o debate atual sobre os efeitos relativos do açúcar versus amido pode ser enraizado em mais de 60 anos de manipulação industrial da ciência. No ano passado, a Sugar Association criticou um estudo em ratos, sugerindo uma ligação entre o açúcar e o aumento do crescimento e metástase do tumor, afirmando que “nenhuma ligação credível entre açúcares ingeridos e câncer foi estabelecida”.

A análise de Kearns e seus colegas dos documentos da indústria, ao contrário, sugere que a indústria conhecia a pesquisa animal sugerindo essa ligação e parou o financiamento para proteger seus interesses comerciais meio século atrás.

“O tipo de manipulação da pesquisa é semelhante ao que a indústria do tabaco faz”, de acordo com o co-autor Stanton Glantz. “Esse tipo de comportamento questiona os estudos financiados pela indústria do açúcar como fonte confiável de informações para a elaboração de políticas públicas”.

“Nosso estudo contribui para um corpo mais vasto de literatura documentando a manipulação da indústria na ciência”, escrevem os pesquisadores no documento. “Com base na interpretação dos resultados preliminares da ISRF, o aumento do financiamento do Projeto 259 teria sido desfavorável aos interesses comerciais da indústria açucareira”. A SRF cortou o financiamento antes que isso acontecesse.

Desenho experimental para o Projeto 259 e resultados relatados ao ISRF. (A) O Projeto 259 foi conduzido usando ratos “livres de germe” que foram criados em isoladores para limitar sua exposição a bactérias. O estudo principal descobriu que os ratos alimentados com uma dieta com alto teor de açúcar apresentaram uma diminuição acentuada altamente significativa nos triglicerídeos no sangue, em comparação com os controles. (B) O investigador principal do Projeto 259, WFR Pover, disse à ISRF que, se os mesmos ratos apresentassem um nível elevado de triglicerídeos depois de serem expostos a bactérias e alimentados com a mesma dieta com alto teor de açúcar, “o papel das bactérias na determinação dos níveis de triglicerídeos será comprovado conclusivamente [em ratos] “[ 33]. O ISRF encerrou o financiamento para as experiências antes de serem concluídas. Um estudo preliminar inicial realizado antes do experimento principal descobriu que os ratos alimentados com uma dieta com alto teor de açúcar tinham menos inibidor de beta-glucuronidase na urina do que os ratos alimentados com uma dieta PRM básica com alto teor de amido. A beta-glucuronidase é uma enzima, e os níveis elevados de urina eram associados a câncer de bexiga na década de 1960. (Imagem: ISRF, International Sugar Research Foundation)

PLOS Biology

Referência:

Kearns CE, Apollonio D, Glantz SA (2017) Sugar industry sponsorship of germ-free rodent studies linking sucrose to hyperlipidemia and cancer: An historical analysis of internal documents. PLoS Biol 15 (11): e2003460

Informações de PLOS.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Indústria do açúcar dos EUA ocultou evidências dos efeitos da sacarose na saúde há quase 50 anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV